sábado, 29 janeiro 2022
terça, 14 abril 2015 23:33

O que é isto de Felicidade?

Escrito por Luís Parente

 

A felicidade é como a pluma que o vento vai levando pelo ar. Voa tão leve, mas tem a vida breve.” – Vinicius de Moraes
 
A felicidade não é um ideal da razão mas sim da imaginação” – Emmanuel Kant
 
Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho” – Gandhi
 
Só um idiota pode ser totalmente feliz” – Mario Vargas Llosa
 
O segredo da felicidade é encontrar a nossa alegria na alegria dos outros” – Alexandre Herculano
 
O mais feliz dos felizes é aquele que faz os outros felizes” – Alexandre Dumas
 
A felicidade não é algo que apareça pronto a consumir. Esta vem a partir das nossas próprias acções” – Dalai Lama
 
A felicidade “… é a maior das loucuras humanas” – Florbela Espanca
 
Onde é que eu me fui meter?

 
O que é que me deu na cabeça para falar de um tema tão complexo e 
ao mesmo tempo tão simples como a felicidade? Se querem que vos diga nem eu próprio sei. Talvez por ser essa a minha condição actual, a que me faz ser quem sou, viver o que vivo, estar onde estou, sentir o que sinto, olhar para quem olho, talvez seja a razão que me faz dizer aquilo que digo, ver o que vejo e até mesmo escrever aquilo que escrevo. 
 
É verdade, sou feliz! E sou feliz porque sim!
 
Se me perguntarem se sou feliz todos os dias da minha vida e em todas as circunstâncias da mesma, reconheço que não. Como se costuma dizer …“há dias e dias”. Há dias melhores, outros menos bons e há até mesmo uns extraordinariamente maus. No entanto, o que para determinado indivíduo pode ser bom, para outro pode mesmo ser mau. Eu, como não tenho o dom de conseguir ler os pensamentos e muito menos identificar somente com o olhar os sentimentos de cada um, só posso mesmo falar por mim e reflectir sobre os meus sentimentos e sobre o que me faz feliz. 
Tenho que vos confessar que a minha maior felicidade foi ter visto nascer os meus três filhos. É inexplicável, é indescritível, é extraordinário, fantástico, fabuloso, sublime ver um ser vir ao mundo. Ainda hoje quando recordo os três actos heroicos da minha mulher (sim porque as mulheres são umas heroínas… mais ainda quando dão à luz) vem a mim um misto de sentimentos que ficam para a vida e que só me trazem a dita felicidade. 
 
A felicidade também é isto, um misto de sentimentos, mas não é só. Se olharmos para as citações que transcrevi no início desta coluna, facilmente identificamos a complexidade do significado da palavra e verificamos que cada pessoa tem o seu próprio conceito do termo. Escolhi estas citações como poderia ter escolhido centenas de outras, ainda assim considero que estas se adequam perfeitamente para o entendimento do quão difícil é ser feliz e descrever a felicidade. 
 
Por incrível que pareça há muita gente que só se sente feliz sobrevalorizando as capacidades do outro, pisando e humilhando. É triste mas é verdade. 
 

ser feliz é viver o ar da cidade e muito mais o do campo, do mar e da montanha… é beijar, ser beijado e dar a beijar aos outros… ser feliz é ter saúde, é respirar, é viver, é ser livre, é ser um só e é ser um todo

 
Ernest Hemingway, por exemplo, dizia que “A felicidade em pessoas inteligentes é das coisas mais raras que conheço”... nessa perspectiva eu devo ser muito burro porque não acredito ser uma pessoa assim tão rara. 
 
Para mim ser feliz é tão simplesmente ver, cheirar, saborear, ouvir, sentir… é correr, saltar, chorar, tocar… ser feliz é dormir tarde e acordar tarde, dormir cedo e acordar cedo, dormir cedo e acordar tarde, dormir tarde e acordar cedo… é não dormir porque não apetece… é tão simplesmente acordar…. Ser feliz é estar, é ficar, é ir e partir à descoberta, é ter a coragem de ser o que se é… é dizer verdade, é partilhar amizade, é dar e receber amor… ser feliz é viver o ar da cidade e muito mais o do campo, do mar e da montanha… é beijar, ser beijado e dar a beijar aos outros… ser feliz é ter saúde, é respirar, é viver, é ser livre, é ser um só e é ser um todo. 
 
Então o que é afinal isto de felicidade? 
 
Das muitas formas, algumas complexas, como Fernando Pessoa ilustra a felicidade há uma que me cativa de um modo absolutamente extraordinário pela sua simplicidade. É, de tal forma graciosa que entendi partilhá-la aqui convosco: 
 
Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o tempo passar, vale a pena ter nascido”. 
 
O estado de felicidade do escritor não é naturalmente explícito mas nós, leitores, conseguimos com aquele sentimento ouvir o vento e sentir o tempo passar. 

 
Falar de felicidade é uma miríade de coisas, é uma multiplicidade de sentimentos. Como podemos verificar, pode não ser assim tão fácil falar dela. Exemplo disso mesmo são as óbvias e infindáveis diferenças de opinião entre as pessoas. No meu caso particular tenho que discordar de um dos meus escritores favoritos, o Nobel José Saramago, quando define a felicidade como egoísta. Na minha humilde maneira de ver, a felicidade pode não ser egoísta se eu for feliz com a felicidade do outro, se a felicidade de ambos nos fizer sentir bem, se nos fizer viajar, sonhar e viver intensamente. Em contrapartida, e de acordo com a minha personalidade, tenho que me identificar em absoluto com as palavras de Madre Teresa de Calcutá quando diz que “Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz”. De certa forma estas mesmas palavras servem para mim como um dos meus lemas de vida (quem me conhece sabe que é verdade). 
 
Obviamente que o tema é extenso e complexo. Não pode ficar aqui esgotado, é impossível que fique (talvez um dia volte ao assunto).
 
Nos dias de hoje muito se ouve dizer que “devemos viver cada dia como se fosse o último” mas como viver esses dias sem felicidade? O chavão até faz sentido… se conseguirmos que haja harmonia… se conseguirmos processar no nosso cérebro a tentativa constante e ininterrupta de sermos sempre melhores pessoas… se conseguirmos ser idiotas, como diz Vargas Llosa… se conseguirmos descobrir o segredo a que se refere Alexandre Herculano e que está em cada um de nós… se tudo isso acontecer conseguiremos com certeza concretizar “… a maior das loucuras humanas” e consequentemente viver cada dia em felicidade como se fosse o último.
 
Modificado em quarta, 15 abril 2015 10:11

Deixe um comentário