sexta, 20 outubro 2017

O estremocense João Manoel Moura dos Reis é o novo presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA).

O médico encontrava-se a presidir ao Conselho Directivo da Administração Regional de Saúde do Algarve (ARSA), desde 1 de Novembro de 2013.

A nomeação foi aprovada pelo Governo, na passada quinta-feira, em Conselho de Ministros, tendo aprovado ainda a nomeação de Vera Maria Escoto, Joaquim Duarte Araújo, Ana Amélia Ceia da Silva e Artur Manuel Caretas Lopes, como vogais executivos do Conselho de Administração da ULSNA.

O Conselho de Ministros aprovou ainda a nomeação de Maria da Conceição Lopes Baptista Margalha como presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA). José Aníbal Fernandes Soares, José Manuel Lourenço Mestre, António Sousa Duarte e Joaquim Manuel Brissos foram nomeados vogais executivos do Conselho de Administração da ULSBA.

Luís Manuel de Sousa Matias foi nomeado presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA). Horácio Carlos de Figueiredo Santos Feiteiro, Alda Maria Figueiredo Machado Pinto Dinis da Fonseca, Miguel Ângelo Madeira Rodrigues e Amaro Silva Pinto, foram nomeados vogais executivos do Conselho de Administração da ULSLA.

De destacar que estas nomeações para as Unidades Locais de Saúde são feitas ao abrigo do Regime Jurídico e os Estatutos aplicáveis às unidades de saúde do Serviço Nacional de Saúde, tendo passado um dos vogais a ser proposto pela respectiva Comunidade Intermunicipal.

Parece ser uma escolha unânime: o Alentejo é a região portuguesa mais provável para a Tesla instalar a sua gigafábrica. Se Elon Musk vier a escolher Portugal para instalar uma nova fábrica na Europa, a região sul do país é a que reúne mais condições para acolher a unidade que produz os carros eléctricos da marca norte-americana.
 
A conclusão é dos estudos realizados pelo movimento "Bring Tesla Gigafactory to Portugal", um movimento "agregador da sociedade civil" que nasceu espontaneamente no Facebook em Novembro, após a Tesla ter abordado vários países europeus com o objectivo de procurar uma localização para uma segunda fábrica na Europa. Portugal foi um dos países que recebeu uma comitiva da Tesla, conforme avançou o Ministério da Economia em Novembro.
 
A gigafábrica em Portugal "dificilmente será noutro sítio que não o Alentejo", disse Rui Miguel Coelho, co-fundador deste movimento que não tem ligações nem à Tesla, nem a entidades oficiais e cujo objectivo é apenas tentar chamar a atenção de Elon Musk para escolher Portugal para instalar a sua gigafábrica.
 
Há um total de 120 pessoas envolvidas neste projecto e que estão a trabalhar pro bono, ou seja, sem receber nada em troca. O estudo já mereceu o interesse do próprio Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.
 
"Todos os estudos técnicos que os nossos engenheiros e equipa de trabalho fez, apontam claramente que seja no Alentejo. É muito improvável que seja noutro sítio que não o Alentejo", afirmou numa apresentação realizada na escola de negócios AESE, em Lisboa, que serviu para apresentar o estudo levado a cabo pelo movimento. 
 
Esta escolha do Alentejo, segundo as conclusões preliminares do estudo, está suportada em cinco factores:
Espaço – Uma fábrica de baterias da Tesla necessita de pelo menos de uma área de pelo menos 12 quilómetros quadrados. O Alentejo é considerado o melhor local por isso e por também estar próximo do Porto de Sines, que pode beneficiar de fundos comunitários que permitam criar uma plataforma logística e de mercadorias para produção e exportação de veículos da marca norte-americana;
 
Apoio japonês – Vários responsáveis das autoridades japonesas têm estado a acompanhar os oito grupos de trabalho constituído pelo movimento de apoio ao investimento da Tesla. Poderão sensibilizar a Panasonic, uma das principais investidoras da Tesla e que é “líder na investigação da sustentabilidade e longevidade de baterias”; 
 
Reconhecimento norte-americano – A startup portuguesa InoCrowd, que resolve os problemas das empresas através de uma espécie de rede social da inovação, é uma das principais apoiantes do movimento que quer atrair o investimento da Tesla para Portugal. Depois de ter recebido investimento da Cisco, tem “dado nas vistas nos EUA e criou uma alavanca adicional de reconhecimento da excelência das competências dos engenheiros portugueses, o que importa, e muito, a Elon Musk”; 
 
Portugalidade – O movimento de apoio à Tesla acredita que há uma forte ligação entre a cultura portuguesa e a cultura de desenvolvimento da Tesla. Criou, por isso, o acrónimo IDEA Factor, que junta inovação, disrupção, exploração e adaptação + acção. “Mais do que apenas critérios financeiros e fiscais, o CEO da Tesla move-se por critérios igualmente emocionais, o que dá vantagem adicional a Portugal”; 
 
Apoio do Governo – A UMM foi a última marca automóvel 100% portuguesa de referência. Inicialmente uma desvantagem, “a falta de uma grande empresa nesta indústria pode facilitar o apoio governamental a uma marca como a Tesla. Todos os outros países candidatos têm marcas automóveis nacionais que podem por em causa o comprometimento anterior de fundos e políticas públicas”. 
 
No início de Novembro, o líder da Tesla, Elon Musk, revelou que a companhia estava a planear instalar uma fábrica na Europa e que o país seria escolhido no próximo ano.
 
Vários países europeus, como Espanha, Holanda e França, chegaram-se à frente para atrair o investimento da Tesla. Em Fevereiro, a Tesla anunciou que iria anunciar as localizações das suas próximas três gigafábricas ainda este ano, não detalhando se alguma vai ser na Europa.
 
c/ Dinheiro Vivo e Jornal de Negócios
Na madrugada da passada terça-feira, em Santiago do Cacém, concelho do litoral alentejano pertencente ao distrito de Setúbal, foi assaltada uma caixa Multibanco, localizada num posto de abastecimento de combustíveis, numa das principais avenidas da cidade, a escassos metros do quartel dos bombeiros.
 
Segundo as imagens de videovigilância já exibidas pelas estações de televisão, o assalto ocorreu cerca das 03:30 horas, não durou mais de cinco minutos, e terá sido levado a cabo a por três ou quatro indivíduos, que se colocaram em fuga num veículo ligeiro.
 
Segundo as últimas informações divulgadas, o alerta para a GNR, que chegou ao local 36 minutos depois dos assaltantes, terá sido dado por um bombeiro que se encontrava de serviço. 
 
Fonte da GNR adiantou que os assaltantes terão conseguido apoderar-se "do dinheiro todo" que estava no terminal de Multibanco, numa quantia cujo valor está ainda por determinar.
 
O assalto ocorreu através do método de explosão, com injecção de gás na caixa Multibanco.
 
A investigação está agora a cargo da Polícia Judiciária.
 
c/ TVI24

Elvas vai ter complexo de padel ainda este ano

Escrito por terça, 28 março 2017 23:44
Foi apresentado ontem, terça-feira, dia 28 de Março, numa conferência de imprensa que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Elvas e dos dois administradores da empresa Europadel, o projecto de implantação de campos de padel “EuroPadel”.
 
O complexo de padel, cuja construção já se iniciou, vai ficar localizado na urbanização da Quinta do Paraíso, em frente à entrada da zona de estacionamento do Estádio Municipal de Atletismo, em Elvas. A previsão para conclusão das obras é meados de Julho, num investimento superior a um milhão de euros.
 

Para Álvaro Antunes, administrador da empresa, “o projecto que vamos realizar é um projecto pioneiro e inovador, e acreditamos que não vai passar despercebido. Tem a componente desportiva e turística. Vai dinamizar a cidade e todo o património”.
 
Do complexo fazem parte cinco campos de padel cobertos, bicicletas eléctricas, uma pista polidesportiva para futebol e basquetebol e cafetaria.
 
Pretendemos trazer pessoas de outras cidades para praticarem desporto e assim dinamizarmos a cidade de Elvas”, explicou o também administrador da empresa Europadel, Agustin Marquez Felipe.
 
Nuno Mocinha, presidente da Câmara Municipal de Elvas, referiu durante a sua intervenção estar “muito satisfeito” com a realização deste projecto. E explicou que “é um equipamento que não existe, é inovador e tem uma envolvência turística para dinamizar a cidade”. Concluiu mostrando-se muito ansioso para ver o resultado do projecto: “Espero que os meses passem rápido para em Julho estarmos aqui a inaugurar este projecto e assim dotarmos Elvas de um Complexo de Padel".
 
São números para deixar qualquer um de boca aberta. O Bugatti Chiron vai dos 0 aos 100 km/h em 2,5 segundos, dos 0 aos 200 km/h em 6,5 segundos e dos 0 aos 300 km/h em apenas 13,6 segundos. A Bugatti garante que a rodar à velocidade máxima de 420 km/h (limitada electrónicamente), o Chiron esvazia o depósito de 100 litros em… nove minutos.
 
Portugal foi o palco escolhido para a apresentação dinâmica a um número muito restrito de jornalistas e clientes deste verdadeiro “monstro do asfalto”, que extrai algo como 1500 cavalos de potência de um motor W16 (sim, 16 cilindros) de 8.0 litros com quatro turbocompressores.
 
Cidades como Lisboa e Sintra receberam os testes, em estrada aberta. Na capital de distrito do Alentejo, Évora, foi mesmo fechado um troço da estrada nacional para que fossem soltas as rédeas aos bólides.
 
Entre as publicações eleitas encontra-se a britânica “Evo”, que aproveitou para partilhar na sua página oficial do Facebook, um vídeo onde se pode ver um Chiron a explorar, sem limites, os seus 1500 cavalos. É possível ver a rapidez com que este Bugatti, cujo valor de venda ao comum mortal ronda os 2,4 milhões de euros, antes de impostos, chega aos 350 km/h em apenas 21,51 segundos.
 
De referir que a velocidade máxima do Chiron está limitada a 380 km/h, mas uma chave “mágica” desbloqueia o limitador para alcançar os 420 km/h, igualmente limitada. A Bugatti já admitiu que, sem limitador, o Chiron é capaz de superar os 450 km/h. Haja estrada…
 
Apenas serão fabricados 500 exemplares, sendo que mais de metade já estão vendidos.
 
c/ TVI24

Larápios assaltam Estádio Municipal de Borba

Escrito por sábado, 25 março 2017 19:39
Na passada madrugada, de sexta-feira para sábado, amigos do alheio assaltaram o Estádio Municipal de Borba.
 
Depois de terem cortado a rede de acesso ao estádio, os larápios arrombaram a porta da cabine de som, tendo roubado a aparelhagem de som que aí se encontrava, propriedade do SC Borbense.
 
O assalto foi descoberto pelo responsável pela manutenção do campo.
 
No Estádio Municipal de Borba, a tomar conta de ocorrência, esteve a Guarda Nacional Republicana (GNR), e a Policia Judiciária (PJ), que esteve em busca de vestígios que levem à detenção dos autores deste assalto.
 
Na página oficial do SC Borbense na rede social Facebook, a DIrecção do clube azul e branco já mostrou o seu descontentamento por mais esta situação: “Após há uns anos terem visitado o Bar, os Balneários, o próprio Campo de Futebol, a nossa Carrinha, e até a Sede do SCB, esta noite foi a aparelhagem de som.
Na verdade, assim não é fácil continuar lutar dentro e fora de campo...
 
O SC Borbense já apresentou queixa contra desconhecidos.
Pouco passava das 22.30 horas, do dia de ontem, quinta-feira, 23 de Março, quando um homem, com cerca de 30 anos de idade, subiu para o topo do Aqueduto da Amoreira, em Elvas, ameaçando lançar-se do monumento.
 
Segundo avança o semanário “Linhas de Elvas”, o jovem começou por sentar-se na zona mais alta do monumento, a cerca de 30 metros do solo, junto à rotunda do Hotel Dom Luís. Vários meios da Polícia de Segurança Pública (PSP) e dos Bombeiros Voluntários de Elvas foram deslocados para o local. Logo após os primeiros contactos com o homem, o trânsito foi cortado na Avenida de Badajoz.
 
Ainda segundo o semanário elvense, o indivíduo acabou por colaborar com as autoridades, aceitando ser retirado do topo do monumento com a ajuda de dois bombeiros, que também subiram ao Aqueduto. No auxílio estiveram também um negociador da PSP e um soldado da paz, os quais se encontravam suspensos na cesta de uma auto-escada da corporação de bombeiros, que se revelou crucial no contacto com o jovem.
 
Perto das 00.45 horas, as operações de socorro foram dadas por concluídas. O jovem foi transportado para o Hospital de Santa Luzia, em Elvas, tendo-se mostrado visivelmente emocionado no momento em que chegou junto de um familiar.
 
Um alegado desgosto amoroso estará na origem desta tentativa de suicídio.
 
No local estiveram dezenas de elementos dos Bombeiros Voluntários de Elvas, a equipa de Suporte Imediato de Vida (SIV) de Elvas e a PSP.
 
c/ Linhas de Elvas
Por suspeitas de formarem uma rede organizada que abastecia droga na cidade de Évora, a Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve cinco homens e duas mulheres, com idades compreendidas entre os 22 e os 50 anos.
 
A operação, que decorreu no âmbito de uma investigação da Esquadra de Investigação Criminal, teve início, na segunda-feira, em Évora, e culminou na terça-feira, tendo-se alargado a Montemor-o-Novo.
 
Os suspeitos foram detidos durante 12 buscas domiciliárias e 12 buscas não domiciliárias, tendo a intervenção em Montemor-o-Novo contado com a colaboração da Guarda Nacional Republicana (GNR).
 
A PSP apreendeu 132 doses individuais de heroína, cocaína em estado sólido que daria para 40 doses individuais e haxixe que daria para duas doses individuais.
 
Foram apreendidos mais de 3.500 euros em dinheiro, uma pistola modificada, uma espingarda, quatro automóveis e vários objectos relacionados com o acondicionamento e preparação da droga.
 
Os detidos serão presentes hoje, quarta-feira, no Departamento de Investigação e Acção Penal de Évora, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coacção.
 
ACTUALIZAÇÃO
 
Ficaram em prisão preventiva os cinco homens e as duas mulheres, que foram detidos, em Évora e Montemor-o-Novo, por suspeitas de formarem uma rede organizada de tráfico de droga.
 
As medidas de coação foram aplicadas após o primeiro interrogatório judicial, que começou ontem, quarta-feira, e que terminou já hoje, quinta-feira, de madrugada.
A Câmara Municipal de Évora está a proceder a uma intervenção no Parque Infantil Almeida Margiochi que, quando estiver terminada significará, para além da transfiguração do espaço, um investimento municipal superior a 100 mil euros.
 
A obra de requalificação do parque infantil, cuja autarquia prevê ter concluída na primeira quinzena de Junho, inclui nova pavimentação, correcção e reperfilamento de caminhos, melhoria da iluminação e a renovação e instalação de novos equipamentos.
 
Segundo o vereador responsável pelo pelouro do Ambiente, Higiene e Mobilidade, João Rodrigues, “esta obra irá dar uma nova vida a este espaço, através da instalação de equipamentos novos, adequados e modernos, para além de alguns especificamente adequados e adaptados a cidadãos com deficiência”.
 
O autarca esclarece ainda que os equipamentos que não serão substituídos irão receber uma intervenção de manutenção de forma a fazer com que estejam perfeitamente utilizáveis e a “obedecer a todas as normas regulamentares previstas para este tipo de equipamento urbano”.
 
Sendo certo que, por vezes, este tipo de obra encontra alguns contratempos, nomeadamente atmosféricos, a Câmara Municipal de Évora espera ter a obra terminada nas primeiras duas semanas de Junho. “É nossa ambição que durante a Feira de S. João os eborenses e os milhares de forasteiros que nos visitam possam usufruir do Parque Infantil em toda a sua plenitude”, remata João Rodrigues.

Mais Populares