sábado, 21 setembro 2019

Acidente provoca um morto e um ferido grave

quinta, 14 fevereiro 2019 01:03
Uma violenta colisão frontal, ocorrida durante a tarde do dia de ontem, quarta-feira, 13 de Fevereiro, próximo de Monte do Trigo, no concelho de Portel, provocou a morte a uma mulher de 58 anos, e ferimentos graves numa outra, de 57 anos.
 
O acidente, cujo alerta foi dado às 18:07 horas e que envolveu duas viaturas ligeiras de passageiros, aconteceu ao quilómetro 29 do Itinerário Principal 2 (IP2).
 
As vítimas tiveram de ser desencarceradas. Depois de assistida no local, a mulher considerada ferido grave foi transportada para o Hospital do Espírito Santo, em Évora.
 
Apesar do muito trânsito existente no IP2 na altura do acidente, as autoridades não conseguem, para já, adiantar as causas para mais este trágico sinistro.
 
Segundo dados divulgados pelo site da Protecção Civil, prestaram auxílio às vítimas 27 operacionais, pertencentes aos corpos de bombeiros de Portel e de Évora, elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) e do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), apoiados por 10 viaturas, incluindo a viatura médica do INEM de Évora.
Modificado em quinta, 14 fevereiro 2019 01:18
Um dos feridos graves resultante da colisão entre uma ambulância dos Bombeiros Voluntários de Vila Viçosa e um automóvel, ocorrida perto de Évora, ao principio da tarde desta terça-feira, dia 12 de Fevereiro, acabou por perder a vida no hospital da cidade alentejana, disse à LUSA fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).
 
Segundo a mesma fonte, a vítima mortal é um homem de 75 anos, condutor do automóvel. Do acidente, resultaram ainda dois feridos graves e três ligeiros, que foram também transportados para as urgências do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), de acordo com os dados da GNR.

Os feridos graves são duas mulheres, uma de 33 anos, ocupante do veículo ligeiro de passageiros, e outra, de 75, que seguia na ambulância.
 
Os feridos ligeiros são três homens que seguiam na ambulância, o condutor, de 37 anos, bombeiro na corporação de Vila Viçosa, e dois civis, de 79 e de 55 anos.
 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora indicou que o acidente, cujo alerta foi dado às 13:10 horas, ocorreu na Estrada Nacional 254 (EN 254), que liga Évora a Redondo, junto ao cruzamento para a povoação de São Miguel de Machede.
 
As operações de socorro mobilizaram 22 operacionais das corporações de bombeiros de Évora, Redondo e Vila Viçosa, GNR, Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e Infraestruturas de Portugal, apoiados por 11 veículos.
Modificado em quarta, 13 fevereiro 2019 02:43
O Presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, deslocou-se na passada sexta-feira, dia 8 de Fevereiro, ao quartel dos Bombeiros Voluntários de Monforte, onde entregou pessoalmente os primeiros cartões aos beneficiários das regalias sociais que o Município, ao abrigo de regulamento próprio que entrou em vigor este ano, concede aos bombeiros locais.
 
Neste acto simbólico marcaram presença o Presidente e o Vice-Presidente da Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Monforte (AHBVM), respectivamente António Joaquim Medalhas e Luís Godinho, bem como o Comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Monforte, Jorge Pereira.
 
Para além das obrigações atribuídas aos municípios de acordo com o regime jurídico dos deveres, direitos e regalias dos bombeiros portugueses no território nacional, entendeu o Município de Monforte criar o “Regulamento Municipal de concessão de regalias sociais aos Bombeiros Voluntários de Monforte”, definindo os deveres e obrigações, concessões e regalias aos bombeiros pertencentes ao Corpo de Bombeiros Voluntários de Monforte. Por outro lado, esta decisão do executivo liderado por Gonçalo Lagem constitui uma maneira de reconhecer e valorizar o papel insubstituível dos bombeiros, esperando igualmente que estes benefícios sirvam de incentivo ao alistamento de mais jovens nos “Soldados da Paz”.
 
A criação do “Regulamento Municipal de concessão de regalias sociais aos Bombeiros Voluntários de Monforte” teve também em consideração que o Município não dispõe de um Corpo de Bombeiros Municipais, tendo, no entanto, atribuições no domínio da Protecção Civil, chegando-se à conclusão que os custos associados ao reconhecimento, protecção e fomentação da actividade de bombeiro voluntário, através da concessão das regalias previstas no documento, serão sempre menores do que aqueles que resultariam da criação e manutenção de um Corpo de Bombeiros Municipais.
 
Entre as regalias previstas, destacam-se a isenção ou redução do pagamento de taxas pela concessão de licenças de construção, ampliação, modificação ou utilização para a casa de morada do respectivo agregado familiar, bem como do pagamento da Taxa Municipal de Urbanização (TMU), redução da taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), desconto na factura mensal da água, saneamento e resíduos, reembolso de propinas e bolsas de estudo e outras.
 
De salientar que, a par da concessão destas regalias e de outras formas de colaboração prestadas ao longo do ano, a autarquia atribui um apoio financeiro destinado especificamente à concretização de actividades anuais executadas no âmbito da segurança, do socorro às populações, ao transporte de sinistrados e doentes, ao combate a incêndios e outras na área da Protecção Civil, cujo valor para o ano de 2019 foi fixado em 75 mil euros, mais cinco mil euros em relação ao valor entregue em 2018.
Modificado em quarta, 13 fevereiro 2019 01:48

Terra volta a tremer no Alentejo

terça, 12 fevereiro 2019 02:26
Praticamente um ano após o sismo registado com uma magnitude de 4.9 na escala de Richter, com epicentro em Arraiolos, e que nesse dia 15 de Janeiro de 2018 fez soar o alarme nas gentes alentejanas, em particular, mas também de outras regiões do país, a Terra, embora com menos intensidade, voltou a tremer no concelho do distrito de Évora.
 
Em comunicado, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) adianta que o sismo foi registado às 00:20 horas desta terça-feira, dia 12 de Fevereiro, nas estações da rede sísmica do Continente, com uma magnitude de 2.1 na escala de Richter e com epicentro a nordeste de Arraiolos.
 
Segundo o IPMA, "este sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima III (escala de Mercalli modificada) na região de Arraiolos".
 
A intensidade III na escala de Mercali é considerada fraca, significando que o abalo pode ser sentido dentro de casa, os objetos pendentes baloiçam, sendo a vibração semelhante à provocada pela passagem de veículos pesados.
 
Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2.0), muito pequeno (2.0-2.9), pequeno (3.0-3.9), ligeiro (4.0-4.9), moderado (5.0-5.9), forte (6.0-6.9), grande (7.0-7.9), importante (8.0-8.9), excecional (9.0-9.9) e extremo (superior a 10).
 
O Instituto recorda que a localização do epicentro de um sismo "é um processo físico e matemático complexo que depende do conjunto de dados, dos algoritmos e dos modelos de propagação das ondas sísmicas", lembrando que "agências diferentes podem produzir resultados ligeiramente diferentes".
 
"Do mesmo modo, as determinações preliminares são habitualmente corrigidas posteriormente, pela integração de mais informação", acrescentou.
 
Modificado em quarta, 13 fevereiro 2019 02:46
No dia de ontem, terça-feira, 5 de Fevereiro, uma criança com apenas 10 anos de idade levou uma arma, que exibiu perante os colegas, para a Escola Básica de Santa Luzia, em Elvas.
 
Contactado pela Rádio Elvas, o subcomissário David Gomes, Comandante da Esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Elvas, afirmou tratar-se de “uma pistola de calibre 6.35”, sublinhando que “a situação foi detectada pelos auxiliares da escola e a arma não tinha munições”.
 
Mais tarde, e em declarações à LUSA, o subcomissário referiu que o rapaz entrou na escola às 12:20 horas e que os colegas alertaram um funcionário do estabelecimento de ensino para a situação, "sem se registar nenhum problema".
 
A PSP, através dos agentes afectos ao programa Escola Segura, apreendeu a arma. O menor foi também identificado e a família informada da situação.
 
"A arma está apreendida no âmbito do processo", referiu o comandante da esquadra da PSP, indicando que o expediente vai ser comunicado ao Ministério Público de Elvas, que "entenderá em que moldes vai proceder".
 
Sem saber dar detalhes sobre a reacção da criança ao ser identificada pela polícia, o subcomissário sublinhou que "a origem da arma ainda está a ser investigada. O jovem terá encontrado a arma num terreno baldio. Não há, para já, indícios de que seja de algum familiar".
 
O subcomissário David Gomes disse ainda que, desde que assumiu o comando da esquadra de Elvas há dois anos, esta "é a primeira situação com alguma gravidade" registada num recinto escolar da cidade raiana. "É uma situação isolada, no entanto vamos tomar atenção a esta escola e ter um policiamento mais reforçado no sentido de se evitarem estas situações", garantiu.
 
c/ LUSA, Público e Rádio Elvas
Modificado em quarta, 06 fevereiro 2019 02:08
3,56 gramas por litro de álcool no sangue. Esta foi a taxa de alcoolemia com que uma mulher, de 43 anos, foi apanhada a conduzir, pela Polícia de Segurança Pública (PSP), na cidade de Portalegre.
 
A mulher, que foi detida enquanto conduzia a viatura em que seguia, foi constituída arguida, submetida à medida de coação de Termo de Identidade e Residência, e notificada para comparecer no Juízo de Portalegre do Tribunal Judicial da Comarca de Portalegre.
Modificado em quarta, 06 fevereiro 2019 01:21
Na sequência de um despiste, seguido de capotamento, um homem de 38 anos faleceu na madrugada de hoje, domingo, 3 de Fevereiro, na Estrada Nacional 4 (EN4), entre Estremoz e Borba.
 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora adiantou que o alerta para este acidente foi dado às 04:45.
 
Fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR) informou que a vítima mortal era o condutor e único ocupante da viatura e que o automóvel capotou após o despiste.
 
Ao que o Ardina do Alentejo conseguiu apurar, a vítima mortal era natural de Borba, e seguia no sentido Borba – Estremoz, quando entrou em despiste junto à entrada de Estremoz, perto do cemitério da cidade.
 
As operações de socorro mobilizaram os Bombeiros Voluntários de Estremoz e de Vila Viçosa, a GNR e o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), num total de 23 operacionais, apoiados por 11 veículos, de entre os quais a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Évora e a ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) de Estremoz.
Modificado em domingo, 03 fevereiro 2019 17:24
O Presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, o Pároco de Monforte, e das freguesias de Assumar, Santo Aleixo e Vaiamonte, Padre Joanees Oliveira, e uma pequena comitiva, estiveram no Vaticano, no dia de ontem, quarta-feira, 30 de Janeiro, onde foram recebidos por Sua Santidade, o Papa Francisco.
 
Segundo conseguimos apurar, esta recepção do Papa Francisco à comitiva monfortense realizou-se no âmbito da ordenação do Padre Luís, da comemoração dos 25 anos do Instituto Missio Christhi e também devido à recém eleição do Padre Joanees como Superior Geral do Instituto.
 
Na sua página na rede social Facebook, Gonçalo Lagem referiu que tanto ele como a restante comitiva viveram “um dos momentos mais marcantes” das suas vidas. O edil monfortense acrescentou que “por breves momentos, tivemos a atenção do homem mais solicitado do Mundo e claro, aproveitei para, na sua benção, pedir por todos”.
 
Em nome do município, o autarca entregou uma carta institucional do Município de Monforte, um capote alentejano, feito e oferecido pela proprietária e colaboradoras da firma Carola & Borralho, quatro mini guiões, um de cada freguesia do concelho e um prato em estanho, com o brasão da Câmara Municipal de Monforte.
 
Lagem salientou ainda que esta recepção “foi muito, muito emocionante! Daqueles momentos especiais, que não se apagarão nunca das nossas memórias!”.
 
Ainda segundo a publicação do autarca no Facebook, o Papa Francisco agradeceu todas as ofertas, e ao contemplar o capote que lhe acabava de ser oferecido, disse que “con ese abrigo, puedo evangelizar en Pólo Norte, que non paso frio”.
Modificado em quinta, 31 janeiro 2019 02:27
Na Estrada Nacional 114 (EN114), que liga a A6 a Évora, junto a Montemor-o-Novo, há um sinal de trânsito nunca antes visto, pelo menos em Portugal.
 
Trata-se de um triângulo branco com as orlas vermelhas e o desenho de um sapo no interior, idêntico a muitos outros com animais. Indica, ainda, que o perigo se prolonga por 2,8 quilómetros.
 
Este sinal de trânsito, colocado um em cada lado da via em Julho de 2018, foi criado no âmbito do projecto Life Lines, coordenado pela Universidade de Évora e que integra outras entidades, de entre as quais as câmaras municipais de Évora e Montemor-o-Novo e a Infraestruturas de Portugal.
 
Naquela zona há charcos onde os anfíbios - sapos, rãs e salamandras - se reproduzem em grande quantidade, sendo os números da sinistralidade "preocupantes" para quem pretende proteger as espécies. Segundo o investigador António Mira, da Universidade de Évora, morrem em Portugal milhões de anfíbios, por ano, atropelados e esta zona do Alentejo "estava, há muito, identificada como um ponto negro de mortalidade".
 
O sinal que, segundo a lei, indica "a existência ou a possibilidade de aparecimento de condições particularmente perigosas para o trânsito, que imponham especial atenção e prudência do condutor", está colocado, mas não deveria, segundo a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), tudo porque não está homologado por aquele organismo, apesar de cumprir as regras estabelecidas pela Convenção de Viena e de fazerem parte de um conjunto de propostas para revisão do Código da Estrada. A última alteração dos sinais de trânsito aconteceu em 2011 e espera-se agora a aprovação em Conselho de Ministros do decreto que irá regulamentar, não só o sinal com o sapo, mas também o sinal idêntico com a representação de um lince-ibérico, existente na zona de Mértola, apresentado em 2014 como o mais recente sinal do país.
 
Mas o sinal de trânsito da EN114 já chegou ao Parlamento. O CDS-PP questionou o Governo, através do Ministro da Administração Interna (MAI), sobre a falta de homologação do referido sinal, e se a tutela está a par da colocação dos sinais de perigo com anfíbios na EN114.
 
Por outro lado, os parlamentares do CDS-PP pedem ao MAI que confirme se este sinal, como o de perigo com o lince-ibérico, fazem parte de um conjunto de propostas para revisão do Código da Estrada.
 
Os deputados centristas questionam ainda qual o motivo para a falta de homologação e para quando está prevista a revisão do Código da Estrada e a consequente regulamentação destes sinais.
Modificado em quarta, 23 janeiro 2019 12:29