sexta, 15 dezembro 2017

Tabaco oriundo da China apreendido em Moura

Escrito por sexta, 13 março 2015 17:51
A Unidade de Acção Fiscal da GNR, através do seu Destacamento de Évora, em coordenação com o Destacamento Territorial de Moura, pertencente ao Comando Territorial de Beja, detectou e apreendeu, hoje, sexta-feira, 13 de Março, no interior de um estabelecimento comercial da cidade de Moura, 306 maços de tabaco, originários da China, e que se destinavam para venda ao público.
 
A mercadoria, com um valor aproximado de 800 euros, não cumpria as obrigações legais de estampilhagem e selagem fixados pelo Decreto-Lei 73/2010 de 21 de Junho o que, por consequência, incorre na prática ilícita de não liquidação do Imposto Especial sobre o consumo, incidente sobre a mercadoria em questão.
 
c/ Linhas de Elvas
 

Melhor vinho branco do mundo é alentejano

Escrito por quinta, 12 março 2015 15:42
No concurso Vinalies Internationales 2015, que se realizou entre os dias 27 de Fevereiro e 2 de Março, em França, mais concretamente na cidade luz, Paris, o vinho português “Cortes de Cima Branco 2013” foi eleito o melhor vinho branco do mundo.
 
O vinho alentejano, produzido com uvas das castas Alvarinho (48%), Viognier (32%) e Sauvignon Blanc (20%), em vinhas da costa atlântica alentejana, conquistou o "Troféu Vinho Branco" atribuído pelo júri da competição. O “Cortes de Cima Branco 2013” obteve a maior pontuação entre os 3.500 vinhos de todo o mundo, de brancos a tintos e passando pelos espumantes, que estiveram a concurso.
 
De acordo com a Casa Agrícola Cortes de Cima, localizada na Vidigueira, responsável pela produção deste branco, trata-se de um "vinho gastronómico, com ricos sabores de fruta e uma boa acidez", conforme pode ler-se na respectiva nota de vindima.
 
Lançado em Novembro de 2014, num lote de 9.600 garrafas, o vinho "estagiou parcialmente seis meses em barricas de carvalho francês" e destaca-se pelos aromas exóticos a lima, citrinos e toranja, que lhe valeram, também, uma medalha de ouro no Vinalies Internationales 2015 e uma medalha de prata na competição Mundus Vini 2015.
 
O Vinalies Internationales, um dos mais prestigiados concursos internacionais do sector vitivinícola, premiou um total de 79 vinhos nacionais, tendo o júri da competição atribuido 25 medalhas de ouro e 54 medalhas de prata às produções nacionais, oriundas das regiões do Alentejo, Ribatejo, Sado, Douro, Beiras, Minho e Lisboa. O Alentejo foi galardoado com 25 medalhas, sendo 4 de ouro e 21 de prata.
 
Para além do já referido “Cortes de Cima Branco 2013”, da Casa Agrícola Cortes de Cima, os outros vinhos alentejanos galardoados com medalhas de ouro no concurso parisiense foram o “Pêra-Grave Reserva Tinto 2012”, da Pêra-Grave Sociedade Agrícola Unipessoal (Évora), o “Quinta do Quetzal Reserva Tinto 2011”, da Quinta do Quetzal (Vidigueira), e o “Visconde de Borba Reserva Tinto 2010”, da Marcolino Sebo Vinhos (Estremoz). 
 
O concurso é promovido, anualmente, pela União de Enólogos de França e tem como objectivo funcionar como um "vector de reconhecimento internacional nesta era de globalização e 'standardização', em que está a reduzir-se a variedade de expressão no mundo dos vinhos".
 
Com a eleição de cinco néctares no top 10 dos vinhos portugueses, o Alentejo mostrou a sua força na iniciativa promovida no âmbito do Essência do Vinho - Porto, certame que decorreu no Palácio da Bolsa, na cidade invicta, entre os dias 26 de Fevereiro e 1 de Março. Os resultados foram divulgados na noite da passada sexta-feira.
 
Douro, Dão, Península de Setúbal e Bairrada foram as restantes regiões premiadas.
 
O top 10 dos vinhos portugueses é constituído pelo vinho generoso que obteve a pontuação mais elevada, pelo vinho branco que igualmente mais se destacou e também pelos oito vinhos tintos que obtiveram melhor classificação.
 
No Salão Árabe do Palácio da Bolsa, um conceituado painel internacional de jurados provou e avaliou, em prova cega, um total de 56 vinhos portugueses - brancos, tintos e generosos -, pré-seleccionados pelo painel de provas da revista WINE.
 
O único “Master of Wine”, o principal título que um especialista em vinhos pode almejar, de língua portuguesa, o brasileiro Dirceu Vianna Júnior, a “Master of Wine” britânica Joanna Locke, o editor de vinhos da famosa revista francesa “Gault Millau”, Eric Riewer, e o mais experiente crítico de vinhos espanhol, José Peñín, fizeram parte do júri que contou ainda com elementos oriundos de outros países, como a Alemanha, a Suécia, a Dinamarca, a Polónia, e, claro, Portugal.
 
Este é o Top 10 dos vinhos portugueses:
1º vinho generoso - JMF Moscatel de Setúbal Superior 1911 - José Maria da Fonseca - Península de Setúbal
1º vinho branco - Quinta dos Carvalhais Branco Especial - Sogrape Vinhos - Dão
1º vinho tinto - Menino António Alicante Bouschet 2012 - Herdade da Malhadinha Nova -  Alentejo
2º vinho tinto - Malhadinha 2012 - Herdade da Malhadinha Nova - Alentejo
3º vinho tinto - Quinta Vale D. Maria Vinha do Rio 2012 - Lemos & Van Zeller - Douro
4º vinho tinto - Quinta do Ribeirinho Baga Pé Franco 2010 - Luís Pato - Bairrada
5º vinho tinto - Terrenus Reserva Vinhas Velhas 2011 - Rui Reguinga – Alentejo
6º vinho tinto - Procura 2012 - Susana Esteban - Alentejo
7º vinho tinto - Antónia Adelaide Ferreira 2010 - Sogrape Vinhos - Douro
8º vinho tinto - Dona Maria Reserva 2009 - Júlio Bastos – Alentejo
 
O crítico e jornalista da especialidade Rui Falcão, que também fez parte do júri, salientou que “a qualidade média dos vinhos apresentados para a eleição do top 10 tem vindo a aumentar”.
 
Os vinhos a concurso eram referentes, na maioria dos casos, aos anos de 2012 e 2013, anos que não foram propriamente muito justos para o sector. Falcão acrescentou que "nas colheitas mais difíceis é que se veem os bons produtores" e sublinhou como “marca de sucesso continuado” o facto de o evento ter "um número cada vez maior de vinhos presentes".
 
Na verdade, a 12.ª edição desta mostra dirigida ao consumidor registou um número recorde de marcas: mais de 350, o que resultou num total de produtos em prova livre acima dos três mil. 
 
A mostra é uma organização da empresa “Essência do Vinho”, em parceria com a Associação Comercial do Porto. No ano passado, a empresa produziu 26 eventos em 12 cidades portuguesas e levou a produção nacional a 34 cidades de nove países. Edita mensalmente a revista "Wine - A Essência do Vinho".
 
Um jovem de Portalegre, com 21 anos, desertou da Força Aérea Portuguesa e foi combater para a Síria. Mário Nunes partiu para o Curdistão e ingressou na YPG, uma milícia curda que luta contra o Presidente sírio Bashar al-Assad e contra o Estado Islâmico.
 
Segundo o Jornal de Notícias, o soldado da Base Aérea 11, sediada em Beja, é dado pela Força Aérea Portuguesa como em “situação de ausência ilegítima” desde o dia 14 de Fevereiro, tendo passado a ter o estatuto de desertor desde terça-feira, 24 de Fevereiro, depois de comunicada a situação à Policia Judiciária Militar.
 
A 10 de Fevereiro, Mário colocou na sua página na rede social Facebook, que ingressou na YPG - Unidades de Protecção Popular, tendo anexado algumas imagens de homens armados empunhando a bandeira amarela desta organização. Um dia depois, partilhando a página da YPG, denominada “The Lions of Rojava”, o jovem portalegrense lançava o apelo “Juntem-se na luta contra o estado islâmico”.
 
Ainda de acordo com o Jornal de Notícias, em 2014, Mário Nunes esteve na Turquia e no Iraque, de onde trouxe uma tatuagem num dos braços e que dizia “morte aos americanos”, escrita em árabe. Questionado por um colega acerca da mensagem, o jovem terá respondido que era para despistar.
 
Segundo um email enviado pela Força Aérea à redacção do Jornal de Notícias, “já foi instaurado um processo no sentido de apurar as circunstâncias da ocorrência”.
 
c/ TVI e Jornal de Notícias
Um acidente de trabalho ocorrido hoje, sexta-feira, dia 27 de Fevereiro, nas instalações da Universidade de Évora, provocou uma vítima mortal e dois feridos, um deles com gravidade. Segundo fonte dos Bombeiros Voluntários de Évora, o acidente ocorreu quando uma grua telescópica tombou, no momento em que os três operários procediam à poda de plátanos, numa operação de rotina.
 
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora referiu que o acidente de trabalho ocorreu, por volta das 10.45 horas, junto ao principal edifício da Universidade de Évora (UÉvora).
 
Contactada pela Lusa, fonte da academia alentejana precisou que o acidente aconteceu num espaço da instituição que está concessionado a uma empresa desportiva para a prática de padel, uma modalidade desportiva praticada com raquete.
 
A mesma fonte explicou que "estavam a decorrer operações de poda das árvores quando a grua telescópica tombou".
 
A vítima mortal, um homem de 53 anos, bem como o ferido grave, um homem de 32 anos, pertencem aos serviços técnicos da universidade eborense. O ferido ligeiro, de 27 anos, manobrador da grua, é funcionário da empresa que aluga a máquina para estes trabalhos de poda na universidade.
 
Fonte do Hospital do Espírito Santo de Évora, para onde foram transportadas as vítimas, referiu que o ferido grave "politraumatizado" está com "prognóstico reservado" e em "observação na urgência".
 
Prestaram socorro às vítimas, 10 bombeiros da corporação de Évora, apoiados por três veículos e a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) do Hospital do Espírito Santo de Évora, tendo estado no local o Comandante Municipal de Proteção Civil e elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP).
 
Na primeira reacção ao acidente, a reitora da UÉvora rejeita que a segurança no local não estivesse acautelada. "Teoricamente tínhamos um serviço de poda normal, cuja área estava concessionada com uma máquina que é alugada", disse Ana Costa Freitas.
 
A reitora diz ainda que estão a ser apuradas as causas mas que o caso vai ser reportado à "Inspecção-Geral da Educação e Ciência".
 
c/ LUSA e Rádio Renascença
 
Os médicos que "têm assumido" a chefia de equipa da Urgência do Hospital do Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém, recusaram continuar à frente do serviço, invocando "degradação das condições de trabalho".
 
Numa carta dirigida no dia de ontem, 26 de Fevereiro, quinta-feira, ao director clínico do hospital, a que a Lusa teve acesso, os médicos apontam "a degradação contínua das condições de trabalho no Serviço de Urgência, quer em termos de falta de material, quer em termos de falta de pessoal".
 
"Desconformidades sistemáticas da escala de urgência, nomeadamente do Atendimento Geral e do Atendimento Pediátrico", são também anomalias indicadas pelos clínicos, que consideram que "a degradação põe em risco a segurança dos doentes que recorrem ao Serviço de Urgência".
 
"Apesar de ter havido orientações da tutela para o reforço das equipas de urgência para o cumprimento do Plano de Inverno 2015, e de ter havido reuniões internas ao abrigo desse mesmo plano, não só não se verificou o reforço das equipas, como continuam a ser sistemáticas as desconformidades da escala de urgência, sendo frequente existir um só elemento escalado para o Atendimento Geral durante o dia e durante a noite", acusam.
 
Segundo os responsáveis, com a passagem da Unidade de Cuidados Paliativos para a Rede Nacional de Cuidados Continuados, vai reduzir-se a capacidade de internamento do HLA, que está integrado na Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), agravando a "capacidade de escoamento do Serviço de Urgência".
 
"O conselho de administração, no âmbito das suas competências, tomou decisões sobre a contratação externa de médicos para o Serviço de Urgência, sem ouvir ou levar em consideração a opinião dos responsáveis intermédios", afirmam.
 
Os clínicos defendem que tais decisões levaram às "desconformidades" nas escalas de urgência e acusam o conselho de administração da ULSLA de não se ter mostrado "realmente interessado em discutir a problemática".
 
Indicam ainda acções que levaram a cabo para chamar a atenção para o problema, como a elaboração de um documento no qual "definiram as condições mínimas de pessoal que consideravam necessárias para garantir a segurança e qualidade no atendimento aos doentes", que entregaram à administração no final de Novembro do ano passado.
 
Os clínicos referem que "têm assumido" a chefia de equipa, "porque muitos deles nunca foram nomeados", "delegando" agora essa responsabilidade no director clínico, Mário Moreira, ao qual compete a responsabilidade da escala do atendimento da Urgência, uma vez que não existe um director neste serviço.
 
A Lusa contactou a administração da ULSLA, mas não obteve uma reação até ao início da noite do dia de ontem.
 
c/ LUSA
 
A Câmara Municipal de Avis informa que se encontra a decorrer, até ao próximo dia 9 de Abril, as inscrições para os artesãos e mercadores que pretendam participar na Feira Medieval de Avis 2015, que se realiza na vila alentejana do distrito de Portalegre, entre os dias 8 e 10 de Maio.
 
A Feira Medieval de Avis realiza-se desde 2003, tendo nos últimos anos vindo a afirmar-se como um evento estratégico na programação e atuação sociocultural do Município de Avis. A ligação de Avis à Ordem de São Bento de Avis e à Dinastia Joanina ou Dinastia de Avis fazem deste evento uma marca no panorama cultural nacional. 
 
A recreação histórica levada a efeito pretende retratar o ambiente vivido no período medieval.
 
Segundo a autarquia, a Feira Medieval de Avis tem como principal objectivo “promover o conhecimento e o reconhecimento da História e da Cultura local e do país de um modo empreendedor e facilitador para a circulação de novos produtos, nomeadamente produtos culturais”. O Município de Avis pretende ainda “envolver a população local na recriação do ambiente histórico vivido como factor de enriquecimento do próprio evento; promover e valorizar o património; fomentar o conhecimento sobre a Ordem Militar de Avis e de outras Ordens nacionais e internacionais; desenvolver o conhecimento sobre o património cultural e arquitetónico; fomentar a criação artística; desenvolver a comercialização de novos produtos e desenvolver uma rede de parcerias onde estejam presentes agentes públicos e privados de nível local, regional, nacional e internacional”.
 
O Município de Évora, representado pelo Presidente Carlos Pinto de Sá, assinou no passado dia 23 de Fevereiro, segunda-feira, mais um Acordo Coletivo de Entidade Empregadora Pública (ACEEP), desta vez com o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA), representado por Margarida Machado e por uma dirigente regional.
 
O autarca explicou que este “é mais um acordo de entidade empregadora pública que a Câmara de Évora assina com um sindicato e que pretende garantir o horário das 35 horas para os trabalhadores do Município”, esclarecendo que a autarquia já assinou também este acordo com o STAL e estão em curso negociações com outros sindicatos.
 
Carlos Pinto de Sá recordou ainda que tal acordo “tem sido recusado pelo Governo que pretende interferir na negociação”, no entanto a posição do Município eborense é de que “a autonomia dos municípios permite definir o horário de trabalho”, existindo inclusive um acórdão do Tribunal Constitucional sobre esta matéria, pelo que irão prosseguir com estas assinaturas.
 
O Presidente considerou ainda que “estamos hoje a confirmar a nossa vontade de respeitar os direitos dos trabalhadores, em particular o horário de trabalho, e também por outro lado garantir que os deveres dos trabalhadores são também paralelamente confirmados, daí a assinatura que fizemos com representantes deste sindicato que muito nos agrada e orgulha”.
 
No âmbito da promoção das diversas potencialidades turísticas do Alentejo, de 25 de Fevereiro a 1 de Março, o Município de Redondo volta a estar presente na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), este ano subordinada ao tema “O Melhor de Dois Mundos – Ponto de Encontro. Ponto de Partida”.
 
A participação do Município de Redondo neste certame coloca o enfoque na próxima edição das "Ruas Floridas", que decorrem de 1 a 9 de Agosto, alavancando assim a promoção turística do evento e permitindo aos visitantes a possibilidade de acompanhar de perto a arte de trabalhar o papel com demonstrações diárias de artesãos, “levantando um pouco o véu” da edição que se aproxima a passos largos.
 
Na vertente económica, e em colaboração com todos os agentes locais, o Município aproveita para divulgar e promover as potencialidades do concelho. No Sábado, dia 28, irá decorrer uma mostra de produtos e prova de vinhos acompanhada de "Cante Alentejano" com a participação do "Grupo Coral dos Trabalhadores de Montoito".
 

Mais Populares