sexta, 18 agosto 2017

Quando eu for grande quero ser…

Escrito por  Publicado em Helena Chouriço quinta, 23 fevereiro 2017 09:44
Quando eu for grande quero ser…
 
Esta será, provavelmente, das frases mais ditas quando somos crianças, quando nos perguntam “O que queres ser quando fores grande?”, como se toda a nossa infância fosse passada a refletir sobre o que vamos ser quando crescermos, e mais, como se tivéssemos a perfeita noção do que é SER (se é que alguma vez a teremos). Somos “formatados” que SER implica sempre, em primeira instância, uma profissão e de preferência com estatuto social e que seja reconhecida aos olhos do meio em que vivemos. Mas o que queremos realmente saber quando perguntamos “o que queres ser quando fores grande?”. SER, começamos a SER mesmo antes de nascer, somos desejados, pensados, planeados (ou não) e amados, assim devia SER. Chegamos então “ao mundo” dos humanos no qual nos deveremos sentir seguros, confortáveis, estimulados e motivados a começar a SER, assim devia SER. Mas que SER é este que esperam de nós? Ou que SER é este que querem que seremos?
 

SER, começamos a SER mesmo antes de nascer, somos desejados, pensados, planeados (ou não) e amados, assim devia SER. Chegamos então “ao mundo” dos humanos no qual nos deveremos sentir seguros, confortáveis, estimulados e motivados a começar a SER, assim devia SER. Mas que SER é este que esperam de nós? Ou que SER é este que querem que seremos?

A aprendizagem faz-se através de imitação, ou seja, imitamos os adultos. Eles são as nossas primeiras referências e através deles interiorizamos o modo como nos devemos comportar nos vários contextos, umas vezes aceitamos passivamente, outras nem por isso. Chega uma fase em que contestamos, em que impomos a nossa vontade e descobrimos que podemos também SER e queremos muito, nessa fase, SER diferentes. No modo de agir, nas opiniões e decisões mas tudo isto com uma boa dose de insegurança, medo, rebeldia e ao mesmo tempo determinação e coragem. E seguimos caminho a querer SER, podemos dar as voltas que dermos, a nossa vida pode não ser uma pintura famosa, pode não ser uma sinfonia eterna ou um poema decorado em qualquer boca, mas pode e deve ser tão somente a nossa, aquela que escrevemos nas páginas diárias dos nossos dias, sentindo o pulsar do coração e com ele na mão gritar que queremos SER, dando-o queremos SER mais Humanos, ouvindo com o coração queremos SER mais tolerantes, tocando com o coração queremos SER melhores pessoas, para nós e para os outros. Amando com o coração queremos SER livres e que ninguém nos julgue por Amar. Queremos SER sorriso à chegada e saudade na partida, queremos SER lágrima de alegria e beijo de perdão. Porque podemos SER injustos, cruéis e às vezes egoístas (afinal SOMOS tão humanos e tão iguais) mas se pensarmos por um instante, um segundo, o que queremos SER quando formos grandes… talvez todos queiramos o mesmo… SER HUMANO… e SER HUMANO não vem nos livros da escola ou das faculdades, SER HUMANO vem do encontro com o OUTRO quando olho para ELE como semelhante e quando bebo da Sua diferença (de mim) a sabedoria e o conhecimento que ainda não tenho, quando aperto as suas mãos e agradeço, quando lhe peço perdão pelo que ainda não consegui entender, quando o abraço e sinto que o que temos de melhor tem que estar ali, naquele momento e naquele espaço. Quando me revejo no seu sofrimento e me calo perante o que não sei, quando respeito cada página da sua história como sendo a minha e que guardo como relíquia porque, nunca jamais, haverá uma história igual.
 
* Psicóloga Helena Chouriço

Deixe um comentário

  • raquel serra
    raquel serra
    sexta, 24 fevereiro 2017 00:25

    Grata, pela partilha!
    Palavras sábias

Mais Populares