sábado, 27 novembro 2021
terça, 06 julho 2021 16:53

Sines - Reflectir sobre o tempo com obras da Colecção António Cachola

Escrito por
A exposição "Linha do Tempo - Exposição Colecção António Cachola" é uma organização da Câmara Municipal de Sines A exposição "Linha do Tempo - Exposição Colecção António Cachola" é uma organização da Câmara Municipal de Sines DR

O Centro de Artes de Sines apresenta, de 10 de Julho a 10 de Outubro, em parceria com o Museu de Arte Contemporânea de ElvasColecção António Cachola, a exposição "Linha do Tempo".
 
Esta mostra permite que sejam apresentadas, em Sines, 67 obras de arte de uma das mais prestigiadas colecções nacionais, a Colecção António Cachola, fundamental para se compreender a arte portuguesa dos últimos 40 anos e, em particular, a do nosso século, que, ao chegar aos seus 21 anos, atinge uma maturidade que nos permite começar a descortinar os traços de uma identidade própria.
 
Estão representados na exposição os seguintes 35 artistas: Ana Mansos, Ana Péres-Quiroga, Ana Rito, Augusto Alves da Silva, Edgar Martins, Fernão Cruz, Gil Amourous, Hugo Guerreiro, Ilda David, Isabel Simões, João Galrão, João Jacinto, João Paulo Serafim, João Queiroz, Jorge Molder, José Loureiro, José Pedro Croft, Luís Campos, Luís Palma, Marcelo Costa, Maria Lusitano, Marta Soares, Miguel Ângelo Rocha, Nuno Sousa Vieira, Paulo Catrica, Pedro Calapez, Pedro Casqueiro, Pedro Gomes, Rui Chafes, Rui Neiva, Rui Serra, Sofia Areal, Susana Guardado, Vasco Araújo e Vhils.
 
A exposição tem entrada livre e pode ser visitada de segunda a sábado, das 12 às 18 horas.
 
A exposição "Linha do Tempo - Exposição Colecção António Cachola" é uma organização da Câmara Municipal de Sines, em parceria com a Câmara Municipal de Elvas e o Museu de Arte Contemporânea de Elvas / Colecção António Cachola.
 
Sobre a Colecção António Cachola
A Colecção António Cachola começou a ser construída no início da década de 1990, e reflecte os últimos 40 anos da criação artística visual realizada por artistas portugueses, que começaram a expor pública e regularmente a partir da década de 1980. A colecção propõe uma cartografia dinâmica do sistema de arte português e resulta de um movimento constante de aproximação do coleccionador a artistas e instituições. Desde o início que uma vontade pessoal de coleccionar foi acompanhada pela determinação em conferir uma dimensão pública à colecção e, assim, em 2007, nasce em Elvas, cidade património mundial da UNESCO, o Museu de Arte Contemporânea de Elvas (MACE), instituição com tutela municipal que acolhe em depósito a Colecção António Cachola. 
 
Sobre o Centro de Artes de Sines
Vencedor do prémio AICA/MC 2005 e finalista do prémio Mies van der Rohe 2007, o Centro de Artes de Sines é um edifício marcante da arquitectura portuguesa contemporânea. Um projecto da dupla Francisco e Manuel Mateus, tomou como ideia estruturante a criação de um edifício de excepção que agregasse várias funções, servisse todas as camadas da população e funcionasse ao mesmo tempo como parte da cidade e porta do centro histórico. É, desde 2005, o principal equipamento cultural e de suporte às artes e educação em Sines.
Modificado em terça, 06 julho 2021 23:31

Deixe um comentário