segunda, 21 setembro 2020
quarta, 22 janeiro 2020 17:06

Praça de Touros de Estremoz “metida ao barulho” sobre Orçamento de Estado da Cultura

Escrito por
A proposta governamental de subir o IVA das touradas para a taxa máxima de 23%, em vez dos actuais 6%, foi um dos temas abordados A proposta governamental de subir o IVA das touradas para a taxa máxima de 23%, em vez dos actuais 6%, foi um dos temas abordados DR
Decorreu no Parlamento, na passada segunda-feira, dia 20 de Janeiro, a audição à Ministra da Cultura, Graça Fonseca, sobre o Orçamento de Estado para a Cultura.
 
A proposta governamental de subir o IVA das touradas para a taxa máxima de 23%, em vez dos actuais 6%, foi um dos temas abordados, tendo Graça Fonseca sido questionada pelas deputadas Fernanda Velez (PSD) e Cecília Meireles (CDS-PP).
 
A deputada social-democrata acusou o Governo de "querer acabar" com as touradas. "Trata-se ou não de um acto de censura ilegal?" questionou, sugerindo que aquilo que move o Executivo "não é a taxa de IVA, mas, sim, camuflar a vontade de acabar com a tourada".
 
Cecília Meireles, líder parlamentar do CDS, desafiou o Governo a "ter a coragem de avançar com a medida que realmente quer e proibir as touradas". Para a deputada centrista, ou a ministra "considera que a tauromaquia não é cultura - e aí também manda extinguir a secção de tauromaquia do Conselho Nacional de Cultura -, ou considera que o seu gosto não tem que fazer lei e não é por via fiscal que vai incluir ou excluir a tauromaquia".
 
Graça Fonseca manteve o mesmo tom nas respostas, lembrando que "a posição do Governo" nesta matéria "não é novidade". "É a posição que tivemos no ano passado, é a posição que temos este ano. Chama-se coerência", disse a Ministra da Cultura, acrescentando que "não seria compreendido que o Governo, só porque mudou de ciclo político e porque no passado essa posição não foi aprovada, mudasse de posição".
 
Em defesa da subida do IVA para a taxa máxima, a deputada do PAN, Inês de Sousa Real, acusou PSD e CDS de quererem insistir na acusação de "uma política de gosto, quando é de extremo mau gosto andar a brincar com o dinheiro dos contribuintes numa actividade que consiste em infligir maus-tratos nos animais".
 
Inês de Sousa Real falou sobre os milhões investidos pelo Estado e pelos Municípios nas touradas e abordou as situações da Praça de Touros de Estremoz, da Praça de Touros de Évora e da Praça de Touros do Campo Pequeno.
 
O PAN insistiu ainda na proibição da transmissão de touradas pela televisão pública.
 
c/ TSF
Modificado em quarta, 22 janeiro 2020 17:27

Deixe um comentário