sexta, 18 agosto 2017

Cuidar

Escrito por  Publicado em Luís Parente terça, 07 março 2017 02:38
Já não é a primeira vez que trago o assunto da terceira idade ao conjunto de palavras que mensalmente escrevo, (já que alguém encontrou em mim, digamos que, uma laranja com sumo suficiente - o limão é um bocadinho o oposto do que sou - para poder escorrer linha sobre linha nesta plataforma de notícias). Resolvi então voltar ao assunto dos idosos e voltarei a fazê-lo sempre que sentir que o devo fazer.
 
Eu costumo dizer que tenho “às minhas expensas” oito velhotes com idades entre os 69 e os 89 anos. Felizmente, e ainda bem para todos, as expensas são divididas por mais pessoas. Hoje só quero falar de cinco, vou retirar desta equação a minha mãe e os meus sogros. Hoje quero mesmo é falar daquelas cinco pessoas que também foram e continuam a ser peças de importante relevância e valia no puzzle que é a minha vida. Falo orgulhosamente e com um enorme sentido de gratidão dos meus tios. Poucas vezes se fala dos tios e, da parte que me toca, acho que é da mais elementar justiça enaltecer o papel que eles sempre tiveram na construção das nossas personalidades. Quando digo nossas, falo na minha mas também na do meu irmão, que se reverá certamente naquilo que aqui escrevo. De todos retirámos ensinamentos e todos eles “plantaram penas” no nosso ser para que pudéssemos voar pelo mundo fora.
 
Para sermos o que somos, ouvimos mil e uma histórias da História de Portugal contadas quase até à exaustão e até encenadas pela sabedoria ímpar do tio António.
 

Hoje quero mesmo é falar daquelas cinco pessoas que também foram e continuam a ser peças de importante relevância e valia no puzzle que é a minha vida. Falo orgulhosamente e com um enorme sentido de gratidão dos meus tios. Poucas vezes se fala dos tios e, da parte que me toca, acho que é da mais elementar justiça enaltecer o papel que eles sempre tiveram na construção das nossas personalidades.

Para amarmos, mas também para sofrermos com o futebol, contámos com a paixão única e desmesurada de quem nos levou à bola e nos fez apaixonar por um BENFICA de dimensão inigualável, o tio Jorge fê-lo na perfeição.
 
Para conhecermos o Alentejo à nossa volta, a disponibilidade e enorme paciência do tio Zé transportou-nos de “camionete” inúmeras vezes para muitas terras à nossa volta, tudo para ficarmos a conhecer aquilo que nos rodeia. Se nos dias de hoje isto de se conhecer as terras à nossa volta pode ser considerado, de certa forma, banal, há trinta e tal anos isso afigurava-se quase como um luxo.
 
Para pensarmos mais à frente do nosso tempo terão contribuído as personalidades evoluídas e emancipadas da tia Madalena e da Helena (que não sendo tia é como se fosse… pelo menos assim a consideramos).
 
Naturalmente que nas nossas memórias não está só o que aqui mencionei como meros exemplos, no hipocampo do nosso cérebro estão e estarão um sem número de histórias, de partilhas, de vivências, de palavras e também de afectos transmitidos pelos nossos tios. Poderei reconhecer que ter tios solteiros ou mesmo casados e sem filhos, não sendo assim tão linear, pode evidenciar mais a proximidade entre todos. Ainda assim estou certo que o amor que sempre nos deram seria igualmente próximo e intenso se assim não fosse. Eu costumo dizer que à dádiva da partilha das suas vidas connosco terá sempre que haver um retorno, ou seja, esse amor transmitido por palavras ou actos terá sempre que ser retribuído nem que seja como uma forma de agradecimento, e não, não considero que seja uma obrigação, acho que é um dever retribuir esse amor.
 
Esta semana li algures numa publicação nacional que os idosos portugueses são dos mais abandonados da Europa. Segundo parece, e de acordo com dados de 2016 há mais de quarenta mil idosos a viverem sozinhos ou isolados. Será que aquelas pessoas não fizeram o suficiente durante a vida para ter alguém que pudesse CUIDAR delas numa das fases mais difíceis das suas vidas? Acredito que sim, acredito que, na generalidade, as suas consciências estarão tranquilas e que o apoio que muitas vezes lhes falta terá certamente, para os seus mais próximos, uma justificação mais ou menos plausível. Mas existe algum tipo de justificação para deixar alguém abandonado à sua sorte numa fase tão fragilizada da vida? Creio que não! Dir-me-ão que cada um tem a sua vida, os seus trabalhos e que os tempos de hoje não nos deixam margem nem tempo para CUIDAR daqueles que já foram nossos e que, assim sendo, creio, a pouco e pouco vão deixando de ser. Às vezes não basta colocá-los num qualquer lar, por muito boas que as condições sejam, por muito afecto que haja por parte das pessoas que estão na instituição, é preciso que as famílias sejam presentes, é preciso que aos idosos seja dado um motivo para quererem estar, para quererem ser, para quererem viver. Tenho para mim que quem tem o papel de cuidador tem que ter uma enorme capacidade de planeamento. Reconheço que não deve ser fácil esse papel, no entanto, há que se fazer uma reflexão intensa e ponderada para se tomar a decisão de ser cuidador de idosos, devem ser analisados com muito cuidado os prós e os contras duma decisão dessa natureza. São inúmeras as questões que têm que ser formuladas antes dessa tomada de decisão, do espaço à segurança, da mobilidade ao apoio da restante família, da conciliação da vida profissional à higiene do idoso. Ter um idoso em casa não é com certeza tarefa fácil. Felizmente as opções são algumas, da casa ao lar, do centro de dia à Universidade Sénior tudo tem que ser pensado para que o idoso consiga ter uma qualidade de vida que lhe permita fazer algo com alguma independência. Sim porque sentir-se, na totalidade, dependente deve ser o pior que lhes pode acontecer. Daí eu achar que o papel das famílias é preponderante para o bem-estar, nem que seja psicológico, já que o físico, naturalmente vai quebrando com o passar do tempo. Seja em casa, no lar ou onde quer que seja, nestas idades, eles precisam é de apoio e amor, mais do que tudo o resto. Eu costumo dizer que para percebermos o que os outros sentem devemos sempre tentar pôr-nos no seu lugar, e eu acredito que nesta fase da vida eles precisam de alguém que os oiça, que os ajude e que os ame.
 

Da minha parte, tudo farei para que aqueles que muito me deram tenham aquilo que merecem ter. Quero muito fazer valer como certa a expressão não material de “dar para receber”.É bom ouvir das minhas tias velhotas expressões como: “Oxalá quando fores velhinho também tenhas quem cuidar de ti como nos fazes a nós!” ou “És um anjinho que caíste nas nossas vidas”.

Nestes dias, por motivo de saúde de um dos tios, tive que me deslocar ao Hospital de Évora por dois dias. Certamente muitos dos leitores já terão tido, por uma razão ou outra, essa experiência da espera de resultados num qualquer hospital. O que eu observei naqueles dias deixa-me, por um lado esperançoso no futuro da medicina mas por outro triste. Se por um lado observei mais humanidade nos profissionais de saúde com quem lidei, destaco as duas médicas de tenra idade que tudo fizeram para nos dar respostas, agindo profissionalmente de forma humilde e carinhosa para com os doentes, afastando de mim o pensamento de sobranceria que muitas vezes vejo recair naquela classe, por outro lado verifiquei que o número de profissionais é claramente insuficiente para que não surjam as habituais reclamações de tempo de espera.
 
A propósito do apoio das famílias aos idosos, durante o tempo que estive nas urgências do Hospital de Évora, houve uma coisa que me chocou, ver uma idosa, seguramente com mais de oitenta anos, talvez mesmo próxima dos noventa, completamente desorientada e aparentemente esquecida pela família, perguntando incessantemente pela condição do seu marido que estaria no interior das urgências e entrando e saindo do local inúmeras vezes procurando também no exterior o apoio familiar que tardou (várias horas), sabe-se lá porquê, em aparecer. Tenho a certeza que aquelas horas terão parecido dias para aquela senhora. É certo que, no interior, muitas pessoas se aperceberam do seu desnorte e se disponibilizaram para a ajudar, mas aquela falta de apoio familiar, que com certeza teria uma justificação, tocou-me de sobremaneira.
 
Da minha parte, tudo farei para que aqueles que muito me deram tenham aquilo que merecem ter. Quero muito fazer valer como certa a expressão não material de “dar para receber”.
 
É bom ouvir das minhas tias velhotas expressões como: “Oxalá quando fores velhinho também tenhas quem cuidar de ti como nos fazes a nós!” ou “És um anjinho que caíste nas nossas vidas”. Já lhes disse milhares de vezes que não aceito obrigados. Eu é que tenho que lhes agradecer, a todos, aquilo que sou. Com eles, até onde puder ajudar, cá estarei. Quando não puder pelo menos uma coisa eu sei, presente sempre estarei, nem que seja só para os amar… podem ter a certeza!
* Professor Luís Parente

Deixe um comentário

Mais Populares