segunda, 19 fevereiro 2018
E será já no próximo Sábado, dia 2 de Setembro, que o Museu Rural da Casa do Povo de Santa Maria vai conhecer uma nova morada. Pelas 11 horas, no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, irá ser inaugurada a nova exposição, agora permanente neste novo espaço, do Museu Rural da Casa do Povo de Santa Maria.
 
Fundado no ano de 1951, pela Casa do Povo de Santa Maria, o Museu Rural de Estremoz teve como fundadores Bento Caldas e Cortes Simões, e o auxílio dos artistas Capela e Silva, Alberto Cutileiro e Joaquim Velhinho, entre outros.
 
Inicialmente ficou instalado no antigo Convento das Maltesas de Estremoz, mas com o passar dos anos e com as sucessivas expansões, houve necessidade de mudar de instalações, devido ao aumento do seu acervo, composto por peças ligadas à etnografia da região.
 
Depois de ter encerrado em 2003, é reaberto, com o apoio da Câmara Municipal, a 18 de Maio de 2007, no Centro Cultural Dr. Marques Crespo, com uma exposição de longa duração, que incluía peças de barrística e olaria da autoria do artesão estremocense Mestre Mariano da Conceição.
 
Em 2015 volta a encerrar para nova instalação, desta vez no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte, com nova mostra permanente, de onde se destacam as colecções de Figurado em Barro de Estremoz, Olaria de Estremoz e Arte Popular em madeira, chifre e cortiça. As figuras em madeira de Capela e Silva que representam trabalhadores/as agrícolas estarão igualmente patentes, bem como um conjunto de carros rurais e uma pequena colecção de suportes de espetos em metal. 
 
Filmes realizados pelo Professor Joaquim Vermelho, sobre o mundo rural e artesanato, estarão continuamente a ser exibidos.
 
O Museu estará aberto diariamente, excepto feriados, com entrada gratuita, estando ao dispor das escolas e grupos, com um conjunto de acções educativas.
Realiza-se no próximo dia 9 de Setembro, a segunda recolha de sangue do ano de 2017 do Grupo Benévolo de Dadores de Sangue do Centro Social e Paroquial de Santo André de Estremoz.
 
Entre as 9 e as 13 horas, nas instalações da antiga Casa Inglesa, com entrada na Avenida Condessa da Cuba, em Estremoz, espera-se a presença de todos aqueles que queiram doar um pouco de si, para benefício daqueles que mais precisam.
 
Hoje pelos outros, amanhã por nós!
Faz precisamente hoje, Domingo, uma semana que decorreu em Monsanto, freguesia do concelho de Idanha-a-Nova, a 6ª Gala das 7 Maravilhas Aldeias de Portugal.
 
Num dia quente, com alturas do dia em que a palavra tórrido será a mais indicada, aquela que é considerada a aldeia mais portuguesa de Portugal, eleita num concurso realizado por alturas do Estado Novo, recebeu toda a azáfama de uma produção televisiva.
 
Em disputa por um lugar na final, e na categoria Aldeias Monumento, estavam as freguesias de Almeida (Almeida), Estoi (Faro), Idanha-a-Velha (Idanha-a-Nova), Monsaraz (Reguengos de Monsaraz), Sortelha (Sabugal), Evoramonte (Estremoz) e a anfitriã Monsanto (Idanha-a-Nova).
 
O Vice-Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Francisco Ramos, o padrinho da candidatura, o fadista António Pinto Basto, o Adjunto do Gabinete de Apoio à Presidência da autarquia estremocense, Mariano Dias, e a Presidente da Junta de Freguesia de Evoramonte, Ana Paula Serrano, chefiaram uma comitiva que levou do concelho de Estremoz a esperança de poder ver Evoramonte na final do concurso 7 Maravilhas Aldeias de Portugal.
 
Apresentada por José Carlos Malato e Catarina Furtado, a gala contou com a animação musical de António Zambujo, que durante a emissão referiu ter-se casado em Evoramonte, e das Adufeiras de Monsanto. As actuações musicais contaram igualmente com a participação de Tatanka, coordenador musical das galas, transmitidas na RTP1. José Carlos Malato referiu também durante a emissão que “quando regresso à minha terra, Monforte, quando vejo o Castelo de Evoramonte fico mais contente, porque sei que já estou perto”.

Apesar dos “incentivos ao voto” que as palavras dos alentejanos Zambujo e Malato poderiam dar à candidatura de Evoramonte, a freguesia do concelho de Estremoz não conseguiu passar à final. Monsaraz e Monsanto foram as grandes vencedoras e serão as representantes das Aldeias Monumento, na grande final do concurso 7 Maravilhas Aldeias de Portugal, que se realizará a 3 de Setembro, na aldeia de Piódão, no concelho de Arganil.
 
Alegres e animados à partida e durante toda a viagem, turistas e apreciadores de Monsanto e das outras candidaturas durante a tarde, fervorosos adeptos durante a Gala, desanimados e cansados durante a viagem de regresso, a claque de apoio regressou ao Alentejo e à sua terra natal com o sentimento de dever cumprido e de ter levado bem alto o nome de Evoramonte, das suas gentes e das suas tradições.
 
Para António Serrano, Chefe do Gabinete de Apoio à Presidência e responsável no Município de Estremoz pelo processo de candidatura, em declarações exclusivas ao Ardina do Alentejo, o balanço da participação de Evoramonte no concurso 7 Maravilhas Aldeias de Portugal “é muito positivo, muito embora não tenhamos conseguido chegar à final. De entre 78 candidaturas, Evoramonte foi escolhida, pelo painel de jurados do concurso, para integrar a lista das sete pré-finalistas na categoria Aldeias Monumento e isso deixou-nos muito satisfeitos. Sabíamos que a concorrência era forte e que qualquer uma das pré-finalistas tinha atributos suficientes que lhe permitiam alcançar um lugar na final. Não aconteceu com Evoramonte, mas naturalmente damos os parabéns a Monsanto e Monsaraz por terem conseguido passar esta fase”.
 
António Serrano, também ele natural de Evoramonte, salienta que “seja como for, achamos que Evoramonte já ganhou com esta participação, pela visibilidade que este concurso lhe deu, pela forma como se mostrou Evoramonte ao mundo, pela união das pessoas em torno desta candidatura... Sabemos que logo no dia seguinte à gala várias pessoas visitaram Evoramonte porque tinham acompanhado o concurso na televisão. Isso é muito positivo e deixa-nos muito satisfeitos com o trabalho realizado”.
 
António Serrano concluiu esta breve conversa connosco agradecendo “a todas as pessoas que apoiaram Evoramonte neste processo, a todos os que votaram no dia 13, à claque que esteve presente em Monsanto, aos participantes no vídeo promocional e ao António Pinto Basto que apadrinhou esta candidatura”.
Sete elementos dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, liderados pelo 2º Comandante da corporação, Januário Coradinho, já se encontram no concelho de Gavião, a combater o incêndio proveniente de Mação, e que entrou no distrito de Portalegre, pela freguesia de Belver, durante a tarde do passado dia 17 de Agosto, quinta-feira, às 17:15 horas. As chamas durante a tarde desta sexta-feira galgaram o Rio Tejo e ficaram às portas da vila de Gavião.
 

Os soldados da paz estremocenses estão inseridos no Grupo de Reforço para Incêndios Florestais (GRIF), accionado para o teatro de operações durante a tarde de sexta-feira, em conjunto com elementos das corporações de Bombeiros de Arraiolos, Montemor, Redondo, Mora e Évora. Este GRIF será igualmente comandado pelo 2º Comandante dos Bombeiros Voluntários de Vila Viçosa.
 
De recordar que este incêndio foi dado como dominado, a meio da manhã de sexta-feira, mas o vento forte e as temperaturas altas fizeram com que o mesmo se reactivasse, levando à retirada de cerca de 150 pessoas de duas aldeias, Torre Cimeira e Torre Fundeira, na freguesia de Belver, assim como à evacuação da aldeia de Cadafaz, a cerca de três quilómetros da sede de concelho, e da praia fluvial do Alamal, que ficou cercada pelas chamas.
 
Às 00:00 horas de hoje, sábado, encontram-se a combater este incêndio que, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre, tem nesta altura três frentes de fogo activas, 492 operacionais auxiliados por 165 veículos.
 
Das três frentes activas a mais preocupante é a que lavra na direcção das aldeias de Degracia e Atalaia, podendo alastrar ao concelho de Nisa. As outras duas frentes lavram junto à aldeia do Cadafaz, a sul do rio Tejo, e a outra a norte, junto à localidade de Belver.
 
A Câmara Municipal de Gavião decidiu na noite desta sexta-feira, 18 de Agosto, activar o Plano de Emergência Municipal.
 
De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Gavião, José Pio, incêndio já provocou sete feridos, cinco bombeiros e dois civis. As vítimas sofreram ferimentos ligeiros.
 
Foto: Rádio Portalegre
Um aparatoso acidente de viação, provocado pela colisão entre um veículo pesado de mercadorias, com matrícula alemã, e uma carrinha 4x4, ocorrido em Estremoz, no cruzamento que liga a Estrada Nacional 4 (EN4) com a Estrada Nacional 381 (EN381), via de ligação para a vila de Redondo, provocou um ferido grave e obrigou ao corte das duas faixas de rodagem, por mais de duas horas e meia.
 
O único ocupante do veículo ligeiro de mercadorias, um homem, residente em Estremoz, com 72 anos, teve de ser desencarcerado do interior da viatura, tendo sido considerado o seu estado, pelas equipas de emergência presentes no local, como ferido grave.
 
O sinistrado foi transportado pelo helicóptero do INEM, que viajou desde Loulé até Estremoz, para o Hospital de São José, em Lisboa.
 
Segundo a página da internet da Protecção Civil o alerta para este sinistro foi dado às 21:39 horas desta quinta-feira, dia 17 de Agosto. 
 
No local, estiveram os Bombeiros Voluntários de Estremoz, vários elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) e do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), num total de 23 operacionais, auxiliados por 7 veículos e por um meio de transporte aéreo.
Evoramonte está entre as 49 aldeias pré-finalistas do concurso 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias. Através de votos efectuados por chamada telefónica, a freguesia do concelho de Estremoz, que está inserida na categoria Aldeias Monumento, pode passar à final já no dia de amanhã, 13 de Agosto.
 
As candidatas a 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, estão organizadas em 7 categorias e as 7 vencedoras serão apuradas pelo maior número de votos em cada uma das categorias.
 
Em cada gala, da lista de 7 pré-finalistas são eleitas as duas aldeias mais votadas por categoria, sendo apuradas, no total, 14 aldeias finalistas.
 
Cerca das 09 horas de amanhã, e durante a emissão do canal 1 da RTP, será revelado o número de telefone atribuído à votação para Evoramonte, divulgação que acontece em simultâneo com a abertura das linhas telefónicas. O custo de cada chamada é de 0,60€ + IVA e não haverá restrições nem limite de votos por participante, pelo que pode realizar as chamadas que pretender, no período entre as 09 horas e o final da Gala, ajudando assim para que Evoramonte seja eleita uma das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias.
 
Das 18 às 20 horas, em Idanha-a-Nova, e em directo na RTP1, terá lugar o programa “7 Maravilhas de Portugal – Aldeias”, sendo que a “Gala Pré-Finalistas” terá início às 21 horas, em Monsanto, com uma duração de aproximadamente duas horas.
 
Para que não seja perdida pitada da Gala que poderá contemplar Evoramonte como uma das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, será instalado na Praça dos Aviadores, em Evoramonte, em pleno recinto das Festas de Santa Maria, um ecrã gigante onde se poderá assistir em directo à transmissão da referida Gala.
 
Evoramonte conta com o apoio do fadista António Pinto Basto, que apadrinha a candidatura.
 
Para além de Evoramonte, concorrem igualmente na categoria Aldeias Monumento, Almeida (Almeida), Estoi (Faro), Idanha-a-Velha (Idanha-a-Nova), Monsanto (Idanha-a-Nova), Monsaraz (Reguengos de Monsaraz) e Sortelha (Sabugal).

Freguesia de Glória vai estar em festa

Escrito por sexta, 04 agosto 2017 15:26
Nos dias 12, 13 e 14 de Agosto, todos os caminhos vão dar à freguesia estremocense de Glória, por ocasião das Festas em honra de Nossa Senhora de Glória.
 
Organizadas pela Associação Glória Jovem e pela Comissão Fabriqueira da Paróquia de Glória, as Festas em honra de Nossa Senhora de Glória prometem três dias de muita diversão e convívio.
 
Ardina do Alentejo apresenta-lhe de seguida o programa das festas de 2017 na freguesia de Glória.
 
Sábado – 12 de Agosto
09:00 horas – Abertura do recinto das festas
10:00 horas – Jogos Tradicionais
17:30 horas – Garraiada com gado da Herdade Monte do Outeiro
20:30 horas – Actuação do Grupo Coral e Etnográfico “Os Ceifeiros de Cuba”
22:00 horas – Baile abrilhantado pelo músico Tiago Miguel
 
Domingo – 13 de Agosto
10:00 horas – Jogos Tradicionais
15:30 horas – Torneio de Sueca
18:00 horas – Eucaristia em honra de Nossa Senhora de Glória, presidida pelo Pároco Manuel Botelho, seguida de procissão
22:00 horas – Baile abrilhantado pelo organista e vocalista Carlos Graça
 
Segunda-feira – 14 de Agosto
10:00 horas – Jogos Tradicionais
18:00 horas – Garraiada com gado da Herdade Monte do Outeiro
22:00 horas – Baile abrilhantado pelo músico Pedro Pé Leve
 
Como já vem sendo tradição, no recinto das festas funcionará um esmerado serviço de bar, onde não faltará o saboroso frango assado, a fresca cerveja, e o bom vinho da região.
Estremoz, Borba e Monforte são apenas três dos 57 municípios que no final do ano de 2016 conseguiram cumprir os limites de dívida que a lei das finanças locais lhes impõe e saíram assim das condicionantes de gestão a que estavam obrigados pelo Programa de Apoio à Economia Local (PAEL). Ferreira do Alentejo e Aljezur são os outros dois municípios alentejanos que cumpriram as condicionantes de gestão do PAEL.
 
Estes dados, difundidos pelo jornal Público, serão divulgados em breve pelo Governo, e terão particular impacto nas eleições autárquicas que se realizam a 1 de Outubro.
 
Além desta recuperação por parte de municípios endividados em excesso, o total de redução da dívida, por parte das 308 câmaras que compõem o mapa do país, atinge o valor de 1043 milhões de euros em 2016.
 
No início de 2016 estavam endividados em excesso 79 municípios, todos eles sujeitos à aplicação do Programa de Apoio à Economia Local (PAEL). Permanecem acima do limite de endividamento 22 municípios.
 
O limite de dívida de cada concelho não é fixo pois depende da receita dos três anos de exercício anterior. Mas a regra para o apurar é a mesma para todos e passa por multiplicar por 1,5 a média da “receita corrente líquida” que o respectivo município obteve nos três anos anteriores. Já a “receita corrente líquida” é composta pela receita fiscal obtida por transferências do Orçamento do Estado, pelas taxas e por impostos municipais como os sobre transmissões, o sobre imóveis, o imposto único de circulação e a derrama.
 
Quanto aos condicionalismos de gestão a que os municípios excessivamente endividados estão sujeitos, eles são iguais para todos e estão inscritos no PAEL aprovado em 2012, pelo Governo do PSD e do CDS e imposto pelas orientações do programa de intervenção ditado pela Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional.
 
Com o PAEL os municípios devedores ficavam obrigados a fazerem um plano de ajustamento financeiro e sujeitos a um regime transitório de concessão de crédito. Este regime limita e obriga a critérios de racionalidade na gestão da despesa corrente, por forma a aumentar as receitas.
 
Entre as limitações a que os municípios endividados estão sujeitos encontram-se diversas obrigações como a de aplicarem a taxa máxima de imposto municipal sobre imóveis (IMI), a não participação nas receitas de IRS e o não acesso a fundos europeus. Também é proibida a contratação de pessoal, a compra de bens e/ou serviços e ainda a adjudicação de empreitadas acima dos limites que obrigam a concurso público.
 
Outra das condições é a proibição de os municípios poderem contrair dívida ou assumir encargos fora do que está previsto no seu plano de reequilíbrio financeiro, que são obrigados a adoptar e cumprir. Além disso, têm de manter anualmente actualizados os orçamentos plurianuais os quais tinham de ser enviados ao Governo.
 
Sempre que os municípios sujeitos ao PAEL não cumpram as regras por ele impostas, o Governo passa a reter as verbas prevista nesse caso ao nível das transferências do Orçamento de Estado. Essas verbas passam a ser usadas para financiar o Fundo de Regularização Municipal.
 
Os municípios que cumpriram
São 57 os municípios que em final de 2016 cumpriram os limites da dívida a que estão obrigados e que saíram do PAEL – Programa de Apoio à Economia Local.
 
São eles: Alenquer, Aljustrel, Alvaiázere, Armamar, Arruda dos Vinhos, Borba, Calheta, Câmara de Lobos, Caminha, Chamusca, Espinho, Estremoz, Ferreira do Alentejo, Funchal, Gouveia, Ílhavo, Lagos, Lourinhã, Lousã, Melgaço, Miranda do Douro, Moimenta da Beira, Monforte, Óbidos, Olhão, Oliveira de Azeméis, Oliveira de Frades, Ourém, Paredes, Paredes de Coura, Penafiel, Penela, Peniche, Ponte da Barca, Póvoa do Varzim, Praia da Vitória, Ribeira Grande, Rio Maior, Santa Maria da Feira, São Pedro do Sul, Sardoal, Sertã, Sesimbra, Sobral de Monte Agraço, Soure, Tábua, Torres Novas, Trancoso, Vagos, Vale de Cambra, Valença, Valongo, Valpaços, Viana do Castelo, Vila Nova da Barquinha, Vila Nova de Paiva, Vila Verde.
 
c/ São José Almeida (Público)
Bombeiro dos pés à cabeça” é o nome do mais recente livro infantil lançado pelo grupo Os Mosqueteiros, detentor em Portugal das insígnias Intermarché, Bricomarché e Roady, e que já se encontra à venda no Intermarché de Estremoz.
 
Este livro resulta de uma parceria entre aquele que é um dos maiores grupos da distribuição nacional e a Liga dos Bombeiros Portugueses
 
O objectivo desta nova campanha é mais uma vez sensibilizar e envolver os mais novos na causa dos bombeiros e em simultâneo angariar fundos para a compra de equipamentos de protecção individual de combate a incêndios florestais. 
 

...que os portugueses continuem a apoiar os seus bombeiros, neste caso concreto, participando na iniciativa do grupo Intermarché. Ajudem para que possamos ajudar...

A mecânica da acção, intitulada "Quem tem um coração de bombeiro tem tudo", é simples: até 31 de Agosto, ao comprarem pelo valor de 1,99 € um exemplar da história da Rita, a heroína deste livro, os portugueses vão estar a contribuir para a aquisição de equipamentos de protecção individual de combate a incêndios florestais para os bombeiros portugueses.
 
Queremos de alguma forma contribuir para que haja uma mudança nas mentalidades e atitudes de quem usa a floresta e acreditamos que essa mudança deve começar, desde logo, nas novas gerações. Foi exactamente neste contexto e com a ajuda da Lara Xavier, autora do livro, da Raquel Santos, ilustradora e com o contributo fundamental da Isabel Silva no prefácio, que editámos ‘Bombeiro dos pés à cabeça’, uma história inspiradora que explica que todos nós podemos ter um papel ativo para evitar um incêndio e que por essa razão todos deveremos ter um pouco de bombeiro”, explica João Magalhães, administrador do grupo Os Mosqueteiros.
 
Este livro, que tem ainda a participação de Manuel Luís Goucha enquanto embaixador, conta a história da Rita, uma menina que é neta de um bombeiro, filha de um bombeiro e irmã de um bombeiro e que quando crescer também quer ser bombeira. Como todos os bombeiros, a Rita sabe que não basta que o seu coração acelere quando ouve uma sirene ou vê um carro de bombeiros para ser uma bombeira. A Rita sabe que um bombeiro a sério é um bombeiro dos pés à cabeça.
 
Jaime Marta SoaresPresidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, salientou a ajuda que o grupo Os Mosqueteiros tem prestado à causa, lembrando que esta "relação com a Liga não é de agora. No passado foram entregues viaturas de combate a incêndios florestais e desde 2014 que o grupo tem sido um aliado fundamental na renovação dos equipamentos tendo até ao momento entregue 1.255 fatos completos”.
 
Uma reunião mantida entre Pedro Esperança, gerente do Intermarché de Estremoz, José Capitão Pardal, Presidente da Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz, Carlos Machado e Januário Coradinho, respectivamente, Comandante e 2º Comandante da corporação estremocense, definiram os moldes em que esta campanha vai funcionar no Intermarché da cidade branca do Alentejo.  

 
Para Pedro Esperança, gerente do Intermarché de Estremoz, “esta nova campanha nacional de apoio aos bombeiros portugueses, que se realiza pelo quarto ano consecutivo, vem reforçar o apoio local, que sempre demos, e que continuaremos a dar, aos Bombeiros Voluntários de Estremoz”.
 
O aderente do grupo Os Mosqueteiros salientou ainda querer ver “aumentado o número de livros vendidos em relação à campanha do ano transato”, o que acredita ser possível visto que “os bombeiros estremocenses vão ser parte integrante do sucesso desta campanha, pois eles vão estar na nossa loja a fazer a divulgação de ‘Bombeiro dos pés à cabeça’”.
 
Para José Capitão Pardal, “o grupo Intermarché tem tido ao longo dos anos uma política importante de apoio aos bombeiros portugueses, e este ano vem mais uma vez demonstrar que está de corpo e alma com os bombeiros portugueses”.
 
O Presidente da Direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Estremoz revelou que “as expectativas para mais esta campanha são elevadas e estou certo que os clientes do Intermarché não esquecerão aqueles que nesta época, fruto de muitas vicissitudes, dão o seu tempo, o seu trabalho e alguns até a própria vida, na defesa dos seus compatriotas e dos seus bens, no combate aos fogos florestais”.
 
Capitão Pardal salientou ainda que “todas as iniciativas, estas e outras, são importantes para a continuação da existência das Associações Humanitárias de Bombeiros. Sem o apoio da sociedade civil seria impossível a sua sobrevivência”.
 
Concluiu deixando o apelo “para que os portugueses continuem a apoiar os seus bombeiros, neste caso concreto, participando na iniciativa do grupo Intermarché. Ajudem para que possamos ajudar...”.

Mais Populares