terça, 25 junho 2019
Na próxima terça-feira, dia 16 de Junho, quando forem 18.30 horas, será assinado entre a Fundação Joana Vasconcelos (FJV) e a Universidade de Évora (UE), um protocolo que permitirá a atribuição de uma bolsa de estudo, denominada como “Bolsa Joana Vasconcelos”, a alunos das licenciaturas em Artes Visuais-Multimédia e em Design da Escola de Artes da Universidade de Évora.
 
O protocolo entre a universidade alentejana e a Fundação Joana Vasconcelos (FJV) tem por base a atribuição de uma bolsa anual a um estudante da UE.
 
A formalização do acordo decorrerá no âmbito da Cerimónia de Homenagem aos Mecenas do Fundo de Apoio Social aos Estudantes da UE (FASE-UE) 2014/15 e de Entrega de Diplomas relativos aos anos lectivos de 2013/14 e 2014/15, e que contará com a presença da reconhecida artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos.
 
Assente nos propósitos de promoção social, cultural e educativa, no próximo ano lectivo, a FJV atribuirá a “Bolsa Joana Vasconcelos” a estudantes da UE que frequentem cursos das Licenciaturas em Artes Visuais - Multimédia e em Design, da Escola de Artes. Será concedida por um ano lectivo, podendo os alunos recandidatar-se anualmente, sendo o valor da bolsa de 500 euros mensais.
 
No primeiro ano de existência desta bolsa, a mesma será atribuída a um aluno do 2º ano dos 1ºs ciclos em Artes Visuais – Multimédia e em Design. No segundo ano, são atribuídas duas bolsas, uma a um aluno do 2º ano e outra a um aluno do 3º ano. No terceiro ano e nos anos seguintes serão atribuídas três bolsas, uma a um aluno do 2º ano e as restantes a dois alunos do 3º ano das mesmas licenciaturas.
 
A Escola de Artes da Universidade de Évora, é constituída pelos departamentos de Arquitectura, de Artes Visuais e Design, de Artes Cénicas e de Música e disponibilizando uma oferta formativa abrangente e inovadora.
 
Joana Vasconcelos nasceu em Paris, em 1971, mas vive e trabalha em Lisboa. 
Após a sua participação na 51ª Exposição Internacional de Arte – la Biennale di Venezia, em 2005, o reconhecimento internacional do seu trabalho aumentou e neste momento é um nome conceituado no mundo das artes plásticas.
 
Conta já com muitas participações/exposições de relevo como o projecto Trafaria Praia, Pavilhão de Portugal na 55ª Exposição Internacional de Arte – la Biennale di Venezia (2013), a individual no Château de Versailles, em França (2012), a participação na colectiva “The World Belongs to You”, no Palazzo Grassi/François Pinault Foundation, em Veneza (2011), e a sua primeira retrospectiva, apresentada no Museu Colecção Berardo, em Lisboa (2010), bem como com muitas outras participações em exposições colectivas e individuais nos mais conceituados museus de arte moderna do mundo. É ainda alvo de referências em muitas revistas e livros da área.
 
A FJV atribui bolsas de estudo e de investigação ou subsídios a projectos e iniciativas no domínio das artes de modo a promover o apoio à educação pela arte. 
 
Modificado em segunda, 15 junho 2015 01:48
As palavras faltaram a quatro estudantes, todos com cerca de 20 anos, da Escola Profissional de Alter do Chão, quando depois de rasparem uma raspadinha “Super Pé de Meia”, viram que tinham sido contemplados com um prémio de 1500 euros por mês, durante os próximos seis anos, num total de 108 mil euros.
 
Vasco Passinhas, vendedor do jogo premiado no café “Forno dos Pelames”, em Alter do Chão, referiu ao “Correio da Manhã” que os jovens "até ficaram na dúvida e perguntaram-me várias vezes se tinham ganho esta quantia. Depois ficaram muito felizes".
 
Passinhas adiantou ainda que "para quem vende, é uma satisfação enorme, para mais quando são clientes e residentes no concelho".
 
Os quatro jovens vão agora dividir o prémio milionário, que se encontra ainda sujeito aos 20% de imposto de selo.
Modificado em sábado, 13 junho 2015 17:54
Abre no dia de hoje, 10 de Junho, o primeiro parque de campismo naturista do interior do país. Situado numa quinta de 10 hectares, no coração do Parque Natural da Serra de São Mamede, em Marvão, no Alto Alentejo, o parque é um projecto privado que assenta na "economia da felicidade".
 
Nuno Frade, um dos promotores, disse à Lusa que "não esperamos enriquecer com este projecto, mas apostamos num sítio onde existe qualidade de vida e que nos permite viver disso mesmo". Junto à Aldeia de Cabeçudos, o parque de campismo naturista está situado na Quinta do Maral.
 
"O trunfo que temos para apresentar é esta região de excelência, conhecida por ´Sintra do Alentejo`, com a vantagem de não ter por perto o Cacém ou Mem Martins", em Sintra, no distrito de Lisboa, ironizou o responsável. 
 
Em 2012, Nuno Frade acreditava que seria possível inaugurar o espaço no ano seguinte mas o prazo foi-se estendendo devido a questões burocráticas relacionados com a legislação. Os obstáculos "foram terríveis de ultrapassar", lamentou.
 
Suportados em 60% pelo Programa de Desenvolvimento Rural (ProDer), o projecto contou com um investimento de 100 mil euros. 
 
Para além do campismo naturista, o espaço disponibiliza diferentes serviços relacionados com o turismo de natureza, como passeios pedestres e programas de repouso e relaxamento, piscina e um espaço de convívio. Nuno Frade salientou que "com este projecto esperamos cativar visitantes portugueses e atingir o mercado estrangeiro, principalmente turistas oriundos da Holanda, Bélgica, Alemanha e França".
 
Para Vítor Frutuoso, o presidente da Câmara Municipal de Marvão, este novo parque é uma "mais-valia" para a região. O autarca salientou que "é positivo, porque aumenta a nossa diversidade da oferta. Os empreendedores são jovens, largaram o meio urbano para vir para o interior e apresentaram mais uma solução de desenvolvimento".
 
Considerando que esta é mais uma forma de Marvão "criar alternativas económicas" e dar continuidade à perspectiva de manter o concelho com "vida e sustentabilidade", o edil manifestou-se optimista quanto ao futuro do projecto.
 
No site do projecto, Nuno Frade e a mulher, Paula, explicam que se conheceram em Sintra, onde integraram o grupo de escuteiros e ganharam "o gosto pelo turismo de natureza e em particular pelo campismo". Ele formado em Ciência Política, ela em Turismo, ambos tinham o "sonho de fugir do reboliço da grande cidade", pelo que decidiram rumar à terra "com o pôr-do-sol mais bonito do mundo" para criar este projecto de naturismo.
 
A Quinta do Maral vai abrir portas nesta quarta-feira, em pleno feriado nacional, a tempo de celebrar o Dia Mundial do Naturismo, que se comemora a 28 de Junho. Segundo o site Portugal Naturista, até agora existia apenas um parque de campismo inteiramente naturista no país. No novo espaço de Marvão, a nudez é obrigatória (excepto para quem estiver a praticar nudismo pela primeira vez).
 
Em Portugal existem apenas sete praias oficiais para naturistas, todas no Sul (Almada e Sesimbra, costas alentejana e algarvia). Calcula-se que existam cerca de 10 mil praticantes de naturismo no país.
Modificado em quarta, 10 junho 2015 13:34
Tem uma vista única sobre os telhados da cidade de Évora e é considerada por muitos com uma das mais bonitas Pousadas da Juventude do País, mas no entanto está fechada desde 2003. Mas parece que esse “cenário” vai mudar muito em breve. Encerrada há cerca de 12 anos, a Pousada da Juventude de Évora prepara-se para reabrir as suas portas, e já no próximo mês de Julho.
 
Segundo notícia avançada ontem pelo “Público”, o edifício, com 33 quartos e 92 camas, bem no centro histórico da cidade património mundial, tem sofrido inúmeras obras de remodelação. O diário avançou ainda que o incumprimento dos prazos de conclusão da obra fizeram perigar os 1,1 milhões de euros de fundos comunitários, num total de 1,6 milhões de euros investidos nesta recuperação da Pousada da Juventude de Évora.
 
Uma auditoria interna feita no ano de 2013 revelou inúmeras irregularidades nos procedimentos que envolveram os dirigentes da pousada e a empresa que fez as obras de remodelação. Segundo declarações prestadas na altura à comunicação social pelo Secretário de Estado do Desporto e Juventude, Emídio Guerreiro, foram pagos à empresa que fez as obras 850 mil euros quando a obra que haviam executado valia 740 mil euros, o que acabou por forçar a suspensão da obra.
 
Com a abertura da Pousada torna-se necessária a contratação de trabalhadores, um processo que já se encontra a decorrer.
 
Modificado em terça, 09 junho 2015 01:16
O jornalista alentejano Gonçalo Ventura foi premiado pela Associação dos Jornalistas de Desporto na vertente de rádio, recebendo o Prémio Artur Agostinho.
 
Natural de Vila Viçosa, Gonçalo Ventura deu os primeiros passos na comunicação social na Rádio Campanário, onde chegou com apenas 13 anos, e posteriormente na Rádio Borba, de onde deu o “salto” para Antena 1. Pelo meio fica a passagem pela informação da Rádio Universidade.
 
O jornalista da Rádio e Televisão de Portugal vai receber o prémio CNID numa cerimónia prevista para a segunda quinzena de Junho.
 
Na sequência de um protocolo estabelecido entre a Universidade de Évora (UÉvora) e o Hospital do Espirito Santo, investigadores da universidade eborense e profissionais de saúde do hospital da cidade vão desenvolver, em conjunto, projectos de investigação.
 
Carlos Mateus Gomes, vogal do conselho de administração do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) disse à Lusa que a parceria vai permitir "potenciar sinergias na área da saúde entre duas das maiores instituições da região".
 
O mesmo responsável referiu que "o hospital tem as competências nas áreas técnicas e a universidade tem a estrutura de apoio e logística necessária para dar corpo aos projectos de investigação".
 
De acordo com o vogal do conselho de administração do hospital de Évora, foram apresentados cerca de 40 projectos por investigadores da UÉvora e por profissionais de saúde do HESE, que abrangem várias áreas.
 
"Não nos limitámos às áreas clínicas", realçou, indicando que os projectos em carteira estão ligados às "áreas clínicas, enfermagem, patologia e anatomia patológica", mas também à "informática, gestão documental e biblioteca".
 
Ainda segundo Carlos Mateus Gomes alguns projectos pressupõem uma candidatura ao Fundo para Investigação em Saúde, mas outros requerem apenas disponibilidade dos profissionais e investigadores.
 
"Vamos analisar os projetos e ver onde eles se tocam", porque "não podemos garantir que os 40 projetos sejam todos passíveis de ser integrados e apoiados", reconheceu o responsável.
 
Segundo a unidade hospitalar, o seu centro de investigação "ganha uma nova dinâmica" com esta parceria.
 
O centro, que funciona desde Dezembro, tem como objectivo coordenar e dinamizar as actividades de investigação científica e tecnológica do HESE, criando os instrumentos necessários ao desenvolvimento de projectos locais e ao estabelecimento de parcerias com outras entidades.
 
Modificado em quarta, 03 junho 2015 17:01
Na passada segunda-feira, dia 1 de Junho, mais de uma centena de telemóveis foram furtados, por desconhecidos, de um estabelecimento comercial em Montemor-o-Novo, disse à Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).
 
Ainda segundo a mesma fonte, os assaltantes entraram na loja através de arrombamento de uma porta, tendo furtado entre 100 a 150 telemóveis, cujo valor não está ainda apurado. 
 
A GNR, que está a investigar este furto, foi alertada para a ocorrência, cerca das 09.30 horas, tendo estado no local militares do Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial de Montemor-o-Novo.
 
Cinco anos após o fecho das últimas salas da cidade, e graças a um investimento de quase um milhão de euros, a exibição regular de cinema do circuito comercial vai voltar a ser uma realidade em Évora.
 
Segundo revelou à Lusa o vereador do município eborense, Eduardo Luciano, o projecto, cujo promotor é a empresa Algarcine, consiste na construção de um novo edifício, na periferia da cidade, com três salas de cinema.
 
"Foi dado o primeiro passo para voltarmos a ter cinema comercial em Évora", congratulou-se o autarca, referindo-se à decisão da câmara de atribuir um lote de terreno municipal à empresa, por cerca de 23 mil euros.
 
O negócio, assinalou, tem como contrapartidas ser o lote destinado exclusivamente à construção de salas de cinema, as alterações das redes de infraestruturas ficarem por conta do promotor e a possibilidade de se realizarem acções com os agrupamentos de escolas do concelho.
 
Por outro lado, segundo o vereador com o pelouro da cultura, os serviços municipais vão elaborar o anteprojecto de arquitectura para "garantir a qualidade urbanística da intervenção" e "agilizar prazos".
 
Não se querendo comprometer com datas para a entrada em funcionamento das salas de cinema, Eduardo Luciano previu que, "na melhor das hipóteses", os filmes podem começar a ser exibidos "no final deste ano".
 
À Lusa, o sócio-gerente da Algarcine, Carlos Matos, contou que, numa visita a Évora, apercebeu-se de que "fazia falta um cinema" na cidade, tendo proposto à câmara "a cedência de um terreno para a construção de um espaço com salas de cinema".
 
O responsável indicou que o projecto, num investimento de 850 mil euros, prevê a criação de três salas de cinema, duas com capacidade para cerca de uma centena de pessoas e outra com cerca de 200 lugares.
 
Carlos Matos desvendou que a ideia passa por "ter duas salas mais pequenas para filmes alternativos e apoio a cineclubes ou associações e ter uma sala maior, com tecnologia mais recente de cinema digital e uma ou duas estreias por semana".
 
A Algarcine possui quatro cinemas no Algarve e dois no Alentejo.
 
Évora "perdeu" a exibição regular de cinema comercial desde que viu fechar, em Março de 2009, as duas salas que funcionavam, há vários anos, no Centro Comercial Eborim, e em Setembro de 2010, a que operava como alternativa num auditório do centro histórico.
 
c/ LUSA
 
Modificado em terça, 02 junho 2015 01:20
Foi publicado ontem, dia 1 de Junho, em Diário da República, a autorização governamental para o investimento de 17 milhões de euros na nova ligação ferroviária entre Évora Norte e a fronteira com Espanha, em Elvas/Caia, a concluir até 2020.
 
De acordo com a portaria das secretarias de Estado do Orçamento e das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, a que a Lusa teve acesso, estão em causa cinco contratos de prestação de serviços, que incluem a coordenação técnica do projecto (3,6 milhões de euros), obras de arte e estruturas especiais (7,3 milhões de euros) e ligação à Linha do Leste (1,2 milhões de euros), entre outros.
 
O investimento global de 17 milhões de euros, a que acresce IVA, a realizar pela Rede Ferroviária Nacional (Refer), será repartido pelos seis anos de duração do projecto de execução da ligação ferroviária entre Évora Norte e Elvas/Caia, sendo que, este ano, está previsto um pagamento de cerca de 750 mil euros relativo aos cinco contratos.
 
O maior esforço financeiro deverá ser realizado em 2016 e 2017, com o pagamento de 13,7 milhões de euros nestes dois anos.
 
Na portaria que começa a produzir efeitos no dia de hoje, terça-feira, pode ler-se que "o montante fixado para cada ano económico pode ser acrescido do saldo que se apurar na execução orçamental do ano anterior".
 
Ainda segundo o mesmo documento, "os encargos financeiros resultantes" da execução do projecto "são satisfeitos por conta das verbas inscritas ou a inscrever no orçamento da Refer", que, desde ontem, integra a Infraestruturas de Portugal, por fusão com a Estradas de Portugal.
 
A nova linha ferroviária entre Évora e Elvas/Caia está prevista no Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas 3+, que contempla a ligação entre Sines, no litoral alentejano, e a fronteira com Espanha por ferrovia de mercadorias.
 
c/ LUSA
Modificado em terça, 02 junho 2015 00:44