domingo, 25 agosto 2019
terça, 02 junho 2015 00:59

Cinco anos depois, cinema vai regressar a Évora

Escrito por
Projecto, num investimento de 850 mil euros, prevê a criação de três salas de cinema Projecto, num investimento de 850 mil euros, prevê a criação de três salas de cinema DR
Cinco anos após o fecho das últimas salas da cidade, e graças a um investimento de quase um milhão de euros, a exibição regular de cinema do circuito comercial vai voltar a ser uma realidade em Évora.
 
Segundo revelou à Lusa o vereador do município eborense, Eduardo Luciano, o projecto, cujo promotor é a empresa Algarcine, consiste na construção de um novo edifício, na periferia da cidade, com três salas de cinema.
 
"Foi dado o primeiro passo para voltarmos a ter cinema comercial em Évora", congratulou-se o autarca, referindo-se à decisão da câmara de atribuir um lote de terreno municipal à empresa, por cerca de 23 mil euros.
 
O negócio, assinalou, tem como contrapartidas ser o lote destinado exclusivamente à construção de salas de cinema, as alterações das redes de infraestruturas ficarem por conta do promotor e a possibilidade de se realizarem acções com os agrupamentos de escolas do concelho.
 
Por outro lado, segundo o vereador com o pelouro da cultura, os serviços municipais vão elaborar o anteprojecto de arquitectura para "garantir a qualidade urbanística da intervenção" e "agilizar prazos".
 
Não se querendo comprometer com datas para a entrada em funcionamento das salas de cinema, Eduardo Luciano previu que, "na melhor das hipóteses", os filmes podem começar a ser exibidos "no final deste ano".
 
À Lusa, o sócio-gerente da Algarcine, Carlos Matos, contou que, numa visita a Évora, apercebeu-se de que "fazia falta um cinema" na cidade, tendo proposto à câmara "a cedência de um terreno para a construção de um espaço com salas de cinema".
 
O responsável indicou que o projecto, num investimento de 850 mil euros, prevê a criação de três salas de cinema, duas com capacidade para cerca de uma centena de pessoas e outra com cerca de 200 lugares.
 
Carlos Matos desvendou que a ideia passa por "ter duas salas mais pequenas para filmes alternativos e apoio a cineclubes ou associações e ter uma sala maior, com tecnologia mais recente de cinema digital e uma ou duas estreias por semana".
 
A Algarcine possui quatro cinemas no Algarve e dois no Alentejo.
 
Évora "perdeu" a exibição regular de cinema comercial desde que viu fechar, em Março de 2009, as duas salas que funcionavam, há vários anos, no Centro Comercial Eborim, e em Setembro de 2010, a que operava como alternativa num auditório do centro histórico.
 
c/ LUSA
 
Modificado em terça, 02 junho 2015 01:20

Deixe um comentário