sábado, 27 novembro 2021
sábado, 14 agosto 2021 17:19

Recluso encontrado morto no Estabelecimento Prisional de Beja

Escrito por
Há mais de uma década que não ocorria uma morte no interior do Estabelecimento Prisional de Beja Há mais de uma década que não ocorria uma morte no interior do Estabelecimento Prisional de Beja DR

Foi encontrado sem vida, na manhã deste sábado, 14 de Agosto, numa cela do Estabelecimento Prisional de Beja (EP Beja), um recluso de 72 anos. O homem encontrava-se a cumprir uma pena de prisão de nove anos, por um crime de homicídio qualificado na forma tentada. 
 
Foi cerca das 08 horas da manhã, e numa altura em que que eram abertas as celas para os reclusos tomarem o pequeno-almoço, que os guarda prisionais encontraram Luís Rita, também conhecido como Luís “Água-Doce”
 
Ao que foi possível apurar, o corpo estava pendurado numa grade da cela e amarrado a uma ligadura. O médico da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Beja confirmou a morte. Estiveram no EP de Beja, agentes da Esquadra de Investigação Criminal da Polícia de Segurança Pública (PSP).
 
O corpo foi removido para o Gabinete Médico Legal do Hospital José Joaquim Fernandes, onde irá ser autopsiado. Segundo o que é avançado pelo Jornal de Notícias (JN), a tese de suicídio poderá sofrer uma reviravolta, visto que existirão ferimentos ligeiros no corpo da vítima, que podem mudar o curso do caso.
 
O homem sofria de problemas de depressão e estava há algum tempo isolado numa cela, o que contraria a indicação da Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, quanto ao isolamento de presos com depressões.
 
Em Setembro de 2016, Luís Rita foi condenado a nove anos de prisão, pela tentativa de homicídio de uma vizinha, contra quem disparou dois tiros de caçadeira. O caso remonta a 29 de Outubro de 2015, no Bairro das Saibreiras, em Beja.
 
O arguido chegou a tribunal acusado dos crimes de homicídio qualificado na forma tentada e detenção de arma proibida, tendo sido condenado a oito anos pelo primeiro dos crimes e a mais dois pelo segundo crime, o que lhe valeu um cúmulo jurídico de nove anos.
 
Há mais de uma década que não ocorria uma morte no interior do Estabelecimento Prisional de Beja.
 
c/ Teixeira Correia e Jornal de Notícias
Modificado em sábado, 14 agosto 2021 17:46

Deixe um comentário