domingo, 19 agosto 2018

Partidos censuram atitude de Mourinha… Autarquia critica actuação dos partidos

Escrito por  Publicado em Estremoz %AM, %23 %074 %2015 %00:%Jan.
Partidos e Luís Mourinha continuam de costas voltadas Partidos e Luís Mourinha continuam de costas voltadas DR
No dia de ontem, quarta-feira, 21 de Janeiro, quatro forças políticas com secção em Estremoz, emitiram um comunicado conjunto em que censuram a atitude do Presidente da Câmara Municipal local, Luís Mourinha, que na reunião de câmara do passado dia 7 de Janeiro, terá proibido colaboradores de um jornal local de captarem som e imagens da respectiva reunião.
 
Em comunicado conjunto, PS, PSD, CDS e BE, afirmam que Luís Mourinha “violou o direito” consagrado na Constituição da República de “acesso à informação” ao ter impedido “que os colaboradores de um jornal local fizessem o seu trabalho”. Pode ainda ler-se que esta atitude “arrastou o Executivo para uma situação onde claramente não nos revemos”.
 
As estruturas políticas locais desvinculam-se “totalmente das tomadas de posição que o mesmo entendeu tomar” e afirmam ainda que “a postura do Senhor Presidente da Câmara só o deve responsabilizar a ele próprio”. Chegam mesmo a referir que “esta atitude, representa uma forma de entender e viver a democracia que não se enquadra no pós 25 de abril, muito menos num Estado de Direito Democrático e na qual não nos revemos”.
 
Já durante a tarde de hoje, quinta-feira, 22 de Janeiro, a autarquia liderada por Luís Mourinha reagiu, também emitindo um comunicado em que refere que na reunião de câmara do dia 7 de Janeiro, “dois jornalistas do “Jornal E” efetuaram a montagem de um tripé com uma câmara de vídeo no Salão Nobre, preparando-se para proceder à gravação de som e de imagens vídeo da referida reunião, sem que para tal tivessem solicitado qualquer tipo de autorização ao Presidente da Câmara”.
 
O comunicado salienta que “usando da competência que a Lei lhe confere, pois é a ele que compete dirigir os trabalhos e manter a ordem nas sessões, o Presidente da Câmara informou os jornalistas que não poderiam efetuar gravação de som e imagem vídeo, pois para tal não tinham sido autorizados. Informou ainda que poderiam assistir aos trabalhos, tirar notas e recolher fotografias do andamento dos trabalhos, tendo em conta o facto de a sessão ser pública”.
 
A autarquia afirma que “não se compreende a posição conjunta destas quatro forças políticas” naquilo que a edilidade considera “uma não questão”. O comunicado escrito pela autarquia desmente as forças políticas em relação ao alegado impedimento dos jornalistas em realizarem o seu trabalho e à violação do direito ao acesso à informação. “Tal não corresponde à verdade, pois como já foi referido e consta da ata da sessão, o Presidente da Câmara apenas não autorizou a gravação de som e imagens vídeo, tendo possibilitado outras formas de acesso à informação” pode ler-se.
 
O comunicado culmina com críticas às forças políticas: “Não estando o PSD, o CDS e o BE presentes no local dos acontecimentos, como lhes é possível tomar posição sobre este assunto, na medida em que não têm conhecimento efetivo dos factos? (…) É, por isso, lamentável que os partidos políticos assumam este tipo de posições, em defesa de direitos que renegam quando são poder, sendo certo que agora só o fazem para tentar denegrir a imagem do Presidente da Câmara e do Município de Estremoz”.

Deixe um comentário

Mais Populares