quarta, 19 janeiro 2022

Mourão vai ter Universidade Sénior

quarta, 12 janeiro 2022 18:17

De forma a “combater o isolamento e exclusão social e promover a confraternização e o envelhecimento activo” dos seus munícipes com mais de 50 anos, o Município de Mourão vai criar a “Universidade Sénior Cristóvão de Mendonça”, que segundo a autarquia liderada pelo social-democrata João Filipe Fortes, tem como principal objectivo, “através de um ensino informal, proporcionar aos seniores do concelho actividades culturais, desportivas, recreativas e de lazer com vista à aprendizagem e formação ao longo da vida”.
 
Em nota de imprensa enviada às redacções, a edilidade mouranense refere que o regulamento para criação da Universidade Sénior Cristóvão Mendonça “foi aprovado” na reunião de Câmara do passado dia 10 de Janeiro.
 
Ainda segundo a mesma nota, o nome da instituição “é uma homenagem ao navegador português, e natural de Mourão, Cristóvão de Mendonça”. A missiva termina referindo que a Universidade Sénior Cristóvão Mendonça “pretende realizar um conjunto de actividades de formação social, pessoal e cultural tendo como propósito a divulgação das tradições e dos elementos científicos e recreativos do concelho”.
Modificado em quarta, 12 janeiro 2022 20:08

Devido ao PSVA, Programa de Sustentabilidade dos Vinhos, o Alentejo foi um dos 52 destinos mundiais escolhidos pelo The New York Times, que deve ser visitado por todos aqueles que querem contribuir para “um planeta mais sustentável”.
 
Em comunicado enviado às redacções nesta terça-feira, a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) referiu que a região foi destacada pelo jornal norte-americano como um dos “52 destinos a visitar por viajantes que queiram ser parte da solução para problemas como as alterações climáticas”.
 
A Comissão Vitivinícola adiantou que “a implementação, na região, do Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo (PSVA) motivou a distinção na sétima posição na lista publicada” pela publicação norte-americana.
 
Denominado “52 places for a changed world”, o artigo assinala as medidas do PSVA para a protecção da biodiversidade, redução de cerca de 20% no consumo de água nas adegas e diminuição do rácio litro de água consumido por litro de vinho produzido.
 
A criação de uma ferramenta que possibilita que os membros do PSVA calculem a sua pegada hídrica e de carbono ou a criação do selo de certificação de produção sustentável foram outras das razões elencadas para justificar a distinção, acrescentou a CVRA.
 
Criado em 2015 por esta comissão vitivinícola, o PSVA conta, actualmente, com 483 membros associados, que representam quase 11 mil hectares de vinha e 76 milhões de litros de vinho produzido.
 
Para Francisco Mateus, Presidente da CVRA, esta distinção é motivo de orgulho e “é mais uma prova” de que o programa de sustentabilidade colocou os Vinhos do Alentejonas bocas do mundo” e os transportou “além-fronteiras”.
 
O PSVA “está a fazer uma diferença assinalável na região, mas também na mudança de mentalidades em todo o país, estando ao nível das mais importantes iniciativas mundiais de produção sustentável”, sublinhou o responsável.
 
A CVRA foi criada em 1989 e é responsável pela protecção e defesa da Denominação de Origem Controlada (DOC) Alentejo e da Indicação Geográfica Alentejano, certificação e controlo da origem e qualidade, promoção e fomento da sustentabilidade.
 
O Alentejo é líder nacional em vinhos certificados, com cerca de 40% de valor total das vendas num universo de 14 regiões vitivinícolas em Portugal.
 
Com uma área de vinha de 22,9 mil de hectares, 30% da sua produção tem como destino a exportação para cinco destinos principais, designadamente Brasil, Angola, Estados Unidos da América, Polónia e China.
 
c/ LUSA
Modificado em quarta, 12 janeiro 2022 03:09

CCDR Alentejo acolhe Centro Qualifica AP

segunda, 10 janeiro 2022 15:54

Como resposta às necessidades de formação dos trabalhadores que exercem funções públicas na administração central e local e com o objectivo de contribuir para o reforço da qualificação profissional, para a eficiência e eficácia dos serviços a prestar aos cidadãos e às empresas, o Governo criou, através do despacho n.º 12126/2021 de 14 de Dezembro, na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR Alentejo), à semelhança das restantes CCDR, um Centro Qualifica AP.
 
 
Este Centro Qualifica AP integra-se no Programa Qualifica AP, aprovado pela resolução do Conselho de Ministros nº 32/2019 de 14 de Fevereiro, é um projecto financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência, Investimento TD-C19-i07 da sua componente 19 - capacitação da AP - formação de trabalhadores e gestão do futuro - prevê 16,7 milhões de euros para o seu desenvolvimento, a ser implementado pelo Instituto Nacional de Administração, I.P., (INA, I.P) enquanto entidade coordenadora da formação profissional na Administração Pública, que actuará como beneficiário intermediário e tem como objectivo aumentar o nível de qualificação de 25500 trabalhadores da administração pública, até ao final do 1.º trimestre de 2026.
 
Durante o primeiro trimestre de 2022, com a celebração de um contrato de financiamento entre a CCDR e o INA, I.P., este centro promoverá uma resposta desconcentrada e regionalizada aos trabalhadores que necessitem e queiram aumentar o seu nível de qualificação, melhorar e aprofundar competências profissionais, beneficiando também os objectivos de política pública para a promoção da competitividade social e económica da região.
 
O Centro Qualifica AP da CCDR Alentejo é assim um contributo relevante para a capacitação dos serviços da administração pública central e local existentes no território, por via da valorização dos seus recursos humanos, com o objectivo de responder aos desafios da desburocratização e digitalização, empreendendo processos de transformação e inovação nestes serviços.
Modificado em segunda, 10 janeiro 2022 16:31

Camilo Mortágua, pai das gémeas e deputadas do Bloco de Esquerda (BE), Joana e Mariana Mortágua, já foi encontrado, bem de saúde, num hotel em Castelo Branco.
 
Natural de Oliveira de Azeméis, e a viver em Alvito, no distrito de Beja, há quase quatro décadas, Camilo Mortágua tinha sido dado como desaparecido na manhã do dia de ontem, domingo.
 
No Twitter, Joana Mortágua já confirmou o aparecimento do pai. "Pessoal. Obrigada por tudo. Estamos bem e orientadas, passou o susto. Pai em casa", escreveu a deputada.
 
De recordar que no dia de ontem, tanto a Guarda Nacional Republicana (GNR) como os Bombeiros Voluntários de Alvito estiveram a realizar buscas em diversas localidades do distrito de Beja e também na zona do Fundão.
 
Segundo o Oficial de Relações Públicas do Comando Territorial de Beja da GNR, Capitão Nuno Afonso, "o alerta” do desaparecimento “foi dado pela mulher" de Camilo Mortágua, depois de saber que o marido não chegara ao destino e de ao tentar contactá-lo por telemóvel, este estar desligado.
 
Depois do alerta, a GNR fez buscas nas redondezas de Alvito e nas estradas de acesso e nas localidades de Cuba, Beja e Ferreira do Alentejo e também no Fundão.
 
À GNR chegou uma denúncia de que o carro de Camilo Mortágua, de 87 anos, estava abandonado no Fundão, mas feitas as diligências necessárias comprovou-se que a viatura não era a procurada.
 
Joana Mortágua participava numa acção de campanha do BE, em Ferreira do Alentejo, com a Coordenadora do partido Catarina Martins, quando soube do desaparecimento do pai, tendo-se deslocado em seguida para casa da mãe, a cerca de 30 quilómetros.
 
Camilo Mortágua nasceu em Oliveira de Azeméis, a 29 de Janeiro de 1934, e há quase quatro décadas que vive em Alvito, vila do distrito de Beja, onde nasceram as duas filhas Joana e Mariana.
 
Em 1961, o antifascista português ficou célebre pela participação no desvio do paquete “Santa Maria”, que viajava para Miami com mais de 300 tripulantes, e no desvio de um avião da TAP, distribuindo mais de 10 mil panfletos subversivos contra o regime de Salazar, sobre as cidades de Lisboa, Setúbal, Barreiro, Beja e Faro. Em 1967, e na companhia de mais três camaradas, assaltou a filial do Banco de Portugal, na Figueira da Foz.
 
Já depois da queda do regime fascista em Portugal, motivada pela Revolução de Abril, Mortágua participou, em Abril de 1975 na ocupação da Herdade da Torre Bela, localizada em Azambuja, a maior área murada em Portugal, com 1700 hectares, propriedade do Duque de Lafões.
 
No dia 10 de Junho de 2005, o Presidente da República Jorge Sampaio atribuiu a Camilo Mortágua a condecoração de Grande Oficial da Ordem da Liberdade.
 
c/ JN e Teixeira Correia
Modificado em segunda, 10 janeiro 2022 12:34

Depois das Dioceses do Algarve e de Beja, os símbolos da Jornada Mundial da Juventude – a Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – percorrem durante o mês de Janeiro, em peregrinação para serem anunciadores do Evangelho e acompanharem os jovens, de forma especial, nas realidades em que vivem, a Arquidiocese de Évora e as suas 29 paróquias.
 
Como forma de acolhimento e de modo a mobilizar os jovens para a participação no evento que vai decorrer pela primeira vez em Portugal, os símbolos da JMJ irão percorrer a vila de Sousel, no próximo dia 14 de Janeiro, sexta-feira.
 
Pelas 08:00 horas, terá lugar a recolha dos símbolos JMJ, em Veiros, e às 09:30 horas, acontecerá uma paragem dos símbolos em São Bento do Cortiço. A Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani chegarão a Sousel, cerca das 11 horas, sendo feito um percurso pelas ruas da vila (Bombeiros, Escola e Lares), estando previsto que às 12:30 horas, os símbolos estejam em exposição no Jardim Municipal, onde existirão várias actividades.
 
Durante a tarde, pelas 17:30 horas, acontecerá uma Procissão de Velas, que terminará com a Missa do Dia, estando o Terço JMJ agendado para as 18:30 horas. À noite, pelas 21 horas, realizar-se-á a Vigília na Igreja Matriz.
 
A Jornada Mundial da Juventude realiza-se em Lisboa, entre os dias 01 e 06 de Agosto de 2023, onde jovens dos quatro cantos do mundo vão encontrar-se com o Papa Francisco.
 
OS SÍMBOLOS DA JMJ
A Jornada Mundial da Juventude conta com dois símbolos que a acompanham e representam: a Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani. Nos meses que antecedem cada JMJ, os símbolos partem em peregrinação para serem anunciadores do Evangelho e acompanharem os jovens, de forma especial, nas realidades em que vivem.
 
A recepção e o acolhimento dos símbolos têm dado muitos frutos um pouco por todo o mundo. Em África, estes dois símbolos instaram os jovens a converterem-se numa geração não-violenta, encabeçaram várias marchas pela paz e foram tocados por milhares, que os saudaram também com os trajes típicos dos seus países. Ajudaram ainda a levar reconciliação onde havia tensão, como em Timor-Leste.
 
A CRUZ PEREGRINA
Com 3,8 metros de altura, a Cruz Peregrina, construída a propósito do Ano Santo, em 1983, foi confiada por João Paulo II aos jovens no Domingo de Ramos do ano seguinte, para que fosse levada por todo o mundo. Desde aí, a Cruz Peregrina, feita em madeira, iniciou uma peregrinação que já a levou aos cinco continentes e a quase 90 países. Tem sido encarada como um verdadeiro sinal de fé.
 
Foi transportada a pé, de barco e até por meios pouco comuns como trenós, gruas ou tratores. Passou pela selva, visitou igrejas, centros de detenção juvenis, prisões, escolas, universidades, hospitais, monumentos e centros comerciais. No percurso enfrentou muitos obstáculos: desde greves aéreas a dificuldades de transporte, como a impossibilidade de viajar por não caber em nenhum dos aviões disponíveis.
 
Tem-se afirmado como um sinal de esperança em locais particularmente sensíveis. Em 1985, esteve em Praga, na actual República Checa, na altura em que a Europa estava dividida pela cortina de ferro, e foi aí sinal de comunhão com o Papa. Pouco depois do 11 de Setembro de 2001, viajou até ao Ground Zero, em Nova Iorque, onde ocorreram os ataques terroristas que vitimaram quase 3000 pessoas. Passou também pelo Ruanda, em 2006, depois de o país ter sido assolado pela guerra civil.
 
O ÍCONE DE NOSSA SENHORA SALUS POPULI ROMANI
Desde 2000 que a Cruz Peregrina conta com a companhia do ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani, que retrata a Virgem Maria com o Menino nos braços. Este ícone foi introduzido ainda pelo Papa João Paulo II como símbolo da presença de Maria junto dos jovens. Com 1,20 metros de altura e 80 centímetros de largura, o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani está associado a uma das mais populares devoções marianas em Itália. É antiga a tradição de o levar em procissão pelas ruas de Roma, para afastar perigos e desgraças ou pôr fim a pestes. O ícone original encontra-se na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, e é visitado pelo Papa Francisco que ali reza e deixa um ramo de flores, antes e depois de cada viagem apostólica.
Modificado em segunda, 10 janeiro 2022 13:15

Camilo Mortágua, pai das gémeas e deputadas do Bloco de Esquerda (BE), Joana e Mariana Mortágua, está dado como desaparecido desde a manhã deste domingo, 9 de Janeiro, em Alvito, no distrito de Beja.
 
Segundo a informação que foi avançada pelo Jornal de Notícias (JN), tanto a Guarda Nacional Republicana (GNR) como os Bombeiros Voluntários de Alvito já estiveram a realizar buscas em diversas localidades do distrito de Beja e também na zona do Fundão, mas até à data não há vestígios nem do desaparecido nem da viatura em que circulava.
 
Segundo o Oficial de Relações Públicas do Comando Territorial de Beja da GNR, Capitão Nuno Afonso, "o alerta” do desaparecimento “foi dado pela mulher" de Camilo Mortágua, depois de saber que o marido não chegara ao destino e de ao tentar contactá-lo por telemóvel, este estar desligado.
 
Depois do alerta, a GNR fez buscas nas redondezas de Alvito e nas estradas de acesso e nas localidades de Cuba, Beja e Ferreira do Alentejo e também no Fundão, mas até ao momento sem quaisquer resultados. Uma equipa do Destacamento de Trânsito está a fazer o percurso entre Alvito e o Fundão, no sentido de conseguir localizar o desaparecido e a viatura.
 
À GNR chegou uma denúncia de que o carro de Camilo Mortágua, de 87 anos, estava abandonado no Fundão, mas feitas as diligências necessárias comprovou-se que a viatura não era a procurada.
 
Joana Mortágua participava numa acção de campanha do BE, em Ferreira do Alentejo, com a Coordenadora do partido Catarina Martins, quando soube do desaparecimento do pai, tendo-se deslocado em seguida para casa da mãe, a cerca de 30 quilómetros.
 
Camilo Mortágua nasceu em Oliveira de Azeméis, a 29 de Janeiro de 1934, e há quase quatro décadas que vive em Alvito, vila do distrito de Beja, onde nasceram as duas filhas Joana e Mariana.
 
Em 1961, o antifascista português ficou célebre pela participação no desvio do paquete “Santa Maria”, que viajava para Miami com mais de 300 tripulantes, e no desvio de um avião da TAP, distribuindo mais de 10 mil panfletos subversivos contra o regime de Salazar, sobre as cidades de Lisboa, Setúbal, Barreiro, Beja e Faro. Em 1967, e na companhia de mais três camaradas, assaltou a filial do Banco de Portugal, na Figueira da Foz.
 
Já depois da queda do regime fascista em Portugal, motivada pela Revolução de Abril, Mortágua participou, em Abril de 1975 na ocupação da Herdade da Torre Bela, localizada em Azambuja, a maior área murada em Portugal, com 1700 hectares, propriedade do Duque de Lafões.
 
No dia 10 de Junho de 2005, o Presidente da República Jorge Sampaio atribuiu a Camilo Mortágua a condecoração de Grande Oficial da Ordem da Liberdade.
 
c/ JN e Teixeira Correia
Modificado em segunda, 10 janeiro 2022 00:11

De forma a sensibilizar para uma maior e melhor reciclagem, e em parceria com a Delta Cafés, a Sociedade Ponto Verde (SPV) lançou uma colecção de pacotes de açúcar que conta com o influenciador Gervásio como principal protagonista.
 
O ano de 2022 começa com o incontornável e icónico Gervásio, a mascote da SPV, presente nas pausas para café de milhares de consumidores nacionais. São mais de quatro milhões de pacotes de açúcar Delta, de cor azul, amarela e verde, tal como os ecopontos, distribuídos por todo o território nacional com mensagens de sensibilização para as boas práticas de reciclagem.
 
No total são vinte as versões diferentes com mensagens que reforçam a importância da separação de resíduos, do esclarecimento de dúvidas e mitos associados à reciclagem de embalagens, e até à apresentação de formas de reciclar melhor.
 
Uau! A reciclagem fica-lhe bem” e “No ecoponto azul não se deve colocar papel e cartão com sujidade ou gordura”, são algumas das frases que pode ler na sua pausa do café.
 
 “A reciclagem é um trabalho contínuo e a sensibilização do consumidor para o papel essencial que tem neste processo também. Sendo esta a missão da SPV procuramos diversificar os canais de comunicação para chegar a mais pessoas e a públicos diversos. A parceria com a Delta Cafés tem provado ser eficaz e, por isso, voltamos a fazer a aposta naquela que é já a quarta colecção destes pacotes temáticos dedicados à reciclagem”, refere Ana Isabel Trigo Morais, CEO da SPV.
 
Trazer o Gervásio para esta campanha foi inevitável, depois de 2021 ter ficado marcado pelo regresso desta personagem tão querida à vida da SPV e dos portugueses, também ele reciclado”, conclui a CEO da Sociedade Ponto Verde.
 
 “A sustentabilidade está no nosso ADN, e queremos continuar a fazer a diferença através da partilha e da promoção de boas práticas ambientais. Esta iniciativa pretende sensibilizar de forma lúdica para a importância de reciclar, pedindo o envolvimento de todos de forma a contribuirmos para um mundo melhor e mais sustentável”, sublinha Rui Miguel Nabeiro, CEO do Grupo NabeiroDelta Cafés.
Modificado em sábado, 08 janeiro 2022 00:05

Já se encontra aberto o processo de candidaturas para o cargo de Reitor da Universidade de Évora (), cujas eleições decorrem no próximo dia 31 de Março.
 
E até ao momento, são dois os professores da universidade alentejana que já anunciaram a intenção de concorrer ao cargo.
 
José Bravo Nico, actual professor do Departamento de Pedagogia e Educação da UÉ, confirmou à agência Lusa que pretende candidatar-se ao cargo.
 
Também em declarações à Lusa, António Candeias, professor do Departamento de Química e Bioquímica da academia, revelou que pretende concorrer ao lugar, tendo apresentado, na passada segunda-feira, a demissão como vice-reitor.
 
De acordo com a academia alentejana, o processo de candidaturas termina no dia 2 de Fevereiro, às 17:30 horas.
 
Segundo a UÉ, o reitor é eleito pelo Conselho Geral da universidade para um mandato de quatro anos.
 
O Reitor deve ser uma personalidade de reconhecido mérito e experiência profissional relevante e possuir uma visão estratégica adequada à prossecução da missão e dos objectivos da Universidade, estatutariamente definidos”, adianta ainda a UÉ.
 
As candidaturas ao cargo estão abertas a todos os professores ou investigadores doutorados, nacionais ou estrangeiros, de qualquer instituição de ensino universitário ou de investigação e que se encontrem em exercício efetivo de funções.
 
De acordo com o calendário eleitoral, o anúncio das candidaturas admitidas está marcado para o dia 02 de Março.
 
Já a audição pública dos candidatos, para que possam expor o respectivo programa de acção, realiza-se entre os dias 24 e 30 de Março.
 
A cerimónia de tomada de posse do novo reitor da Universidade de Évora está prevista para 9 de Maio.
 
De referir que Ana Costa Freitas, a actual Reitora da UÉ, que cumpre o seu segundo mandato, está impedida de se recandidatar ao cargo, devido à limitação de mandatos. Professora do Departamento de Fitotecnia da UÉ, desde 2002, Ana Maria Ferreira Silva Costa Freitas, de 67 anos, é reitora da academia alentejana desde Maio de 2014.
 
c/ LUSA
Modificado em quinta, 06 janeiro 2022 11:09

A Junta de Freguesia de Vila de Frades aprovou, em reunião do Executivo da junta, a fase I do projecto de recuperação da Capela de São Brás, localizada naquela freguesia do concelho de Vidigueira.
 
Numa parceria com a Paróquia de São Cucufate, esta primeira fase, cujos trabalhos têm início previsto entre Fevereiro e Março, contempla a lavagem de todo o exterior e telhado, aplicação de algerozes, pintura exterior, reparação de madeiras e ferros e iluminação da fachada principal.
 
Recorde-se que esta capela é exemplar de excelência devido aos seus frescos, estando assinalada na "Rota do Fresco do Alentejo".
 
Neste edifício, além de espaço de culto, já funcionaram a Casa Mortuária e a Junta de Freguesia.
 
 
 
Modificado em quarta, 05 janeiro 2022 12:28