domingo, 19 novembro 2017

Brincadeiras de Carnaval

Escrito por  Publicado em António Serrano sexta, 03 março 2017 02:22
Nos últimos dias, a paisagem da cidade de Estremoz vestiu-se de alegria, de cor e de fantasia para brincar ao Carnaval.
 
Já na quinta-feira anterior ao Carnaval, perto de mil alunos das escolas do concelho tinham desfilado pelo Rossio e ruas envolventes, fiéis ao tema “Cientistas”, e feito a delícia de milhares de familiares, amigos e muitos outros que por ali estavam, dando o mote para aquilo que se iria passar nos dias seguintes.
 
No sábado de manhã, o mercado pululava de locais à procura dos produtos frescos criados e colhidos nas hortas periurbanas de Estremoz, de espanhóis em busca desta ou daquela antiguidade, de citadinos de segunda residência nas imediações, curiosos à descoberta dos modos de vida das nossas gentes, ou simplesmente de transeuntes, que não andavam à procura de nada, apenas vieram ver o movimento ou mostrar-se aos outros. É assim o mercado de sábado em Estremoz e nem o Carnaval fez com que fosse diferente.
 

... e centenas de foliões aproveitaram a única época do ano em que se pode ser quem nós quisermos ser, por mais estranho que isso depois seja. Os nossos heróis de banda desenhada ou do nosso filme favorito, a personagem de uma história que nos contam desde a infância, um animal ou uma planta, uma versão mal acabada do sexo oposto ou a máscara que se constrói, em primeiro ou em último recurso, com roupas e adereços que temos há muito no sótão e que nunca mais ninguém usou.

À noite o caso mudou de figura. Por todo o lado o ambiente foi de festa e centenas de foliões aproveitaram a única época do ano em que se pode ser quem nós quisermos ser, por mais estranho que isso depois seja. Os nossos heróis de banda desenhada ou do nosso filme favorito, a personagem de uma história que nos contam desde a infância, um animal ou uma planta, uma versão mal acabada do sexo oposto ou a máscara que se constrói, em primeiro ou em último recurso, com roupas e adereços que temos há muito no sótão e que nunca mais ninguém usou. Há gostos para tudo e ainda bem. Depois, pela noite fora, habitualmente em grupo e menos vezes sozinhos, os foliões dão asas à diversão nos espaços noturnos da cidade. Há que aproveitar a liberdade que o Carnaval proporciona e Estremoz sempre teve a tradição de o saber fazer.
 
No Domingo Gordo e na Terça-feira de Carnaval o centro da cidade acolheu milhares de visitantes, que vieram a Estremoz ver os corsos carnavalescos. Quase seiscentos foliões desfilaram pelas ruas e encantaram quem veio assistir. Também aqui houve máscaras para todos os gostos, pois o facto de o tema ser livre permitiu aos catorze grupos dar asas à imaginação. Do Parque Jurássico aos Piratas, passando pelo universo de Asterix e dos Simpson, pelos Extraterrestres, Angry Birds, uma Pescaria, Mariachis, Texanos e medievais, tudo desfilou ao ritmo dos sambas ou dos batuques, após os tradicionais Cabeçudos que, apesar de sempre os ter achado feios, tenho de admitir que fazem parte do ideário estremocense e que sem eles o Carnaval não seria a mesma coisa. O balanço geral parece-me muito positivo e é mais um evento que em nada envergonha a nossa cidade, pelo contrário, adiciona-lhe mais valor e coloca-a ao nível de muitas outras, por esse País fora, onde a tradição do Entrudo se continua a cumprir. Bem hajam todos os que teimam em continuar a fazer a festa, tanto aqueles que organizam, como os que participam ativamente ou como os que se deslocam a Estremoz para assistir. Muito obrigado também ao São Pedro que este ano resolveu dar tréguas, não obstante na terça-feira ter ameaçado arruinar os planos dos foliões.
 
Desde já se agradece também ao Governo por ter concedido tolerância de ponto na Terça-feira Gorda, não se percebendo porque é que, num País com fortes tradições carnavalescas, como é o caso de Portugal, esta data ainda não foi considerada feriado obrigatório, com todas as mais-valias que daí adviriam para o turismo e para o comércio. Sei que não é um assunto consensual, mas em minha opinião todos tínhamos a ganhar com este feriado – os funcionários públicos, os trabalhadores do privado e as empresas do sector turístico.
 
Esta época do ano é também propícia às brincadeiras de Carnaval. Ainda sou do tempo das bombinhas, dos “peidos engarrafados”, dos estalinhos, dos risca-pés, das cobras e aranhas de plástico… tudo coisas que se perderam, mas que felizmente continuam bem vivas na minha memória e na de tantos outros que, tal como eu, tiveram oportunidade de as vivenciar. Tal como outras tradições de que ainda me lembro com saudade e que me fazem viajar no tempo até à minha juventude, quando brincávamos na semana dos Compadres e das Comadres, construindo as “bonecas” de pano que ficavam penduradas, durante as duas semanas anteriores ao Entrudo, acompanhadas de quadras satíricas sobre os jovens que procuravam mimetizar. Outros tempos, outras vontades, outras brincadeiras.
 
Atualmente, as brincadeiras são outras e eu confesso que há dias em que leio coisas nos jornais que, de tão ridículas, parecem mesmo brincadeiras de Carnaval. Vem isto a propósito de algo que li num jornal e que, se não tivesse sido publicada em vésperas de Carnaval, teria ficado ofendido pela subtileza como muitas vezes os jornais colocam as questões e nos tentam manipular e baralhar a mente.
 

Os jornais não podem (ou melhor, não deviam) discutir rigorosamente nada. No entanto, há muitos jornais que discutem e assediam a causa pública e esses, no dicionário, têm um nome mais apropriado – os pasquins.

Afinal para que servem os jornais? Qualquer um responderá que servem para informar. Certo. Mas informar não é, nem de perto nem de longe, discutir a gestão e a defesa da causa pública nos jornais! Muito menos quando discutir a causa pública, nesses jornais, eventualmente serve outros interesses, muito diferentes daqueles que deveriam ser os verdadeiros interesses de um órgão de comunicação social.
 
Os órgãos de comunicação social servem para informar assuntos de interesse público, não para os discutir e nunca para sobre eles formular juízo. Os jornais devem ser isentos, pois a isso obriga o código deontológico dos jornalistas. Talvez o problema esteja na nossa Lei de Imprensa, que permite que qualquer pessoa possa obter a carteira de jornalista, sem ser obrigado a frequentar formação apropriada ou a prestar provas da sua verdadeira aptidão para exercer essas funções.
 
Os jornais não podem (ou melhor, não deviam) discutir rigorosamente nada. No entanto, há muitos jornais que discutem e assediam a causa pública e esses, no dicionário, têm um nome mais apropriado – os pasquins.
 
Mas, como disse atrás, dada a época do ano em que certas publicações são feitas, ainda lhe podemos dar o desconto e pensar que, se calhar, não passaram mesmo de uma brincadeira de Carnaval e, como sabemos, no Carnaval ninguém leva a mal.
 
É verdade que perguntar não ofende, mas sempre ouvi dizer que as respostas é que fazem mal…
 
* Arquiteto Paisagista António Serrano

Deixe um comentário

Mais Populares