segunda, 23 outubro 2017

No meu Encontro com Freud, falei de solidão...

Escrito por  Publicado em Helena Chouriço quinta, 23 março 2017 18:06
Hoje o tema foi-me proposto…
 
Muitas vezes pensamos em vários temas e situações sobre as quais gostaríamos de dar o nosso contributo, aparentemente mais fácil para quem escreve, no entanto, o desafio hoje é escrever sobre um tema que me foi proposto depois de o solicitar e que veio através de “solidão, é uma coisa que me assusta, escreva sobre a solidão...” 
 
Aceitei…
 
Quando imaginamos a solidão mentalmente, enquanto imagem, cada um de nós possivelmente atribui-lhe uma cor ou um rosto, ou um momento ou vamos buscar ao mais íntimo de nós, quando foi a primeira e última vez que nos sentimos sós. Sim, solidão é sentirmo-nos sós ou estarmos sós?
 
Provavelmente, diríamos todos, que o facto de estarmos sós não significa sentirmo-nos sós, tal como quando estamos acompanhados não significa que não sentimos uma profunda solidão. O sentir é tão diferente do estar! Ou são dois impostores que convivem muitas vezes em sintonia. Impostores porquê? Porque muitas vezes nos disfarçamos e utilizamos máscaras para esconder o que sentimos (quando me sinto só, não digo, porque não quero que sofras por mim, mas quero-te comigo para não estar tão só e talvez até consigas que não me sinta tão só, mesmo sem te dares conta).
 

A solidão vem quando o que digo não corresponde ao que sinto, quando me deixo parecer e não ser. A solidão, esta de que vos falo hoje, é aquela solidão que nos habituou a ser companhia, é aquela solidão visceral que consome a alma, é aquela solidão que não se exprime mas também não se suporta. Solidão o maior dos medos, o não ter com quem partilhar até o silêncio.

Serão então duas faces de uma mesma moeda, gostamos de estar sós quando nos sentimos confortáveis, ouvindo música, lendo um livro, um jornal, olhando a televisão, escutando rádio, escrevendo, pensando … mas então aí já não estamos sós, a nossa mente está a absorver uma série de informação, interagimos através do que pensamos sobre os assuntos, pensamos para nós mesmos como reagiríamos a isto ou áquilo, então continuaremos a estar sós? 
 
E quando efetivamente e no meio da multidão, muita ou pouca não importa, nos sentimos sós, existe um vazio entre o que somos naquele momento e tudo o que nos rodeia, há um muro entre o que somos e o que os outros representam para nós, há um deserto de dentro para fora, preenchido tantas vezes com conversas circunstanciais ou sorrisos de simpatia e enquanto isso, o vazio aumenta como aumenta o sentimento de solidão, o medo, a fragilidade, a angústia e tantos mais…que nos impedem de agir… as fraquezas não se revelam, dos fracos não reza a história e tantos clichés mais nos tornaram prisioneiros de nós próprios, a solidão vem quando eu não sou capaz de me partilhar e de me permitir dizer “eu hoje sinto-me só”.
 
A solidão vem quando o que digo não corresponde ao que sinto, quando me deixo parecer e não ser. A solidão, esta de que vos falo hoje, é aquela solidão que nos habituou a ser companhia, é aquela solidão visceral que consome a alma, é aquela solidão que não se exprime mas também não se suporta. Solidão o maior dos medos, o não ter com quem partilhar até o silêncio. 
 
Então aprendamos a estar connosco mesmos, seremos para nós a primeira descoberta, o que somos e como nos sentimos, não podemos mais adiar, permitamo-nos sentir as coisas comos elas se nos apresentam, permitamo-nos tempo para as aceitar e permitamo-nos espaços para partilhar.
 
Um dia a solidão pode chegar mas com ela quero ter uma vida inteira para contar… então não me sentirei Só!
 
* Psicóloga Helena Chouriço

Deixe um comentário

Mais Populares