domingo, 03 julho 2022
terça, 04 janeiro 2022 19:19

Símbolos da Jornada Mundial da Juventude chegam à Paróquia de Estremoz

Escrito por
As Jornadas Mundiais da Juventude realizam-se em Lisboa, entre os dias 01 e 06 de Agosto de 2023 As Jornadas Mundiais da Juventude realizam-se em Lisboa, entre os dias 01 e 06 de Agosto de 2023 DR

Depois das Dioceses do Algarve e de Beja, os símbolos da Jornada Mundial da Juventude – a Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – percorrem durante o mês de Janeiro, a Arquidiocese de Évora e as suas 29 paróquias.
 
Como forma de acolhimento e de modo a mobilizar os jovens para a participação no evento que vai decorrer pela primeira vez em Portugal, os símbolos da JMJ irão percorrer a Paróquia de Estremoz, no próximo dia 9 de Janeiro, domingo.
 
Pelas 10:30 horas, terá lugar o acolhimento dos símbolos, e às 11 horas, acontecerá o Terço com crianças e jovens, seguido pela Eucaristia Dominical, às 12 horas, na Igreja de São Francisco.
 
Durante a tarde, os símbolos da JMJ passarão, às 14 horas, pelo Regimento de Cavalaria nº 3, às 14:15 horas, pela Câmara Municipal de Estremoz, quando forem 14:30 horas, passam junto ao Quartel dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, e às 14:45 horas, junto ao Quartel da Guarda Nacional Republicana (GNR), seguindo depois para Arcos, onde visitarão a população desta freguesia do concelho de Estremoz, pelas 15:30 horas, e às 16:30 horas, visitarão a população de São Lourenço de Mamporcão. À noite, pelas 21 horas, realizar-se-á a Vigília de Passagem dos Símbolos.
 
As Jornadas Mundiais da Juventude realizam-se em Lisboa, entre os dias 01 e 06 de Agosto de 2023, onde jovens dos quatro cantos do mundo vão encontrar-se com o Papa Francisco.
 
OS SÍMBOLOS DA JMJ
A Jornada Mundial da Juventude conta com dois símbolos que a acompanham e representam: a Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani. Nos meses que antecedem cada JMJ, os símbolos partem em peregrinação para serem anunciadores do Evangelho e acompanharem os jovens, de forma especial, nas realidades em que vivem.
 
A recepção e o acolhimento dos símbolos têm dado muitos frutos um pouco por todo o mundo. Em África, estes dois símbolos instaram os jovens a converterem-se numa geração não-violenta, encabeçaram várias marchas pela paz e foram tocados por milhares, que os saudaram também com os trajes típicos dos seus países. Ajudaram ainda a levar reconciliação onde havia tensão, como em Timor-Leste.
 
A CRUZ PEREGRINA
Com 3,8 metros de altura, a Cruz Peregrina, construída a propósito do Ano Santo, em 1983, foi confiada por João Paulo II aos jovens no Domingo de Ramos do ano seguinte, para que fosse levada por todo o mundo. Desde aí, a Cruz Peregrina, feita em madeira, iniciou uma peregrinação que já a levou aos cinco continentes e a quase 90 países. Tem sido encarada como um verdadeiro sinal de fé.
 
Foi transportada a pé, de barco e até por meios pouco comuns como trenós, gruas ou tratores. Passou pela selva, visitou igrejas, centros de detenção juvenis, prisões, escolas, universidades, hospitais, monumentos e centros comerciais. No percurso enfrentou muitos obstáculos: desde greves aéreas a dificuldades de transporte, como a impossibilidade de viajar por não caber em nenhum dos aviões disponíveis.
 
Tem-se afirmado como um sinal de esperança em locais particularmente sensíveis. Em 1985, esteve em Praga, na actual República Checa, na altura em que a Europa estava dividida pela cortina de ferro, e foi aí sinal de comunhão com o Papa. Pouco depois do 11 de Setembro de 2001, viajou até ao Ground Zero, em Nova Iorque, onde ocorreram os ataques terroristas que vitimaram quase 3000 pessoas. Passou também pelo Ruanda, em 2006, depois de o país ter sido assolado pela guerra civil.
 
O ÍCONE DE NOSSA SENHORA SALUS POPULI ROMANI
Desde 2000 que a Cruz Peregrina conta com a companhia do ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani, que retrata a Virgem Maria com o Menino nos braços. Este ícone foi introduzido ainda pelo Papa João Paulo II como símbolo da presença de Maria junto dos jovens. Com 1,20 metros de altura e 80 centímetros de largura, o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani está associado a uma das mais populares devoções marianas em Itália. É antiga a tradição de o levar em procissão pelas ruas de Roma, para afastar perigos e desgraças ou pôr fim a pestes. O ícone original encontra-se na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, e é visitado pelo Papa Francisco que ali reza e deixa um ramo de flores, antes e depois de cada viagem apostólica.
Modificado em quarta, 05 janeiro 2022 15:35

Deixe um comentário

PUB