sábado, 16 dezembro 2017

A culpa é sempre dos mesmos

Escrito por  Publicado em José Lameiras quinta, 12 janeiro 2017 12:13
Como costumo dizer, o futebol é sempre um bom espelho da sociedade. Nem toda a gente gosta, é um facto, mas toda a gente acaba por ter uma opinião, umas vezes mais fundamentada que outras. Os árbitros, ou as equipas de arbitragem, são e serão sempre os "elos" mais fracos da cadeia. É caso para dizer que sobra sempre para eles e a sua margem de manobra é sempre curta e até por vezes nula. 
 
Para isso, têm sido pensadas muitas soluções para acontecer "a verdade desportiva" de que tantos falam. No Campeonato do Mundo de Clubes, a experiência com o vídeo-árbitro foi muito útil, na minha opinião, para confirmar que tal inovação não cabe no futebol. A ideia até poderia ser boa mas o facto é que o jogo não pode, ou não deve, parar para se decidir um lance pela televisão...e ainda por cima a decisão ser errada. Todos nós já vimos jogos em cafés ou em casa com amigos e num lance duvidoso, após dez repetições, ainda se mantém a dúvida e a discussão sobre se de facto foi ou não falta. Se por um lado sou um defensor do chip dentro da bola para acabar com dúvidas sobre a linha de golo, sou totalmente contra o vídeo-árbitro pois só vai servir para tirar ritmo ao jogo e para criar ainda mais polémica.
 

São raros os casos em que ouvimos "jogámos mal" ou "poderiamos ter feito muito mais". Não me lembro mesmo de ter ouvido algum dia um treinador dizer: " Errei nas alterações que fiz e não montei bem a equipa para este jogo" ou  "não estava preparado para esta equipa e acho que tenho ainda de trabalhar muito para ser um bom treinador". Geralmente, a culpa é sempre de "certas coisas que aconteceram no jogo e que nos têm prejudicado semana após semana" ou "daquele lance duvidoso que fez com que perdessemos o jogo".

O erro faz parte do futebol. No futebol, e também nas outras modalidades, erram os árbitros, os jogadores, os treinadores. Erra toda a gente e, acreditem, os adeptos mais indignados errariam muito mais que aqueles que têm a responsabilidade de decidir em segundos um lance polémico. Já imaginaram o que é estar, por exemplo, a "tirar foras de jogo" quando uns jogadores correm para um lado e outros para outro? Pois, alguém já se insurgiu contra um jogador que tem "jeito" especial para enganar os árbitros? Claro que não, a culpa é dos árbitros que passam o tempo a ser enganados.
 
Eu tenho uma teoria em relação a isto. Em Portugal, por exemplo, os três chamados "grandes", não podem, nem devem, atribuir ao árbitro uma derrota perante uma equipa, considerada, mais pequena. Mesmo existindo lances duvidosos, e há sempre para os dois lados, os orçamentos e as condições deveriam obrigar os protagonistas a olharem para o que de facto correu mal sem apontarem logo o dedo à equipa de arbitragem. Os jogos demoram 90 minutos e é tempo mais que suficiente para que um "grande" assuma a responsabilidade do jogo e marque golos a um "pequeno". Isto é, claro, a teoria, pois na prática não funciona assim e o futebol não é uma ciência exacta. Durante o jogo, há várias condicionantes que podem mudar o rumo dos acontecimentos, como por exemplo a motivação de cada equipa e a competência dos seus jogadores nas alturas decisivas. 
 
Com isto, quero eu dizer que acho "curto" quando o discurso, após um resultado negativo, é sempre para apontar o dedo aos árbitros e levantar desconfianças. Eu sei que vivo num país em que aconteceu um processo chamado "Apito Dourado" e as escutas estão no Youtube. Eu também já disse várias vezes entre amigos que o meu clube foi roubado e que é uma vergonha isto ou aquilo. Isto é futebol e faz parte da paixão que os adeptos têm pelo jogo. É perfeitamente normal que num jogo, levados pela emoção, os adeptos critiquem os árbitros e os dirigentes lhe peçam explicações. Acho mesmo, que isto alimenta o futebol, até ao ponto em que a discussão é civilizada.
 
São raros os casos em que ouvimos "jogámos mal" ou "poderiamos ter feito muito mais". Não me lembro mesmo de ter ouvido algum dia um treinador dizer: " Errei nas alterações que fiz e não montei bem a equipa para este jogo" ou  "não estava preparado para esta equipa e acho que tenho ainda de trabalhar muito para ser um bom treinador". Geralmente, a culpa é sempre de "certas coisas que aconteceram no jogo e que nos têm prejudicado semana após semana" ou "daquele lance duvidoso que fez com que perdessemos o jogo".
 
É claro que os árbitros não estão imunes à crítica. Na vida, e em todas as actividades, todos temos de as aceitar. Alguns são profissionais e não estão acima de críticas, desde que civilizadas e nos locais certos. No entanto, devem estar acima de ofensas e ameaças pessoais, de serem perseguidos e de verem exposta a sua privacidade. Isto, além de cobarde, é crime. 
 
* Jornalista José Lameiras

Deixe um comentário

Mais Populares