quinta, 09 dezembro 2021

O Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) celebrou o Dia Mundial da Criança com boas notícias. O Serviço de Pediatria do HESE recebeu a oferta de três mini automóveis para que as crianças conduzam o seu próprio automóvel quando se deslocam ao Bloco Operatório, sempre que a situação clínica o permita.
 
Os mini automóveis foram oferecidos pela mãe de uma criança que esteve internada no Serviço de Pediatria no início do ano de 2021, pela firma Manuel Fialho, de Évora, e por Francisco George, Presidente da Cruz Vermelha Portuguesa.
 
Sair da cama da Pediatria, no piso 5, e ir até ao Bloco Operatório, no piso 2, pode deixar as crianças nervosas e ansiosas, daí que, qualquer distracção seja sempre positiva para estes pequenos utentes. Um dos mini automóveis imita o modelo de um tractor Manuel Fialho, o segundo, um Audi descapotável vermelho, e o último, um Mercedes branco, e podem ser conduzidos pelas próprias crianças ou pelo profissional de saúde que as acompanha, através de um comando remoto.
 
Marinalva Oliveira Bispo, mãe de uma das crianças que já usou um dos mini automóveis para se deslocar até ao Bloco Operatório, agradece ao hospital eborense por proporcionar este tempo feliz à filha, momentos antes de ser operada, e afirma que “gostou muito desta ideia, já que os distrai e fica mais divertido o caminho para o Bloco Operatório, não só para eles, como para nós, pais, que acabamos por nos alegrar ao vermos as carinhas boas deles. Diverti-me e isso torna este momento muito melhor”.
 
Lucília Felício diz que “o seu filho estava pronto para regressar ao quarto no tractor que conduziu até à operação, todo contente”.
 
Estas ofertas resultam de um apelo realizado pela Enfermeira Daniela Alexandra, do Serviço de Pediatria, com o objectivo de humanizar e facilitar o processo de hospitalização das crianças, oferecendo-lhe um momento divertido, diminuindo a sua ansiedade e o stress pré-operatório.
 
O Conselho de Administração do HESE e o Director do Serviço de Pediatria, Hélder Ornelas, agradecem esta oferta e reconhecem que irá fazer a diferença para as crianças internadas no HESE. “As crianças ficam muito felizes com esta surpresa e até se esquecem que vão a caminho do Bloco Operatório, é muito positivo”, afirmou o Director de Serviço.
Modificado em quarta, 02 junho 2021 19:39

Uma colisão entre um veículo pesado de mercadorias e uma moto-quatro, ocorrida ao final da tarde de ontem, dia 1 de Junho, na Estrada Municipal 515, em Monforte, resultou na morte de um rapaz de 16 anos.
 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre referiu à nossa reportagem que o alerta para este sinistro foi dado às 19:10 horas.
 
Segundo fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR), a vítima mortal deslocava-se na moto-quatro, tendo o óbito sido declarado no local.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, o jovem era natural de Monforte, estando actualmente a estudar na Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Alter do Chão.
 
Para o local foram mobilizados 15 operacionais e seis veículos, entre os quais duas viaturas dos Bombeiros Voluntários de Monforte, três da GNR e uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER).
 
O corpo do jovem foi retirado cerca das 20:15 horas e por volta das 21 horas começaram os trabalhos de limpeza da via.
Modificado em quarta, 02 junho 2021 08:31

Foi detectado na Escola Secundária Gabriel Pereira, em Évora, um surto de Covid-19 com 11 casos positivos, o que segundo a direcção do estabelecimento de ensino eborense impossibilita o regresso às aulas no dia de amanhã, segunda-feira, das sete turmas que se encontram em isolamento.
 
Em comunicado, publicado este fim de semana na página de Internet da escola, a direcção da ESGP, refere que “foram identificados 11 casos positivos e alguns outros casos suspeitos. Nestas circunstâncias, não é possível o retorno às aulas presenciais na próxima segunda-feira".
 
O comunicado, assinado por Fernando Farinha Martins, director do Agrupamento de Escolas Gabriel Pereira, salienta ainda que os 11 casos de infecção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 foram detectados no âmbito da testagem a alunos e professores que decorreu durante a passada semana.
 
A direcção do estabelecimento de ensino esclarece que "todos os alunos infectados e os suspeitos por via de contactos com agentes activos vão ser alvo de uma segunda testagem".
 
Na segunda-feira passada, foi revelado que sete turmas desta escola estavam em isolamento profilático devido a um surto de Covid-19 detectado entre os alunos, na altura com "três casos confirmados", disse então à Lusa o director Fernando Martins.
 
Nesse dia, o director explicou que as turmas ficavam em isolamento "até aos dias 1, 3 e 4 de Junho", mas tinham sido detectados contactos de alto risco com os infectados em, pelo menos, mais quatro turmas.
 
"Considerando a necessidade de manter as condições de segurança a todos os utentes", foi determinada a "passagem do 9.º ano e do ensino secundário, regular e profissional, para o ensino à distância", até que fossem conhecidos os resultados dos testes a todos os alunos e professores das turmas em isolamento.
 
A direcção, no comunicado deste fim de semana dirigido à comunidade educativa, explicou que "vai manter-se o regime de ensino a distância" para todas estas turmas durante a "próxima semana".
 
"A educação de adultos mantém-se em regime presencial", disse o director, manifestando "esperança" de que as turmas em ensino à distância possam "retornar ao ensino presencial a 7 de Junho".
 
Na quinta-feira, igualmente em Évora, 410 alunos Escola Secundária Severim de Faria, pertencentes "às 16 turmas do ensino secundário" do estabelecimento de ensino, foram colocados em ensino à distância, por suspeitas de Covid-19 por parte de um professor.
 
c/ LUSA
Modificado em domingo, 30 maio 2021 12:50

A Agência Portuguesa para o Ambiente (APA) publicou recentemente as listagens com a ocupação máxima das praias portuguesas para este Verão.
 
No passado fim de semana de 15 e 16 de Maio, a época balnear arrancou nos concelhos de Almada e Cascais, estando por começar no Algarve (início de Junho) e na região Norte (15 de Junho).
 
O maior areal nacional, à semelhança do ano passado, continua a ser o da Nazaré, com capacidade para 17100 pessoas.
 
Na região hidrográfica do Alentejo, as maiores praias continuam a ser Tróia Mar, em Grândola (3500 pessoas), Furnas Mar, em Odemira (1500), Costa de Santo André, em Santiago do Cacém (2500), Prainha-Ouro, Sesimbra (3000), Figueirinha, em Setúbal (1500) e São Torpes e Vasco da Gama, em Sines (ambas com capacidade máxima para 2000 veraneantes).
Máscara nos acessos e distanciamento entre toalhas
À entrada das praias estarão novamente a funcionar os semáforos relativos à ocupação no areal, que também poderá ser consultada na aplicação Infopraias.
 
Quem desrespeitar as regras de frequência dos areais está sujeito a multa mínima de 100 euros. À semelhança do ano passado, a Polícia Marítima deverá controlar e verificar o cumprimento das regras, que recordamos:
- é obrigatório usar máscara nos acessos ao areal, restaurantes, balneários e paredões;
- as toalhas têm de ser estendidas com, no mínimo, 1,5 metros de distância;
- a distância aumenta para 3 metros no caso dos chapéus de sol, toldos ou colmos (barracas podem estar a 1,5 metros e tornam a poder ser alugados o dia todo, em vez de apenas meio dia como em 2020);
- vai ser permitido praticar desporto acompanhado (como raquetes ou futebol), mas só se a ocupação da praia for baixa;
- são proibidas actividades de prestação de serviços de massagens e atividades análogas;
- aulas de surf e desportos similares só podem ter no máximo cinco participantes por instrutor.
 

 

 
Modificado em segunda, 24 maio 2021 18:36

O Município de Alandroal convidou o arquitecto Manuel Aires Mateus para liderar uma equipa multidisciplinar para o desenvolvimento de um Plano de Intervenção de reabilitação e valorização do património da vila histórica de Terena.
 
O plano procura ser um primeiro contributo para a valorização faseada de toda a zona histórica e sua envolvente, tendo como epicentro a recuperação do Castelo de Terena e do edifício da antiga Misericórdia, a criação de um novo museu e pode vir a incluir outros espaços de natureza pública do centro histórico da vila.
 
O novo museu será o espaço privilegiado para o contacto com toda a riqueza histórica e cultural do concelho, com vista para o Monte de S. Miguel da Mota e destaque para o espólio ligado ao culto romano ao deus Endovélico, associado àquele local.
 
Este projecto resulta da prioridade que representa para o Município a criação de um espaço museológico de referência no concelho, a necessidade de intervir no Castelo, agora que se aproxima a data da transferência da sua posse do Estado para o Município e a importância de iniciar um processo de valorização de uma das mais atractivas vilas novas medievais do país, um dos três centros históricos do concelho do Alandroal, além de Juromenha e da própria sede de concelho.
 
São parceiros privilegiados deste processo a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, o Museu Nacional de Arqueologia e a CCDR Alentejo, sendo expectativa da autarquia conseguir alavancar as intervenções a definir nos fundos do próximo quadro comunitário de apoio.
 
Para João Grilo, o presidente da autarquia, que espera poder apresentar este trabalho em Julho próximo, “valorizar três centros históricos ao mesmo tempo, dois deles sem qualquer investimento relevante em décadas, é um desafio gigantesco para a nossa escala, mas uma prioridade obrigatória e evidente. Com o processo de Juromenha claramente encaminhado pela reabilitação da fortaleza e integração de um projeto REVIVE, chegou a hora de planear para Terena a reabilitação que a coloque no lugar que merece”.
Modificado em segunda, 24 maio 2021 00:21

O Município de Vendas Novas irá disponibilizar cerca de 184 mil euros para ajudar 36 associações do concelho a cumprir o seu plano de actividades e, essencialmente, apoiar a sua recuperação, para que possam voltar a prosperar, a contribuir para o desenvolvimento social e a trazer a cultura e o desporto para a vida dos vendasnovense.
 
Este valor resulta da apreciação das candidaturas efectuadas ao programa de apoio ao associativismo de cariz social, cultural e desportivo, e está dividido da seguinte forma: nove mil euros são para ser usados em serviços de reprografia, 50 mil euros em transportes municipais e 125 mil euros é o total do apoio financeiro.
 
Para além desta comparticipação, as associações têm direito a usar gratuitamente os equipamentos municipais para a realização de iniciativas, desde que haja disponibilidade e sejam cumpridas as normas em vigor para a realização de eventos, no que respeita ao combate da Covid-19.
 
O Município já iniciou o pagamento da verba monetária para que as associações e colectividades possam, o mais rápido possível, realizar as actividades que ficaram suspensas ou canceladas devido à pandemia e voltar a contribuir para a formação desportiva, cultural e social, que a população tanto anseia.
 
Desde 2017, o Município de Vendas Novas já investiu cerca de um milhão de euros em apoios, num claro reconhecimento de que o associativismo é um pilar de desenvolvimento do concelho.
Modificado em sexta, 14 maio 2021 00:55

O Município de Alandroal está a preparar uma nova estratégia de valorização e promoção dos activos turísticos e patrimoniais do concelho.
 
O objectivo é dar a conhecer o concelho a um número muito maior de potenciais novos moradores, visitantes e investidores num momento particularmente importante de relançamento da actividade económica nesta fase da pandemia e no pós-pandemia.
 
A estratégia assenta na marca do município – Alandroal, uma história que nunca acaba – e irá recorrer a vários suportes e maior presença nos espaços digitais.
 
Está prevista a criação de um novo stand promocional para participação em eventos, um vídeo e um livro promocional e outros materiais de apoio, assim como a presença da marca em suportes municipais (viaturas e bicicletas eléctricas) e suportes ligados às empresas de animação turística do concelho, como paramotores ou tuk-tuks eléctricos, com destaque para a presença num balão de ar quente que vai operar na região e em todo o país.
 
O Município já procedeu à renovação do site oficial e vai aumentar a sua presença nas redes sociais e em plataformas de promoção turística.
 
Na rua, já está a primeira fase da campanha, exposta nos outdoors municipais.
 
O investimento total ronda os 170 mil euros e o Município conta já com 91 mil euros de financiamento comunitário aprovado, esperando atingir os 85% de financiamento do investimento total numa fase subsequente.
 
Em paralelo, vai também começar a ser instalada, em todo o concelho, uma nova sinalética turística inteligente, também suportada por fundos comunitários, numa parceria com os municípios do Grande Lago Alqueva através da ATLA (Associação Transfronteiriça do Lago Alqueva).
Modificado em domingo, 09 maio 2021 12:49

A requisição temporária do complexo turístico Zmar Eco Experience, localizado na freguesia de Longueira - Almograve, no concelho de Odemira, devido ao surto de Covid-19 que se verifica na região, e que foi decretada pelo Governo, "pode constituir uma lesão dos direitos humanos". Esta é pelo menos a convicção do bastonário da Ordem dos Advogados, Luís Menezes Leitão.
 
Em comunicado enviado às redacções, a Ordem dos Advogados (OA) revelou que o bastonário, "perante as notícias vindas a público" relativas à requisição do empreendimento, decidiu "solicitar a intervenção da Comissão de Direitos Humanos" da própria OA.
 
A decisão deve-se ao facto de o despacho do Governo, datado de sexta-feira, determinar "a requisição temporária, por motivos de urgência e de interesse público e nacional, da totalidade dos imóveis e dos direitos a eles inerentes" que compõem o ZMar, o que "pode envolver casas de habitação própria e até de primeira habitação".
 
Esta requisição do Zmar, para alojar pessoas em "confinamento obrigatório" ou permitir o seu "isolamento profilático" determinado pela Autoridade de Saúde, surge no âmbito da cerca sanitária decretada pelo Governo nas freguesias de São Teotónio e de Longueira - Almograve, no concelho de Odemira, devido à elevada incidência de casos de Covid-19, cerca essa que entrou em vigor na sexta-feira.
 
Contudo, o bastonário da OA considera que "a requisição, ainda que temporária, de casas de habitação, obrigando à sua desocupação pelos proprietários para permitir a sua ocupação por terceiros", pode vir a "constituir uma lesão de direitos humanos".
 
Assim, o assunto "deve ser objecto de apreciação pela Comissão de Direitos Humanos da Ordem", é referido no comunicado.
 
"A partir do momento em que é levantado o Estado de Emergência, e por isso deixaram de estar suspensos os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos", os donos das casas no Zmar "têm os mesmos direitos a ser protegidos contra intervenções arbitrárias do Estado na sua propriedade e no seu domicílio familiar", frisou a OA.
 
Na passada sexta-feira, 20 proprietários com habitações no empreendimento Zmar, concentraram-se no local em protesto contra a requisição decretada pelo Governo e manifestaram a sua recusa em abandonar as casas.
 
O advogado Nuno Silva Vieira, que representa 114 dos 160 proprietários, esclareceu que o Zmar "não é apenas um parque de campismo, mas sim um espaço onde existem várias habitações particulares".
 
Das 260 casas existentes no local, cerca de 100 são do complexo e "160 de particulares", mas a requisição civil "é para todo o empreendimento", indicou o advogado, considerando que tal não pode ser e afirmando esperar "que esta decisão venha a ser alterada pelo Governo".
 
Durante a noite de sexta-feira, e após uma reunião mantida com o presidente da Câmara Municipal de Odemira, José Alberto Guerreiro, em que criticou o Governo por não ter estado presente, Nuno Silva Vieira avisou que, para operacionalizar esta operação pretendida pelo Governo, "não há trabalhadores", porque o complexo esteve em insolvência e tinha sido aprovado esta semana um plano de recuperação, que previa a reabertura turística a 28 de Maio.
 
Portugal Continental entrou este sábado na última fase do plano de desconfinamento e, quanto ao concelho de Odemira, só as duas freguesias sob cerca sanitária não avançaram para esta etapa.
 
c/ LUSA
Modificado em domingo, 02 maio 2021 00:02

Através do Posto Territorial de Arraiolos, o Comando Territorial de Évora da Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve, no dia de ontem, 30 de Abril, sexta-feira, no concelho de Arraiolos, três homens, com idades compreendidas entre os 20 e os 45 anos, por violação do confinamento obrigatório a que estavam sujeitos no âmbito da pandemia de Covid-19.
 
Em comunicado enviado às redacções, a força de segurança revela que as detenções ocorreram “na sequência de uma denúncia a dar conta que três indivíduos estariam na via pública a proceder à remoção de um sistema de escape de uma viatura ali estacionada”. Os militares da GNR rapidamente se deslocaram para o local, tendo localizado “os suspeitos no interior de uma empresa de gestão de resíduos, na posse de um sistema de escape e de diverso material ferroso”. 
 
No decorrer das diligências policiais efectuadas, foi apurado que os suspeitos estavam em violação do confinamento obrigatório a que estavam sujeitos.
 
Os factos desta detenção foram remetidos para o Tribunal Judicial de Évora.
 
Na mesma missiva, a GNR recorda que “ficam em confinamento obrigatório, em estabelecimento de saúde, no respectivo domicílio ou noutro local definido pelas autoridades de saúde, todos os doentes com Covid-19, os infectados com SARS-CoV-2, e os cidadãos relativamente a quem a autoridade de saúde ou outros profissionais de saúde tenham determinado vigilância activa. A violação do confinamento obrigatório constitui crime de desobediência”.
Modificado em sábado, 01 maio 2021 13:03