sexta, 25 maio 2018

Caminho de Santiago já foi apresentado... e passa por Estremoz

Escrito por  Publicado em Estremoz sábado, 05 maio 2018 12:27
São 19 as etapas que compõem os 390 quilómetros da Via Portugal Nascente do Caminho de Santiago São 19 as etapas que compõem os 390 quilómetros da Via Portugal Nascente do Caminho de Santiago DR
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve na passada sexta-feira, dia 4 de Maio, na Igreja do Salvador, em Évora, na apresentação do novo percurso do "Caminho de Santiago", Via Portugal Nascente.
 
Com origem no Algarve, mais concretamente em Tavira, este percurso passa pelo concelho de Estremoz, nomeadamente por Évora Monte, Estremoz e São Bento do Cortiço, seguindo posteriormente por Santo Amaro, no concelho de Sousel, até Trancoso, no distrito da Guarda.
 
Na sexta-feira, após a cerimónia de apresentação, que ocorreu na Igreja do Salvador de Évora, e da bênção dos peregrinos, que teve lugar na Sé de Évora, numa cerimónia presidida pelo Arcebispo de Évora, D. José Francisco Alves, um grupo de peregrinos iniciou o Caminho de Santiago transportando uma réplica do bordão de Santa Isabel, peça em madeira realizada pelo artesão estremocense de adopção Perfeito Neves. até Trancoso, ao longo das 19 etapas deste caminho (390 km).
 
O bordão, que ao longo das 19 etapas que compõem os 390 quilómetros da Via Portugal Nascente do Caminho de Santiago, passará de mão em mão por representantes do local em que se encontra, prevendo-se que seja entregue em Trancoso, a 20 de Maio.
 
MARCELO REBELO DE SOUSA CAMINHOU COMO PEREGRINO
 
Também o Presidente da República quis caminhar como peregrino, tendo percorrido vários quilómetros, desde a Catedral de Évora até à periferia da cidade eborense, transportando a réplica do bordão de Santa Isabel.
 
Durante a peregrinação, e em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que este troço do Caminho de Santiago, que liga Évora a Trancoso, e que pode ser percorrido pelos peregrinos desde a passada sexta-feira, “valer a pena fazê-lo”. “São caminhos que recuperam a história, o passado, a tradição, a cultura e ao mesmo tempo projectam o conhecimento de Portugal interior, um daqueles ‘portugais’ de que se fala menos. Ainda por cima um caminho que põe em ligação o cristianismo, com o islamismo e com o judaísmo. Isto é Portugal no que tem de melhor, de ponte entre religiões, culturas e civilizações. Algumas vezes na vida não estivemos à altura desse desafio, muitas  vezes tivemos”, concluiu o Presidente da República.

Deixe um comentário

Mais Populares