quarta, 23 maio 2018

Corpos Sociais da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz tomaram posse

Escrito por  Publicado em Reportagens segunda, 23 abril 2018 19:48
Cerimónia decorreu no Salão Nobre Major Grave, no Quartel dos Bombeiros Voluntários de Estremoz Cerimónia decorreu no Salão Nobre Major Grave, no Quartel dos Bombeiros Voluntários de Estremoz Pedro Soeiro
Decorreu no passado sábado, dia 21 de Abril, no Salão Nobre Major Grave, no Quartel dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, a cerimónia de tomada de posse dos novos corpos sociais da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz (AHBVE), para o triénio 2018-2021.
 
Os novos corpos sociais, tal como o Ardina do Alentejo já tinha noticiado aqui, são presididos por Carlos Alberto Ferreira, na Direcção, José Capitão Pardal, na Mesa da Assembleia Geral, e José Manuel Ramalho, no Conselho Fiscal.
 
No seu discurso de tomada de posse, Carlos Ferreira, relembrou e agradeceu “o trabalho, os conselhos e a amizade” dos elementos dos corpos sociais do mandato anterior que entretanto faleceram, José Ferro, José Gonçalves e Amaro Camões, e que fizeram do mandato anterior um mandato “duro pelas perdas que sofremos”.
 
Deixou ainda um “singelo agradecimento” a José Capitão Pardal e Orlando Silva, elementos da anterior Direcção e que neste triénio irão desempenhar funções na Mesa da Assembleia Geral, respectivamente como Presidente e Vice-Presidente.
 

Apelamos a toda a comunidade, que na medida das suas possibilidades, ajude os Bombeiros de Estremoz, na certeza de que podem confiar que os Bombeiros de Estremoz não faltarão a quem precise de auxilio, e mais tarde ou mais cedo, todos precisaremos

O novo Presidente da Direcção da AHBVE falou ainda dos 85 anos de existência da associação e das alterações na forma de funcionar da mesma, nomeadamente na qualificação dos bombeiros estremocenses. Referiu algumas das melhorias sofridas, mas também as constantes exigências e “os desafios que hoje nos colocam, que são altíssimos, mas infelizmente o nível de financiamento não tem acompanhado o nível de exigência”.
 
A necessidade de haver mais voluntariado, as dádivas particulares e das empresas, o parque automóvel e a sua constante necessidade de renovação, os custos com pessoal, a degradação de algumas infraestruturas do quartel, e as regulares dificuldades financeiras, nomeadamente no equilíbrio entre as despesas e as receitas, foram alguns temas abordados. Carlos Ferreira salientou que “o Estado, o nosso grande cliente, paga o que quer, quando quer, e às vezes se quer”.
 
Para o triénio 2018-2021, Carlos Ferreira garante que uma das grandes tarefas da direcção por si liderada, em coordenação com o Comando, será a de “tomar medidas para voltar a atingir o equilíbrio financeiro e ao mesmo tempo fazendo os investimentos necessários”. Asseverou que “temos de fazer mais, melhor, e com menos custos”.
 
Depois de enunciados alguns dos projectos que gostaria de ver realizados no próximo triénio, o recém-empossado Presidente da Direcção da AHBVE referiu “uma boa notícia”, que se prende com a atribuição aos Bombeiros Voluntários de Estremoz, “de uma Equipa de Intervenção Permanente”, composta por cinco elementos, “sendo os custos dos salários divididos entre a Autoridade Nacional de Protecção Civil - ANPC e a Câmara Municipal de Estremoz, ficando os custos de operacionalidade e de equipamento a cargo da AHBVE”.
 
Carlos Ferreira não quis deixar a oportunidade de em relação a esta equipa de intervenção permanente realçar “a sua imediata aceitação por parte da Câmara Municipal de Estremoz”. 
 
Carlos Ferreira concluiu a sua intervenção salientando que “projectos e vontade não faltam, assim os meios financeiros apareçam. Apelamos a toda a comunidade, que na medida das suas possibilidades, ajude os Bombeiros de Estremoz, na certeza de que podem confiar que os Bombeiros de Estremoz não faltarão a quem precise de auxilio, e mais tarde ou mais cedo, todos precisaremos”.
 

 
 
Sessão Solene de Abertura das Comemorações do 85º Aniversário da
Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz (AHBVE)
 
Logo após a investidura dos novos corpos sociais da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz (AHBVE), teve lugar a Sessão Solene de abertura das Comemorações do 85º Aniversário da AHBVE.
 
Durante a sua prelecção, José Capitão Pardal, Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação, realçou que estas comemorações terão “um calendário alargado, que se prolongará por vários meses e com várias realizações”. Salientou ainda que a AHBVE ”vai aproveitar as comemorações para distinguir aqueles bombeiros, dirigentes e amigos dos bombeiros que ao longo dos tempos têm contribuído para o seu êxito”.
 
O antigo Presidente da Direcção da AHBVE referiu que “não têm sido fáceis os últimos 85 anos para a nossa associação, 85 anos de grandes sacrifícios e grandes dificuldades. Foram anos de muitos êxitos mas também de alguns contratempos e muitas frustrações. Começámos com a vontade de alguns pioneiros e actualmente somos uma organização multifacetada e complexa”. Conclui dirigindo-se aos estremocenses, afirmando que estes “podem contar com os seus bombeiros, apesar de todas as dificuldades sentidas no dia-a-dia, os Bombeiros de Estremoz continuam vivos e de forma desinteressada a dar a protecção e o socorro aos estremocenses e aos seus bens”.
 

 
Logo após o discurso do agora Presidente da Mesa da Assembleia Geral da AHBVE, foram entregues os diplomas de Novos Sócios de Mérito, de Novos Sócios Beneméritos, e de Novo Sócio Honorário da AHBVE, bem como os Medalhões de Honra – Grau Ouro.
 
Novos Sócios de Mérito
- João Manuel Vidigal Pingarilho
- Manuel Santiago do Pomar
- Amaro Marcelino Rebola Camões (a título póstumo)
- José Santos Gonçalves (a título póstumo)
- Manuel Vítor Carapeta Ferro (a título póstumo)
 
Novos Sócios Beneméritos
- Ana Margarida McLock
- Augusto Jorge Rodrigues
- Academia do Bacalhau de Estremoz
- Crédito Agrícola de Estremoz
- Fundação da Casa de Bragança
- Intermarché de Estremoz
- Recolhimento de Nossa Senhora dos Mártires
- Tractomoz, SA
 
Novo Sócio Honorário
- Comandante Mário Zacarias
 
Medalhões de Honra – Grau Ouro
- António Luís de Matos Quaresma
- Custódio António Fernandes Caeiro
- António Soeiro Travassos
- Joaquim Miguel Pimenta Raimundo
- Joaquim Manuel Ramos
- Comandante José António Ferreira
- Luís Filipe Pereira Mourinha
- Major José Jerónimo Velez Correia
- Manuel António Chilrito
 
Carlos Machado, Comandante do Corpo Activo dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, salientou a importância da cerimónia que antecedeu o seu discurso, o “reconhecer todos aqueles que a nós se juntaram e permitiram que os Bombeiros de Estremoz trilhassem este caminho, caminho de estarmos aqui neste momento, com as condições que temos e com os equipamentos que dispomos”.
 
O voluntariado, ou a falta dele, foi o tema mais abordado pelo Comandante Carlos Machado. “Um dos grandes desafios de hoje é o voluntariado. Não é fácil cativarmos jovens para ingressarem no Corpo de Bombeiros e para dedicarem algum do seu tempo a esta instituição e a esta actividade”. Mas a garantia foi deixada, de forma convicta: “Tudo continuaremos a fazer para ultrapassar este obstáculo”.
 
Sobre as Comemorações do 85º Aniversário da AHBVE, Carlos Machado adiantou que vai-se realizar “um Encontro de Fanfarras, a 9 de Julho, um Workshop de Formação cuja temática são os Primeiros Socorros a Animais, a 22 de Julho, um Exercício ou uma Demonstração dos nossos equipamentos, em finais de Setembro, e uma Sessão Solene de Encerramento, com distinções aos Bombeiros”.
 

 
Durante a sua intervenção, Inácio Esperança, Presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Évora (FBDE), depois de endereçar os parabéns à AHBVE, e de salientar que “nenhuma instituição durava 85 anos se não fosse útil e se não tivesse prestado bons serviços à comunidade”, referiu, dirigindo-se em especial aos bombeiros presentes, que “os Bombeiros de Portugal vivem dias complicados, porque sofremos desde o 25 de Abril, o maior ataque a esta instituição que já podemos observar”. Acrescentou que “os bombeiros hoje são considerados pessoas incompetentes, incapazes de apagar fogos, incapazes de socorrer e não merecedores dos milhões que o Estado derrama sobre novas forças, para reequipar, para reinstalar e para incentivar”. Inácio Esperança afirmou ainda que “não se incentivam aqueles que durante os últimos seiscentos anos socorreram os portugueses e que foram os únicos que olharam por eles”.
 
Olhando em especial para Carlos Ferreira e para a nova direcção da AHBVE, Inácio Esperança disse que “se os bombeiros têm sofrido um ataque brutal por parte da tutela, os directores foram mortos pela tutela. E não sei como é que ainda há quem resiste a estar à frente das associações, dando o seu nome, o seu património, a sua assinatura, correndo riscos, sem nada receber da tutela”. Acrescentou que “Carlos Ferreira tem a seu cargo e às suas costas uma grande responsabilidade, tem uma grande cidade do nosso distrito, uma população enorme, com muitas carências, mas também sei que pode contar com a Câmara Municipal, uma das poucas câmaras do distrito de Évora que diz presente e que tem apoiado sempre os seus bombeiros”. Concluiu a sua intervenção esperando que “o Carlos Ferreira, com a sua experiência, com o seu know how e com a carga genética desta função e desta casa, lhe permita reinventar o futuro e saber servir melhor Estremoz”. 
 

 
O Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Luís Filipe Mourinha, durante o seu discurso, salientou que em relação à Equipa de Intervenção Permanente que vai ser criada, e cujo protocolo será assinado no próximo dia 4 de Maio, em Fornos de Algodres, “que havendo essa possibilidade, a autarquia não poderia deixar de participar, e vamos participar com um custo adicional mensal de 3500 euros, valor significativo” para além dos mais de 6 mil euros mensais atribuídos pela edilidade estremocense aos Bombeiros Voluntários de Estremoz.
 
Sobre a distinção que recebeu, o edil estremocense revelou, enquanto homenageado, sentir-se “satisfeito porque alguma coisa fizemos de bom”.
 

 
A Sessão Solene de Abertura das Comemorações do 85º Aniversário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz (AHBVE) terminou com o desfile pelas principais artérias da cidade, da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, e de todo o dispositivo automóvel ao serviço da corporação estremocense.

Deixe um comentário

Mais Populares