segunda, 16 julho 2018

Barragem de Veiros inaugurada pela Ministra Assunção Cristas

Escrito por  Publicado em Estremoz %PM, %27 %981 %2015 %23:%maio
Esta obra representa um investimento governamental que ronda os 25 milhões de euros Esta obra representa um investimento governamental que ronda os 25 milhões de euros Município de Estremoz
A Barragem de Veiros, uma das mais antigas aspirações do concelho de Estremoz já é uma realidade!

 
A Ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, presidiu no dia de ontem, quarta-feira, 27 de Maio, à cerimónia de inauguração da Barragem de Veiros. A cerimónia contou ainda com as presenças do Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Luís Mourinha, do Presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, do Presidente da Junta de Freguesia de Veiros, Nicolau Almada, de diversas entidades civis e militares, para além de muitos populares, a sua maioria residentes na freguesia do concelho de Estremoz, que assim viram cumprida uma promessa com mais de 60 anos. Mas antes mesmo de estar referenciada num plano hidrológico desenvolvido nos anos 50 do século XX, já se falava nesta estruturante obra. Estudos recentes indicam que a Barragem de Veiros já estaria projectada em 1885!
 
Assunção Cristas referiu que “muitas vezes li sobre esta obra e muitas vezes falei sobre esta obra no Parlamento”. Salientou que “para alguém que sempre acreditou que a obra iria acontecer e que sempre ajudou para que ela realmente acontecesse, poder vir à obra, testemunhar e verificar na primeira pessoa que a Barragem de Veiros se tornou uma realidade é uma grande honra e muito gratificante para quem se envolveu e para quem sempre acreditou que a obra seria possível”.
 
Ainda segundo a governante, esta obra foi possível graças “aos dinheiros do PRODER”, num investimento governamental que ronda os 25 milhões de euros.
A Ministra da Agricultura e do Mar disse ainda acreditar que “quando se fala no interior, na necessidade de contrariar a desertificação, de trazer mais gente e de criar mais oportunidades, que essas oportunidades se criam com água, com agricultura, com a possibilidade de instalar mais agricultores, e dinamizar estas terras”. 
 
Deixou ainda o alerta de que o grande desafio agora está nas mãos da “Associação de Regantes” da Barragem de Veiros, e que poderão contar sempre com o apoio da Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) e do PDR 2020. Assunção Cristas disse ainda gostar de ver muitos dos 1114 hectares de solos infraestruturados e que a albufeira da Barragem de Veiros vai beneficiar “já regadas no próximo ano, na campanha de rega”.
 
José Nuno Pereira, Presidente da Associação de Regantes da Barragem de Veiros, disse “ser uma honra” para Veiros ter uma obra desta envergadura, “pela qual todos os agricultores ansiavam”, na esperança de que seja um sinal de “progresso para Veiros e para todo o Alentejo”.
 
Gonçalo Lagem, Presidente da Câmara Municipal de Monforte, manifestou-se agradado por ver “o dinheiro público ser utilizado na sua plenitude com muita responsabilidade”. Acrescentou que “um dos problemas estruturais que o Alentejo tem é a falta de capacidade de armazenamento de água. Para além disso, temos um clima miserável, em termos agrícolas, e temos uma grande heterogeneidade de solos, mas temos uma grande vantagem, temos agricultores por excelência, que utilizam na plenitude os seus conhecimentos, e que é preciso também valorizar”. 
 
O autarca de Monforte concluiu dizendo que a Barragem de Veiros “vai seguramente fazer toda a diferença, vai atrair gente, vai criar postos de trabalho, e vai com certeza criar uma agricultura diferente, sustentável, e certamente dar melhor vida aos nossos cidadãos”.
 
Luís Mourinha, Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, referiu que “este é um investimento com um valor significativo, 24 milhões de euros no total, e que é preciso que os agricultores e os proprietários dos terrenos tenham a consciência do valor que o Estado aqui investiu para que possam produzir, possam criar emprego e possam dinamizar os concelhos de Estremoz e Monforte”.
 
O autarca estremocense mostrou-se confiante em que “um bom aproveitamento agrícola da Barragem vai trazer uma nova dinâmica a sectores actualmente deficitários, como a maquinaria agrícola, os equipamentos e a modernização”.
 
Luís Mourinha salientou que “com o nosso clima, com o amor à terra dos alentejanos, dos estremocenses, dos veirenses, e dos monfortenses, não podemos deixar de fazer o aproveitamento, o que seria um acto criminoso, do grande investimento e do grande esforço feito por este Governo nesta obra, embora ninguém possa dizer que é o pai da Barragem, porque esse ficou em 1885, e dos presentes não estava cá ninguém”.
 
Além da criação de um perímetro de rega, a Barragem de Veiros vai permitir reforçar o abastecimento público de água e criar condições para a utilização turística e recreativa da albufeira.
 
A albufeira da Barragem de Veiros vai permitir o armazenamento de água para futura utilização no regadio de uma área de 1.114 hectares de solos, localizados na freguesia de Veiros e no concelho vizinho de Monforte, actualmente objecto de uma agricultura marcadamente de sequeiro.
 
A obra representa o maior investimento efectuado naquela freguesia com comparticipação de fundos da União Europeia.
 
O plano de rega da Barragem de Veiros prevê beneficiar cerca de 60 agricultores dos concelhos de Estremoz e de Monforte.
 

Deixe um comentário

Mais Populares