segunda, 01 março 2021
domingo, 17 janeiro 2021 12:57

Utentes e colaboradores da Residência de São Nuno de Santa Maria já foram vacinados contra a Covid-19

Escrito por
Igualmente na sexta-feira foram vacinados os utentes e colaboradores do Lar da Santa Casa da Misericórdia de Évora Monte Igualmente na sexta-feira foram vacinados os utentes e colaboradores do Lar da Santa Casa da Misericórdia de Évora Monte DR
A Residência de São Nuno de Santa Maria (RSNSM) foi uma das primeiras instituições do concelho de Estremoz, ligada à terceira idade, a ser vacinada contra a Covid-19.
 
Na passada sexta-feira, dia 15 de Janeiro, 70 utentes e 43 colaboradores da Estrutura Residencial para Pessoa Idosa (ERPI) localizada na zona norte da cidade estremocense, tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19.
 
Segundo o Sargento-Mor Vítor Caldeira, Presidente da Direcção da Residência de São Nuno de Santa Maria, “foi muito fácil mobilizar, não só utentes, mas também colaboradores, a serem vacinados, porque foi quase um ano de muitas restrições e muitos sacrifícios, de todos, não só daqueles que trabalham na instituição, mas também daqueles que estão na instituição, que são os nossos utentes. Chegámos agora à primeira meta, que é a primeira toma da vacina. Quando foi anunciado que no dia X iriamos ser vacinados foi uma alegria tremenda, em toda a gente que faz parte da instituição, utentes e colaboradores. A resposta foi massiva e quase na totalidade toda a gente manifestou vontade de ser vacinada”.
 
Quando questionado, para quem vive intensamente tudo o que se passa dentro da Residência de São Nuno de Santa Maria, como é o caso do Vítor Caldeira, que tem vivido e lidado directamente com toda esta pandemia e com as restrições que a mesma veio trazer, se esta vacina é uma luz ao fundo do túnel, o Presidente da Direcção da RSNSM afirmou claramente: “Sem dúvida! Era aquilo pelo que toda a gente ansiava, aquela luz que toda a gente esperava ver acender. E para nós, felizmente, essa luz já está meio acesa. E quando digo meio-acesa, é porque os nossos esforços vão continuar a ser exactamente os mesmos, as nossas restrições vão continuar a ser exactamente as mesmas porque só tomámos ainda a primeira dose da vacina. Esperamos que no dia 5 de Fevereiro possamos ter a segunda toma da vacina e possamos depois dizer que, passado um mês e pouco, a luz da Residência de São Nuno de Santa Maria está acesa”.
 
Vítor Caldeira frisou ainda que a vacinação na RSNSM teve lugar depois da instituição ter sido contactada “pela Segurança Social de Évora, que é o nosso parceiro na área da saúde para o Alentejo, que nos informou que no dia X seríamos vacinados”.
 
Questionado sobre a Residência de São Nuno de Santa Maria, as suas valências e capacidades, Vítor Caldeira frisou que “em termos de lar, somos a maior instituição do concelho de Estremoz. Temos uma capacidade para 73 utentes, ainda que por opção própria, nesta fase, tenhamos apenas 71, e funcionamos com 50 colaboradores. Não sei se poderemos correr mais riscos ou menos riscos que as outras. Quando se fala em risco, é muito subjectivo, depende dos cuidados que cada um tem na sua própria instituição. E isso eu sei, e isso nós sabemos na nossa instituição, que temos tidos todos os cuidados, mas mesmo tendo todos os cuidados, toda a gente está vulnerável ao vírus”.
 
No final desta breve entrevista, Vítor Caldeira aproveitou a oportunidade para manifestar o desejo que “o mais rapidamente possível se vacine toda a gente, independentemente das pessoas estarem em lares ou nas suas casas. Que rapidamente voltemos à normalidade das nossas vidas. Isso é extremamente importante, visto que há sensivelmente um ano que a maioria dos portugueses quase deixou de viver”.
 
Igualmente na sexta-feira, dia 15 de Janeiro, foram vacinados os utentes e colaboradores do Lar da Santa Casa da Misericórdia de Évora Monte.
 
No distrito de Évora já foram vacinados 70% dos profissionais de saúde e mais de 50% da população residente em lares. A vacinação, que está a decorrer em todo o distrito de Évora, e que é levada a efeito por seis equipas, constituídas cada uma por um médico e seis enfermeiros, está a acontecer igualmente nas instituições com pessoas portadoras de deficiência.
 
Para Maria do Céu Canhão, esta vacinação representa “a prevenção de aparecerem novos surtos nos lares”. Em declarações à RTP, a Directora Executiva do Agrupamento de Centros de Saúde do Alentejo Central, referiu que “temos no distrito de Évora à volta de 14 ERPI’s com surtos activos de Covid-19”.
 
Ainda segundo a informação a que o Ardina do Alentejo teve acesso, daqui a duas semanas os profissionais de saúde começam a receber a segunda dose da vacina.
Modificado em domingo, 17 janeiro 2021 17:00

Deixe um comentário