Imprimir esta página
terça, 09 julho 2019 09:49

Bombeiros de Estremoz assistem a parto de menina em casa

Escrito por
A pequena Alice nasceu com 3,650 quilos A pequena Alice nasceu com 3,650 quilos Pedro Soeiro
Faltavam poucos minutos para as 14 horas, do dia de ontem, 08 de Julho, quando o alerta chegou ao Quartel dos Bombeiros Voluntários de Estremoz: uma parturiente, residente em Estremoz, queixava-se de contracções e necessitava de assistência.
 
De imediato foi enviada uma ambulância para o local. Quando o Subchefe da corporação estremocense Manuel Parreira, e o Bombeiro de 2ª Fábio Godinho chegaram à Urbanização do Monte da Razão, a situação já tinha evoluído de umas normais contracções para um parto eminente.
 
Auxiliados pelo 2º Comandante dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, Januário Coradinho, e pelo Bombeiro de 3ª Afonso Coradinho, vizinhos da parturiente, os quatro homens cumpriram a sua missão, e ajudaram a trazer ao mundo a pequena Alice.
 
Manuel Parreira contou à nossa equipa de reportagem que apesar da situação “surpreendente devido à urgência da menina em querer nascer”, porque quando “recebemos a chamada a indicação era de que se tratava de uma senhora com contracções, e não estávamos à espera de encontrar no local uma situação de parto eminente, não houve nervosismo da nossa parte, correu tudo bem”. 
 
O subchefe revelou ainda que, depois de concluído o parto, “que correu dentro da normalidade, e sem grandes atribulações”, mãe e recém-nascida foram conduzidas pelos bombeiros estremocenses à maternidade do Hospital do Espírito Santo (HESE), em Évora, onde “foram observadas, verificando-se que estava tudo bem com as duas”. A pequena Alice Fonseca, que à semelhança da sua mãe, ainda se encontra internada no HESE, nasceu com 3,650 quilos.
 
Esta foi a primeira vez que estes quatro bombeiros estremocenses prestaram assistência a um parto, numa situação cada vez mais frequente no interior do país. “Cada vez se veem mais casos destes, porque os hospitais estão distantes e por vezes o acompanhamento não é o correcto ou é tardio” salientou Manuel Parreira. 
 
Os quatro bombeiros envolvidos neste parto, assim como todos os elementos da corporação estremocense, e a equipa do Ardina do Alentejo, desejam à pequena e "apressada" Alice, aos seus pais, e ao seu irmão, as maiores felicidades.
Modificado em terça, 09 julho 2019 10:33

Itens relacionados