quinta, 09 dezembro 2021

Segundo foi anunciado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), no boletim epidemiológico desta segunda-feira, há 225672 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Portugal. Registam-se assim mais 3996 casos do que os registados no passado domingo. Há actualmente 80045 casos activos de Covid-19 no nosso país (mais 345 casos registados em relação ao dia de ontem) e subiu para os 142155 o número de casos de pessoas que já recuperaram da doença provocada pelo novo coronavírus (mais 3560 pessoas recuperadas que os registos no dia anterior).

 

Dos casos confirmados, há 3040 pessoas internadas em unidades de saúde (registam-se assim mais 111 internamentos do que aqueles que se verificavam no dia de ontem), e desses estão 426 internados em unidades de cuidados intensivos (estão assim internadas mais 11 pessoas em relação ao que se verificava no dia anterior).
 
Neste momento há 95354 casos a serem acompanhados com contactos de vigilância pelas autoridades (mais 750 casos registados em relação ao dia de ontem). 
 
Estão já confirmadas no nosso país 3472 mortes. Nas últimas 24 horas morreram 91 pessoas no nosso país, mortes essas que se registaram 44 na região Norte, 33 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 11 na região Centro e três na região Alentejo.
 
 
 
 

 

A região Norte do país continua a ser a região com mais casos de infectados com Covid-19 em Portugal, registando 114025 casos, mais 2063 casos que os registados no dia anterior. Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo com 80809 casos confirmados até ao momento, mais 1350 que os verificados no passado domingo. A região Centro regista 21053 casos, mais 462 casos que os registados no dia anterior, e o Algarve vê subir para os 4173 o número de casos confirmados de infecção na região, mais 56 casos que os verificados no boletim anterior. A Região Autónoma da Madeira vê subir para os 694 o número de casos de infectados na região, registando-se mais 16 pessoas infectadas do que no boletim do dia de ontem, enquanto que a Região Autónoma dos Açores vê subir para os 614 o número de casos confirmados de infecção na região, registando-se mais 10 pessoas infectadas do que no dia anterior. No Alentejo o número de casos de pessoas infectadas com Covid-19 cifra-se nesta segunda-feira nos 4304, registando-se assim mais 39 casos que os verificados no relatório do dia de ontem.
 
A pandemia de Covid-19 já matou pelo menos 1.319.561 pessoas em todo o mundo desde que a China anunciou em Dezembro o aparecimento do novo coronavírus, indicou a agência France-Presse.
 
Mais de 54.493.680 casos de infecção foram diagnosticados até agora em 196 países e territórios, sendo que pelo menos 34.839.400 pessoas são consideradas curadas.
 
Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
 
 
 
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:27
No Conselho de Ministros que teve lugar no dia de hoje, quinta-feira, 12 de Novembro, o Governo decidiu, no âmbito das medidas de combate à propagação da pandemia da Covid-19, o "encerramento do comércio a partir das 13 horas e abertura a partir das 8 horas" nos próximos dois fins de semana. Esta limitação tem, contudo, excepções.
 
Saiba quais os estabelecimentos que podem abrir na tarde/noite dos próximos fins de semana: 
  • Farmácias;
  • Clínicas e consultórios;
  • Estabelecimentos de venda de bens alimentares com porta para a rua até 200 m2;
  • Bombas de gasolina.
O executivo liderado por António Costa decidiu ainda que, a partir das 13 horas, os restaurantes só podem funcionar através de entrega ao domicílio.
 
"Vimo-nos forçados a eliminar qualquer tipo de equívoco e, para que isso aconteça, fica determinando o encerramento a partir das 13 horas de sábado até às 8 horas de domingo e das 13 horas de domingo até às 8 horas de segunda-feira de todos os estabelecimentos comerciais ou de restauração", anunciou António Costa.
 
O Primeiro-Ministro indicou ainda que "para ajudar a fazer frente às dificuldades criadas pelas limitações à circulação, o Governo aprovou ainda um apoio à restauração". Assim, determinou-se compensar 20% da perda de receita nos dois fins de semana (14 e 15 de Novembro; 21 e 22 de Novembro) face à média dos 44 fins de semana anteriores (de Janeiro a Outubro de 2020).
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:26
A Jerónimo Martins voltou atrás e vai manter os horários habituais nas suas lojas Pingo Doce no fim-de-semana, depois da controvérsia sobre a antecipação da abertura para as 6:30 horas, anunciou nesta quinta-feira o grupo.
 
Na terça-feira, a Jerónimo Martins tinha anunciado que iria antecipar a abertura da “maioria das suas lojas” Pingo Doce para as 6:30 horas, no fim-de-semana, devido às limitações de circulação, para evitar a concentração de pessoas durante a manhã.
 
No entanto, “a alteração extraordinária de horários comunicada pelo Pingo Doce gerou uma controvérsia nacional que não esperávamos e que não desejámos”, afirma o grupo, em comunicado. “Desde o início desta pandemia, o Pingo Doce tem feito tudo o que está ao seu alcance para servir os seus clientes com a máxima segurança, protegendo simultaneamente as suas equipas de loja e de armazém”, prossegue a Jerónimo Martins.
 
A Jerónimo Martins explica que “a intenção do Pingo Doce ao decidir antecipar a abertura da maioria das suas lojas no próximo fim-de-semana era a de contribuir para evitar a concentração de clientes no período da manhã, facilitando o desfasamento das visitas numa altura em que a situação epidemiológica no país aconselha toda a prudência”.
 
Perante as “múltiplas interpretações, também de implicação política, que têm vindo a ser feitas e veiculadas ao longo das últimas horas e ao nível da discussão pública gerada, o Pingo Doce informa que os horários habituais das suas lojas se manterão inalterados”, conclui a empresa.
 
c/ LUSA
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:19

Segundo foi anunciado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), no boletim epidemiológico desta quinta-feira, há 198011 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Portugal. Registam-se assim mais 5839 casos do que os registados na passada quarta-feira. Há actualmente 81141 casos activos de Covid-19 no nosso país (mais 2425 casos registados em relação ao dia de ontem) e subiu para os 113689 o número de casos de pessoas que já recuperaram da doença provocada pelo novo coronavírus (mais 3336 pessoas recuperadas que os registos no dia anterior).

 

Dos casos confirmados, há 2794 pessoas internadas em unidades de saúde (registam-se assim mais nove internamentos do que aqueles que se verificavam no dia de ontem), e desses estão 383 internados em unidades de cuidados intensivos (estão assim internadas menos oito pessoas em relação ao que se verificava no dia anterior).
 
Neste momento há 89675 casos a serem acompanhados com contactos de vigilância pelas autoridades (mais 568 casos registados em relação ao dia de ontem). 
 
Estão já confirmadas no nosso país 3181 mortes. Nas últimas 24 horas morreram 78 pessoas no nosso país, mortes essas que se registaram 45 na região Norte, 25 na região de Lisboa e Vale do Tejo, seis na região Centro e duas na região Alentejo.
 
 
 
 

 

A região Norte do país continua a ser a região com mais casos de infectados com Covid-19 em Portugal, registando 97624 casos, mais 3567 casos que os registados no dia anterior. Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo com 73281 casos confirmados até ao momento, mais 1345 que os verificados na passada quarta-feira. A região Centro regista 18508 casos, mais 749 casos que os registados no dia anterior, e o Algarve vê subir para os 3715 o número de casos confirmados de infecção na região, mais 77 casos que os verificados no boletim anterior. A Região Autónoma da Madeira vê subir para os 600 o número de casos de infectados na região, registando-se mais 16 pessoas infectadas do que no boletim do dia de ontem, enquanto que a Região Autónoma dos Açores vê subir para os 542 o número de casos confirmados de infecção na região, registando-se mais 29 pessoas infectadas do que no dia anterior. No Alentejo o número de casos de pessoas infectadas com Covid-19 cifra-se nesta quinta-feira nos 3741, registando-se assim mais 56 casos que os verificados no relatório do dia de ontem.
 
A pandemia de Covid-19 já matou pelo menos 1.275.113 pessoas em todo o mundo desde que a China anunciou em Dezembro o aparecimento do novo coronavírus, indicou a agência France-Presse.
 
Mais de 51.531.660 casos de infecção foram diagnosticados até agora em 196 países e territórios, sendo que pelo menos 33.300.900 pessoas são consideradas curadas.
 
Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
 
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:18

Segundo foi anunciado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), no boletim epidemiológico desta quarta-feira, há 192172 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Portugal. Registam-se assim mais 4935 casos do que os registados na passada terça-feira. Há actualmente 78716 casos activos de Covid-19 no nosso país (mais 1378 casos registados em relação ao dia de ontem) e subiu para os 110353 o número de casos de pessoas que já recuperaram da doença provocada pelo novo coronavírus (mais 3475 pessoas recuperadas que os registos no dia anterior).

 

Dos casos confirmados, há 2785 pessoas internadas em unidades de saúde (registam-se assim mais 43 internamentos do que aqueles que se verificavam no dia de ontem), e desses estão 391 internados em unidades de cuidados intensivos (estão assim internadas mais nove pessoas em relação ao que se verificava no dia anterior).
 
Neste momento há 89107 casos a serem acompanhados com contactos de vigilância pelas autoridades (menos 956 casos registados em relação ao dia de ontem). 
 
Estão já confirmadas no nosso país 3103 mortes. Nas últimas 24 horas morreram 82 pessoas no nosso país, mortes essas que se registaram 44 na região Norte, 19 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 17 na região Centro e duas na região Alentejo.
 
 
 
 

 

A região Norte do país continua a ser a região com mais casos de infectados com Covid-19 em Portugal, registando 94057 casos, mais 2845 casos que os registados no dia anterior. Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo com 71936 casos confirmados até ao momento, mais 1185 que os verificados na passada terça-feira. A região Centro regista 17759 casos, mais 743 casos que os registados no dia anterior, e o Algarve vê subir para os 3638 o número de casos confirmados de infecção na região, mais 80 casos que os verificados no boletim anterior. A Região Autónoma da Madeira vê subir para os 584 o número de casos de infectados na região, registando-se mais 17 pessoas infectadas do que no boletim do dia de ontem, enquanto que a Região Autónoma dos Açores vê subir para os 513 o número de casos confirmados de infecção na região, registando-se mais 21 pessoas infectadas do que no dia anterior. No Alentejo o número de casos de pessoas infectadas com Covid-19 cifra-se nesta quarta-feira nos 3685, registando-se assim mais 44 casos que os verificados no relatório do dia de ontem.
 
A pandemia de Covid-19 já matou pelo menos 1.275.113 pessoas em todo o mundo desde que a China anunciou em Dezembro o aparecimento do novo coronavírus, indicou a agência France-Presse.
 
Mais de 51.531.660 casos de infecção foram diagnosticados até agora em 196 países e territórios, sendo que pelo menos 33.300.900 pessoas são consideradas curadas.
 
Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
 
 
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:15

Segundo foi anunciado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), no boletim epidemiológico desta segunda-feira, há 183420 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Portugal. Registam-se assim mais 4096 casos do que os registados no passado domingo. Há actualmente 78378 casos activos de Covid-19 no nosso país (mais 1731 casos registados em relação ao dia de ontem) e subiu para os 102083 o número de casos de pessoas que já recuperaram da doença provocada pelo novo coronavírus (mais 2302 pessoas recuperadas que os registos no dia anterior).

 

Dos casos confirmados, há 2651 pessoas internadas em unidades de saúde (registam-se assim mais 129 internamentos do que aqueles que se verificavam no dia de ontem), e desses estão 391 internados em unidades de cuidados intensivos (estão assim internadas mais 13 pessoas em relação ao que se verificava no dia anterior).
 
Neste momento há 90088 casos a serem acompanhados com contactos de vigilância pelas autoridades (menos 418 casos registados em relação ao dia de ontem). 
 
Estão já confirmadas no nosso país 2959 mortes. Nas últimas 24 horas morreram 63 pessoas no nosso país, mortes essas que se registaram 33 na região Norte, 22 na região de Lisboa e Vale do Tejo, cinco na região Centro, uma na região Alentejo, uma na região do Algarve e uma na Região Autónoma da Madeira.
 
 
 
 

 

A região Norte do país continua a ser a região com mais casos de infectados com Covid-19 em Portugal, registando 88549 casos, mais 2265 casos que os registados no dia anterior. Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo com 70015 casos confirmados até ao momento, mais 1217 que os verificados no passado domingo. A região Centro regista 16726 casos, mais 379 casos que os registados no dia anterior, e o Algarve vê subir para os 3501 o número de casos confirmados de infecção na região, mais 60 casos que os verificados no boletim anterior. A Região Autónoma da Madeira vê subir para os 558 o número de casos de infectados na região, registando-se mais 11 pessoas infectadas do que no boletim do dia de ontem, enquanto que a Região Autónoma dos Açores vê subir para os 471 o número de casos confirmados de infecção na região, registando-se mais 16 pessoas infectadas do que no dia anterior. No Alentejo o número de casos de pessoas infectadas com Covid-19 cifra-se nesta segunda-feira nos 3600, registando-se assim mais 148 casos que os verificados no relatório do dia de ontem.
 
A pandemia de Covid-19 já matou pelo menos 1.255.803 pessoas em todo o mundo desde que a China anunciou em Dezembro o aparecimento do novo coronavírus, indicou a agência France-Presse.
 
Mais de 50.376.020 casos de infecção foram diagnosticados até agora em 196 países e territórios, sendo que pelo menos 32.718.100 pessoas são consideradas curadas.
 
Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
 
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:14
O Governo liderado por António Costa publicou no dia de ontem, domingo, 8 de Novembro, o decreto-lei que regulamenta o Estado de Emergência, que entra em vigor esta segunda-feira, e que se vai estender, pelo menos, até 23 de Novembro.
 
Uma das principais medidas é o recolher obrigatório nos 121 concelhos considerados de alto risco de transmissibilidade. O documento divulgado pelo Executivo vem agora incluir algumas excepções a esta medida, que prevê o confinamento entre as 23 e as 05 horas durante a semana, e a partir das 13 horas durante os fins de semana.
 
Das excepções previstas pelo Governo, a grande novidade reside no ponto que estabelece a possibilidade de ir ao supermercado durante as horas do recolher obrigatório, algo que não tinha ficado explícito anteriormente. Ainda assim, é referido que quem se desloque a um estabelecimento deste género não deve ir acompanhado.
 
Assim, e segundo o documento do Governo, os cidadãos dos 121 concelhos poderão sair de casa nas seguintes excepções:
 
  • deslocações a mercearias e supermercados e outros estabelecimentos de venda de produtos alimentares e de higiene, para pessoas e animais;
  • deslocações para assistência de pessoas vulneráveis, pessoas com deficiência, filhos, progenitores, idosos ou dependentes;
  • deslocações para desempenho de funções profissionais ou equiparadas, conforme atestado por declaração da entidade patronal ou do próprio, em caso de trabalhador independente;
  • deslocações no exercício das respectivas funções ou por causa delas, sem necessidade de declaração emitida pela entidade empregadora ou equiparada;
  • deslocações por motivos de saúde, designadamente para aquisição de produtos em farmácias ou obtenção de cuidados de saúde e transporte de pessoas a quem devam ser administrados tais cuidados;
  • deslocações para acolhimento de emergência de vítimas de violência doméstica ou tráfico de seres humanos, bem como de crianças e jovens em risco, por aplicação de medida decretada por autoridade judicial ou Comissão de Protecção de Crianças e Jovens, em casa de acolhimento residencial ou familiar;
  • deslocações por outras razões familiares imperativas, designadamente o cumprimento de partilha de responsabilidades parentais, conforme determinada por acordo entre os titulares das mesmas ou pelo tribunal competente;
  • deslocações de médicos-veterinários, de detentores de animais para assistência médico-veterinária urgente, de cuidadores de colónias reconhecidas pelos municípios, de voluntários de associações zoófilas com animais a cargo que necessitem de se deslocar aos abrigos de animais e de equipas de resgate de animais para assistência urgente;
  • deslocações necessárias ao exercício da liberdade de imprensa;
  • deslocações pedonais de curta duração, para efeitos de fruição de momentos ao ar livre, desacompanhadas ou na companhia de membros do mesmo agregado familiar que coabitem;
  • deslocações pedonais de curta duração para efeitos de passeio dos animais de companhia;
  • por outros motivos de força maior ou necessidade impreterível, desde que se demonstre serem inadiáveis e sejam devidamente justificados;
  • retorno ao domicílio pessoal no âmbito das deslocações referidas nas alíneas anteriores.

c/ TVI24

Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:12

Segundo foi anunciado pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), no boletim epidemiológico deste domingo, há 179324 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Portugal. Registam-se assim mais 57884 casos do que os registados no passado sábado. Há actualmente 76647 casos activos de Covid-19 no nosso país (mais 3702 casos registados em relação ao dia de ontem) e subiu para os 99781 o número de casos de pessoas que já recuperaram da doença provocada pelo novo coronavírus (mais 2034 pessoas recuperadas que os registos no dia anterior).

 

Dos casos confirmados, há 2522 pessoas internadas em unidades de saúde (registam-se assim mais 102 internamentos do que aqueles que se verificavam no dia de ontem), e desses estão 378 internados em unidades de cuidados intensivos (estão assim internadas mais 12 pessoas em relação ao que se verificava no dia anterior).
 
Neste momento há 90506 casos a serem acompanhados com contactos de vigilância pelas autoridades (menos 844 casos registados em relação ao dia de ontem). 
 
Estão já confirmadas no nosso país 2896 mortes. Nas últimas 24 horas morreram 48 pessoas no nosso país, mortes essas que se registaram 27 na região Norte, 14 na região de Lisboa e Vale do Tejo, quatro na região Centro, dois na região Alentejo e uma na região do Algarve.
 
 
 
 

 

A região Norte do país continua a ser a região com mais casos de infectados com Covid-19 em Portugal, registando 86284 casos, mais 3923 casos que os registados no dia anterior. Segue-se a região de Lisboa e Vale do Tejo com 68798 casos confirmados até ao momento, mais 1073 que os verificados no passado sábado. A região Centro regista 16347 casos, mais 590 casos que os registados no dia anterior, e o Algarve vê subir para os 3441 o número de casos confirmados de infecção na região, mais 74 casos que os verificados no boletim anterior. A Região Autónoma da Madeira vê subir para os 547 o número de casos de infectados na região, registando-se mais 13 pessoas infectadas do que no boletim do dia de ontem, enquanto que a Região Autónoma dos Açores vê subir para os 455 o número de casos confirmados de infecção na região, registando-se mais 20 pessoas infectadas do que no dia anterior. No Alentejo o número de casos de pessoas infectadas com Covid-19 cifra-se neste domingo nos 3452, registando-se assim mais 91 casos que os verificados no relatório do dia de ontem.
 
A pandemia de Covid-19 já matou pelo menos 1.250.879 pessoas em todo o mundo desde que a China anunciou em Dezembro o aparecimento do novo coronavírus, indicou a agência France-Presse.
 
Mais de 49.910.930 casos de infecção foram diagnosticados até agora em 196 países e territórios, sendo que pelo menos 32.492.500 pessoas são consideradas curadas.
 
Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
 
 
   

 

 

 

 

 
 
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:07
Após a reunião do Conselho de Ministros extraordinário, que durou mais de quatro horas, o Primeiro-Ministro António Costa anunciou, já na madrugada deste domingo, um novo conjunto de medidas de combate à pandemia, no âmbito do Estado de Emergência decretado devido ao aumento de novos casos de Covid-19.
 
A principal medida será a proibição da circulação na via pública nos 121 concelhos de risco entre as 23 e as 06 horas, à excepção de pessoas que têm de ir trabalhar ou que têm de sair por motivo de urgência.
 
Dado que 68 por cento dos contágios ocorrem em meio familiar ou de coabitação, o Governo decidiu ainda que, durante os dois próximos fins de semana, “vigorará uma limitação na liberdade de circulação entre as 13 horas de sábado e as 05 horas da manhã de domingo, e entre as 13 horas de domingo e as 05 horas da manhã de segunda-feira”, anunciou António Costa.
 
"Temos a nítida noção de que o convívio social tem um contributo muito importante para a disseminação" do contágio e que a propagação se desenvolve no período pós-laboral, justificou.
 
Esta medida prevê que as forças da autoridade possam conduzir as pessoas ao domicílio. A questão não é uma questão penal” nem de polícia, mas sim “de responsabilidade individual”, respondeu o líder governamental quando questionado sobre eventuais penalizações no caso de incumprimento do recolhimento obrigatório.
 
No final do Conselho de Ministros extraordinário, o Primeiro-Ministro anunciou que outra das medidas é a imposição do controlo de temperatura corporal no acesso a locais de trabalho, estabelecimentos de ensino e meios de transporte.
 
Passa também a poder ser exigida a realização de testes de diagnóstico no acesso a estabelecimentos de saúde, lares e estabelecimentos de ensino, com recurso a testes de antigénio que possibilitam resultados rápidos. Podem também ser exigidos estes testes na entrada e saída do território continental, por via aérea ou marítima, e nos estabelecimentos prisionais.
 
Faz ainda parte das novas medidas a possibilidade de utilização dos equipamentos de estabelecimentos de saúde dos sectores privado e social. Neste momento, por acordo, já existem 116 camas contratadas para doentes Covid "na ARS Norte, com o Hospital Fernando Pessoa, com o Hospital da Trofa, com a CUF Porto e ainda com a União das Misericórdias Portuguesas", avançou o chefe do Executivo no final do Conselho de Ministros extraordinário.
 
Segundo António Costa, foram também acordadas com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa "mais cerca de 100 camas para hospital de rectaguarda", distribuídas por Lisboa e "outra instituição no Porto".
 
O Primeiro-Ministro referiu-se ainda à libertação de camas hospitalares ocupadas por casos sociais, adiantando que em trabalho conjunto com as instituições particulares de solidariedade (IPSS) e com as Misericórdias já foi possível colocar em instituições mais de mil pessoas que já tinham tido alta clínica, mas permaneciam internadas por razões sociais.
 
Vai ainda haver, durante o Estado de Emergência, uma “mobilização de recursos humanos para apoiar todos os profissionais de saúde”, em particular de saúde pública. Neste momento foram já identificados 915 funcionários públicos que, estando neste momento sem desempenhar a sua actividade profissional por integrarem grupos de risco, poderão ser mobilizados para apoiarem os profissionais de saúde na capacidade de rastreamento e vigilância.
 
Para além de trabalhadores em isolamento profilático ou que pertencem a grupos de risco, também os professores sem componente lectiva e os militares das Forças Armadas poderão ser chamados.
 
c/ RTP
Modificado em quinta, 22 julho 2021 02:06