sábado, 24 junho 2017

Tudo o resto são paisagens

Escrito por  Publicado em António Serrano sexta, 23 dezembro 2016 11:23
Mais um ano se aproxima a passos largos e a paisagem continua a evoluir, nas suas constantes mutações.
 
O Natal, festa alta do calendário cristão, cada vez é menos aquilo que devia ser e, ano após ano, se afunda mais no consumismo desmedido dos presentes, na falsidade das mensagens de amizade e amor que trocamos uns com os outros e na total ausência do seu significado original. Ainda assim, o Natal é tempo de reflexão sobre aquilo que somos e sobre aquilo que desejamos para nós, para a nossa família, para os nossos amigos e para o Mundo em geral.
 

Como qualquer outro ser humano, no topo da minha lista de desejos estão a saúde, a paz, a amizade e o amor, pois acredito que tudo o resto vem por acréscimo. Os meus desejos são iguais aos de milhões de outras pessoas, eu sei, mas não me interessa. 

Enquadro-me naquele grupo de pessoas para quem o Natal não diz nada. Não é de hoje, é de sempre, pois desde que me conheço e que consigo formular uma opinião sobre aquilo que me rodeia, lembro-me de sempre ter detestado o Natal. Nos últimos 15 anos o Natal apenas teve algum significado para mim porque tenho tido o dever de fazer com que alguém que amo muito acredite mais do que eu nesta quadra. Espero sinceramente ter conseguido incutir na minha filha uma opinião contrária à minha sobre o Natal, para que daqui a vinte anos não a veja escrever artigos de opinião a dizer que não gosta desta época do ano.
 
Prefiro pensar no Natal apenas como uma breve passagem para o novo ano que se aproxima, como tempo de reflexão sobre o que aconteceu até aqui e sobre aquilo que poderá vir a acontecer no futuro. Para mim, é tempo de renovação. De adeus ao ano velho e de receção ao ano novo que aí vem. Tempo de formular desejos.
 
Como qualquer outro ser humano, no topo da minha lista de desejos estão a saúde, a paz, a amizade e o amor, pois acredito que tudo o resto vem por acréscimo. Os meus desejos são iguais aos de milhões de outras pessoas, eu sei, mas não me interessa. É nisso que acredito e é por isso que continuarei a lutar em 2017, ainda que os meus desejos sejam mais do que óbvios e não venham carregados de qualquer tipo de novidade.
 
Dentro do óbvio, e a pensar na saúde, gostava muito que as pessoas se começassem a respeitar mais umas às outras. Todos temos o direito de ser diferentes e de pensar de forma distinta dos demais. Por essa razão, desejo que 2017 nos traga mais respeito pelos outros, pelas suas ideias, pelas suas opções de vida, por pensarem de forma diferente, por tentarem ser únicos. Mais respeito pelo facto de não se limitarem a subjugar às ideias dos outros ou à forma como os outros gostariam que fossem, traçando o seu caminho e as suas vidas sem imposições alheias. Tenho a plena convicção de que ao agir desta maneira, a saúde do ser humano, pelo menos a psíquica, sairá claramente beneficiada, pois assim as pessoas terão muito mais tempo para pensar nos seus próprios problemas, ao invés de se preocuparem tanto com a vida dos outros. Desejo, por isso, que 2017 nos traga muita saúde.
 
No que toca à paz, desejo imensamente que as pessoas acreditem mais nas suas capacidades. Tantas pessoas que dizem “é impossível” sem sequer pensar uma única vez no caminho para conseguir fazer possível. E tantos projetos que saem frustrados exatamente porque nem sequer nos esforçamos por acreditar neles. Desejo que em 2017 todos acreditemos nas nossas potencialidades, na nossa capacidade para fazer mais e melhor, para fazer bem, para dar mais de nós aos outros e aos projetos em que nos envolvemos. Sem contrapartidas, sem vantagens e sem esperarmos que o fazer bem implique necessariamente receber o que quer que seja. Acredito que a paz, nem que seja a paz interior, se consegue alcançar se nos entregarmos de corpo e alma às nossas empreitadas. Se emprestarmos a cada uma delas um pouco de nós, da nossa dedicação e se agirmos de acordo com aquilo que dita o nosso coração. Que 2017 nos permita alcançar esta paz.
 
A amizade encontra-se facilmente através da partilha. Desejo sinceramente que todos saibamos partilhar melhor os conhecimentos, as emoções e as experiências. Não falo, claro, na partilha de emoções através das redes sociais. Nisso somos todos exemplares! Curiosamente vivemos numa era em que valem mais mil amigos no Facebook do que dois ou três bons amigos com quem conversar, conviver ou partilhar conhecimentos. E vai de partilhar tudo o que temos, o que não temos, os nossos anseios, as nossas frustrações e as nossas experiências com todos esses “amigos” virtuais. Em troca recebemos “likes”, comentários tipificados (“que se passa ‘migo?”, “que lindos!”, “parabéns. Bjs”, <3, ;) …) e, de vez em quando, se o assunto justifica, partilhas das nossas partilhas. Com tanto “share”, “what’s on your mind?”, “favs” e “tweets”, era de esperar que todos tivéssemos mesmo muitos amigos. Infelizmente sabemos que não é assim, por muito que nos esforcemos por o negar. Com as redes sociais perdeu-se todo o sentido de convívio e de partilha, em favor de uma amizade virtual. Até quando nos juntamos com amigos reais, na mesa do café ou no jantar de aniversário, somos incapazes de deixar de parte os amigos virtuais. Como acontece com tudo aquilo que é virtual, mais cedo ou mais tarde havemos de nos cansar e voltar a preferir amizades reais. Espero que em 2017 comecemos a traçar o caminho que nos devolva a verdadeira amizade.
 
Por fim, o amor. Já várias vezes visitei o amor nestas paisagens e não me canso de o revisitar. É o amor que lubrifica as engrenagens da vida, que faz com que ela valha a pena ser vivida. Para mim, amor é sinónimo de entrega. Por isso, desejo que em 2017 continue a entregar-me, como sempre o tenho feito, às duas mulheres da minha vida e que consigamos, sempre, sobreviver a todas as contrariedades. Felizmente, temos sido bafejados pela sorte e conseguido contornar os vários obstáculos que, por vezes, nos aparecem no caminho. Mas não basta ter sorte. Tem que haver entrega à causa. Para nós, a causa são os outros dois. Viver para os outros dois. Desejo, mais do que tudo, que 2017 nos traga ainda mais amor do que até aqui nos tem proporcionado.
 
Como já perceberam, para mim não é preciso muito mais do que estes quatro ingredientes na minha receita para ser feliz. Respeitar para ter saúde, acreditar para ter paz, partilhar para ter amizade e entregar-me para ter amor. Tudo o resto, como já disse, há de vir por acréscimo. Como se costuma dizer, tudo o resto são paisagens…
 
Feliz Natal e um Ano Novo repleto de saúde, paz, amizade e amor!
* Arquiteto Paisagista António Serrano

Deixe um comentário

Mais Populares