domingo, 21 outubro 2018

Falhas graves existentes na Unidade Operacional de Évora da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE)

Escrito por  Publicado em António Costa da Silva terça, 20 março 2018 10:45
No âmbito da audição ao Senhor Presidente da Associação Sindical dos Funcionários da ASAE na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, foram proferidas um conjunto de afirmações extremamente graves.
 
Algumas dessas afirmações referem-se a falhas graves existentes na Unidade Operacional de Évora. Os exemplos apresentados estão relacionados com a existência de problemas muito graves com praticamente todas as viaturas da Unidade Operacional de Évora.
 
Apresentam-se as referidas declarações:
“Évora tem nove veículos. 1) Tem 1 Seat Ibiza de 99, com 327 mil Km: está avariado com um orçamento de reparação de € 3380,00; 2) tem 1 Renault Clio de 2004, com 420 mil Km: aguarda revisão e por razões de segurança está inoperacional, está parado; 3) tem 1 Nissan Almera de 1997 com 462 mil Km: está inoperacional, por questões de segurança está parado; 4) tem 1 Punto de 1995 com 253 mil Km: diz-se que foi afeto a Évora em julho do ano passado. Nunca chegou lá, avariou pelo caminho e está parado; 5) tem 1 Punto de 2000 com 356 mil Km: perde óleo, ainda circula, mas vai ser imobilizado para reparação a breve prazo. O orçamento será de € 2322,00; 6) tem 1 Land Rover de 93 com 303 mil Km: circula com anomalias, tem a carroçaria oxidada e corroída e eventualmente vai ser reparado antes de ir à inspeção porque não passaria; 7) tem 1 Peugeot 406 de 1997 com 351 mil Km: tem uma avaria no motor e um orçamento de € 3258,00; 8) tem um Peugeot 208 com 80 mil Km: este parece que é bom, mas o contrato termina já em finais de março. Ainda faz parte de um contrato que está em vigor; 9) e deste 15 de fevereiro, e perante o desespero, aquela unidade foi reforçada com um Fiat Punto de 97 com 316 mil Km.
Portanto tem 4 viaturas, apenas uma delas pode-se dizer que está em condições, tem ar condicionado. Estamos a falar do Alentejo. Cada Inspetor faz em média acima de 100 km diários. São veículos sem ar condicionado e eles estão sujeitos a temperaturas na ordem dos 35/40 graus”
 
A informação que nos foi transmitida é extremamente grave. Infelizmente, a situação relatada não é caso único, passa-se em todo o País.
 
É nessa perspetiva que um conjunto de deputados do PSD entenderam procurar obter esclarecimentos do Governo sobre esta matéria.
 
* Deputado António Costa da Silva

Deixe um comentário