domingo, 02 outubro 2022
quinta, 25 agosto 2022 16:06

Alandroal - Pelo terceiro ano consecutivo, parceria solidária reabilita habitações

Escrito por
O investimento total, “repartido em partes iguais entre o Município e a Fundação, ronda os 40 mil euros" O investimento total, “repartido em partes iguais entre o Município e a Fundação, ronda os 40 mil euros" DR

Pelo terceiro ano consecutivo, o Município de Alandroal, a Fundação Manuel António da Mota e a Associação “Just a Change” estão a proceder à reabilitação de habitações das famílias mais necessitadas do concelho.
 
Em nota de imprensa enviada às redacções, a autarquia de Alandroal revela que “as intervenções”, que são levadas a cabo por voluntários com o apoio de mestres locais, “passam pela melhoria da habitabilidade geral, renovação de coberturas, criação de instalações sanitárias ou cozinhas”.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, no Verão de 2022, serão realizadas quatro intervenções, que correspondem a outros tantos agregados familiares sinalizados em todo o concelho, num total de dez pessoas beneficiadas.
 
Segundo a edilidade alandroalense, o investimento total, “repartido em partes iguais entre o Município e a Fundação, ronda os 40 mil euros”. A Associação “Just a Change” mobiliza apoio técnico e 25 voluntários para ajudarem na concretização das obras.
 
Nos dois anos anteriores, foram investidos 40 mil euros em 2020 e 47 mil euros em 2021, em moldes semelhantes, o que correspondeu a nove habitações intervencionadas e 15 pessoas beneficiadas, tendo estado envolvidos 50 voluntários.
 
Estas intervenções são efectuadas em complemento ao Programa de Melhoramentos Habitacionais para Estratos Sociais Desfavorecidos do Município de Alandroal e a sua realização está integrada na Estratégia Local de Habitação desenvolvida pela autarquia liderada pelo socialista João Grilo.
 
A autarquia assevera que “graças a estas intervenções e à política de contínuo investimento em melhorias habitacionais para as famílias mais desfavorecidas, são já extremamente raras as situações limite no concelho”, estimando que “exceptuando situações muito particulares em que não é possível intervir por condicionalismos legais ou vontade dos proprietários, nos próximos dois anos serão eliminadas todas as situações de pobreza habitacional extrema no concelho”.
Modificado em quinta, 25 agosto 2022 17:00

Deixe um comentário