sexta, 18 agosto 2017

Mais ou menos um poema

Escrito por  Publicado em Luís Parente domingo, 12 fevereiro 2017 12:44
Gosto de verbos! Gosto de os conjugar, 
de brincar com eles, de os entrelaçar noutros, 
gosto que o verbo me agarre e me sujeite ao significado, que me empurre e derrube no tempo…
gosto de, com eles, fazer misturas como se de tintas numa tela se tratassem… 
gosto de ver neles submissão, mas também ditadura (como se uma palavra e outra não estivessem intimamente ligadas…)…
gosto quando o verbo me dá tudo e quando nada me traz …
gosto dos regulares, dos irregulares…
gosto deles no passado, no presente e mais ainda no futuro…
gosto quando o cantar traz o dançar, quando o comer traz o prazer, quando o saber traz o lugar…
gosto quando o verbo ir me leva incerteza, quando arriscar me obriga à coragem…
gosto de gostar que o amar traga o sonhar, que o desejar traga o amar
gosto de ver nos verbos os sentidos… gosto de os observar, de os cheirar, de os saborear, gosto não só de lhes tocar mas também de os ouvir
gosto deles em português, em inglês, em espanhol, francês, italiano e até alemão, e só não gosto em japonês porque a minha língua não me levou tão distante…
gosto quando o dar me leva a mim, quando o kiss vem com o beijo, quando ao reír se segue a gargalhada ou até quando o avoir traz a coisa, quando o sentire traz o coração e quando o haben vem com a saúde…
gosto sempre que o abraçar traga o sorrir e que nascer traga o crescer
gosto que no divertir esteja o saltar e no ajudar o merecer
gosto de beijar só por beijar, de namorar sem hesitar
gosto da junção do criar com o surpreender e do imaginar sem limitar
gosto do cozinhar sem o esturrar e do beber sem o tombar
gosto que no desfrutar esteja a amizade e nela o partilhar…  
gosto de chorar só com o rir e de pensar sem me obrigar
gosto de me passar com o golo e de enlouquecer com a vitória…
gosto de observar o luar, de contemplar o pôr do sol, de analisar o desenho das nuvens, de desenhar o que vejo no emaranhado de ramos de uma árvore despida…
gosto de dormir sobre um sonho de cheiro a mar e nesse mar encontrar respostas a para tudo o que me incomodar
Mesmo com o adjectivo, o substantivo, o advérbio ou o pronome por perto, gosto que o verbo seja verbo… Há até palavras que não são verbos mas que eu gostava que fossem… Saudade, por exemplo, não sei porquê mas gostava que saudade fosse um verbo, não imagino sequer como se conjugaria…
Mas… há verbos e verbos, para mim gosto dos bonitos mas se bonitos não são, talvez não goste deles não…
não gosto do sofrer muito menos para morrer, do perder para a seguir se ganhar
não gosto do chover junto com o trovejar, do escutar sem opinar, do cair e magoar
não gosto do correr para cansar nem do ocultar para não assumir
quase nunca gosto de ver nos verbos o levar para nunca mais trazer, o fazer sem a acção, o roubar sem o prender
não gosto do gritar sem o escutar, do obedecer sem questionar, do escaldar até queimar…
não gosto do hesitar sem decidir, do dividir para reinar nem do ingrato esquecer
gosto de acreditar, de estar, de ficar, de entregar… gosto de me emocionar, de proteger, de acompanhar, de estimular, de querer, de confiar… gosto de estimar, de respeitar, de apreciar, de entender, de ter, de oferecer… mas fundamentalmente gosto de gostar, de amar, de sonhar, de viver e gosto mesmo muito de ser… o que seria o Ser sem ser?
Felizmente são mais os verbos que gosto do que aqueles que não gosto… dependendo da perspectiva muitos dos que gosto não gosto e dos que não gosto, gosto. 
No fundo… eu gosto mesmo é de verbos, pronto!
* Professor Luís Parente

Deixe um comentário

Mais Populares