quinta, 28 maio 2020
Organizadas pela Associação Cultural e Recreativa Nova Geração, têm início hoje, sexta-feira, pelas 18 horas, as Festas Populares 2016 do Espinheiro, em São Domingos de Ana Loura.
 
No primeiro dia de festa está agendada para as 18.30 horas, uma Grandiosa Largada de Touros. O baile, que se iniciará pelas 22.30 horas, será abrilhantado pelo famoso organista e vocalista João Machorrinho, de Évora. Quando forem 01.30 da manhã, acontecerá a abertura do Espaço Jovem 2016, que será animado até às 05 horas da madrugada pelo DJ MC Cut Tha Buzz.
 
No Sábado, 23 de Julho, o recinto das festas abre às 11 horas. Quando forem 15 horas terá lugar um colóquio subordinado ao tema “O Associativismo“. Pelas 18 horas, realiza-se a 1ª Corrida de Carrinhos de Rolamentos Nova Geração. A abertura da Quermesse acontecerá pelas 22 horas, e meia hora mais tarde, pelas 22.30, dá-se início ao baile, desta vez abrilhantado pelo famoso organista e vocalista Carlos Graça, de Ervedal – Avis. Quando os relógios marcarem 15 minutos depois da 1 da madrugada, realizar-se-á a 2ª Grandiosa Largada de Touros das Festas Populares do Espinheiro 2016. O Espaço Jovem abre as suas portas às 02 da manhã, e até às 05 da manhã a animação será grande com a presença do DJ MC Cut Tha Buzz.

 
No derradeiro dia das festas, Domingo, o recinto abre às 08 da manhã. Pelas 09 horas terá lugar uma arruada pelas ruas da Aldeia pela Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Estremoz. Quando forem 10 horas, acontecerá a Bênção do Gado seguido de Procissão com a imagem de Nossa Senhora de Fátima, e às 11 horas realiza-se o II Passeio Equestre. A 3ª Largada de Touros das Festas acontece às 18.30 horas, e às 21.15 horas actua o Grupo de Acordeões do Alentejo. O baile do último dia das Festas Populares do Espinheiro 2016 terá inicio pelas 22 horas e será abrilhantado pelo famoso Duo musical Tal&Qual. O encerramento das festas acontecerá pelas 05 horas da madrugada.
 
As Festas Populares do Espinheiro 2016 têm o apoio da Junta de Freguesia de São Domingos de Ana Loura, Município de Estremoz, Associação Social “O Solar das Azenhas, Associação Jovem de S. Domingos, Associação Desportiva e Cultural de São Domingos, ARCA - Associação Recreativa e Cultural de Arcos, Sporting Clube Arcoense, Fábrica da Igreja de S. Domingos de Ana Loura e Ardina do Alentejo.
Modificado em sexta, 22 julho 2016 19:38
Após “um dia tão bom” em Estremoz, como fez questão de referir Cláudia Jacques na sua página pessoal na rede social Facebook, a relações públicas viu o seu marido ser novamente detido.
 
Olivier da Silva foi preso no final da manhã da passada quarta-feira, na cidade alentejana de Elvas. O empresário, de 37 anos, encontrava-se no Hotel D. Luís, na cidade raiana, quando foi surpreendido pela Policia Judiciária de Faro.
 
Esta detenção surge na sequência de um inquérito dirigido pela secção de Portimão do Departamento de Investigação e Acção Penal de Faro.
Olivier da Silva está acusado de burla qualificada, falsificação, usurpação de funções e branqueamento de capitais.
 
Segundo um comunicado da PJ, “entre 2014 e 2016, o detido intitulando-se advogado e agente imobiliário interessou cidadãos franceses na aquisição de imóveis em Portugal. Durante as negociações para a compra dos imóveis, nas quais o arguido figurava como procurador dos compradores foi embolsando as quantias monetárias que lhe eram entregues por aqueles para pagamento do preço e despesas da aquisição”.
 
Ainda de acordo com a PJ, “o suspeito possuía várias identidades tituladas por documentação francesa e portuguesa, com as quais abriu diversas contas em bancos diferentes de modo a poder escoar o dinheiro que recebia sem ser detectado”. O prejuízo causado pelo suspeito ascende a valor superior a 500 mil euros.
 
Olivier da Silva, que já tinha sido detido em Maio por ocasião deste mesmo processo, passou a noite no Estabelecimento Prisional de Faro, sendo presente no dia de hoje, quinta-feira, a um Juiz de Instrução Criminal, para a aplicação de eventuais medidas de coacção.
 
De recordar que o marido de Cláudia Jacques já foi condenado, em Maio de 2013, a quatro anos e seis meses de pena suspensa por crimes de falsificação e burla, na forma tentada.
 
Olivier da Silva encontrava-se no Alentejo a acompanhar a sua esposa na promoção do evento Miss Portuguesa 2016.
Modificado em quinta, 21 julho 2016 01:11
O artesão estremocense Jorge da Conceição, com a peça “Presépio-Adoração dos Reis Magos”, acaba de ser distinguido com uma Menção Honrosa, na categoria de Melhor Peça de Artesanato Tradicional, na edição de 2016 do Concurso de Artesanato da Feira Internacional de Artesanato de Lisboa.
 
A iniciativa promovida anualmente pela Fundação AIP, através da AIP – Feiras, Congressos e Eventos, em parceria com o CENA – Conselho Estratégico Nacional do Artesanato, homenageia os artesãos portugueses, as suas artes e ofícios, premiando a técnica, a concepção criativa, a qualidade, a promoção da identidade local e nacional bem como a originalidade. 
 
O concurso FIA Lisboa decorre todos os anos por ocasião do salão com o objectivo de dinamizar e valorizar o artesanato nacional e promover os ofícios ligados ao sector, contribuindo igualmente para estimular as economias locais por via das atividades artesanais.
 
Em 2014, Jorge da Conceição tinha-se sagrado vencedor do Prémio FIA Lisboa, igualmente na categoria de Melhor Peça de Artesanato Tradicional, com a peça “Fado”.
 
Com o final de mais um ano lectivo, regressam também as preocupações de alguns encarregados de educação com o facto de não terem onde deixar os seus filhos durante as férias escolares.
 
Vivendo “in loco” a situação, alguns encarregados de educação do Jardim de Infância da Mata contactaram a Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Estremoz no sentido de se arranjar uma solução para este problema, tendo mesmo proposto à referida associação a realização de um ATL para crianças entre os três e os seis anos.
 
Depois de contactadas as monitoras Cláudia Ramalho, Lélia Caldeira e Maria Ferreira, monitoras durante o ano lectivo 2015/2016 naquele estabelecimento escolar, e perante o total empenhamento e disponibilidade das mesmas para, em colaboração com a Câmara Municipal de Estremoz e o Agrupamento de Escolas de Estremoz, avançar com este projecto inovador no concelho de Estremoz, decidiu a Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Estremoz avançar com o ATL de Verão.
 
Este ATL funcionará entre os dias 11 de Julho e 31 de Agosto, das 08.30 às 18.30 horas, e será composto por diversas actividades, tais como Atelier’s de Ciências, Culinária, Expressões e Profissões, Dança, Música, Piqueniques, Passeios, Jogos Tradicionais e Piscinas.
 
Os encarregados de educação interessados em que os seus educandos participem no ATL de Verão da Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Estremoz, devem contactar as monitoras através dos seguintes contactos: Cláudia Ramalho – 969562751, Lélia Caldeira - 966937559 e Maria Ferreira – 967287165.
Modificado em quarta, 29 junho 2016 12:22
Se nos demitirmos da intervenção activa, não passaremos de desportistas de bancada, ou melhor, de políticos de café”. Foi usando esta frase do histórico líder social-democrata Francisco Sá Carneiro que, através da sua página oficial na rede social Facebook, Luís Eustáquio anunciou a sua candidatura à Comissão Política do PSD de Estremoz.
 
Aos 47 anos de idade, e após 35 anos de filiação no seu partido sempre, Luís Eustáquio entendeu chegada a hora de “dar a cara” e de tentar “dinamizar” a concelhia estremocense do PSD.
 
Luís Eustáquio foi membro de diversas comissões políticas concelhias do PSD/Estremoz e foi igualmente membro da distrital de Évora do PSD durante dois mandatos. Em termos de órgãos autárquicos concelhios, Eustáquio foi deputado na Assembleia Municipal de Estremoz durante um mandato e membro da Assembleia de Freguesia da extinta Junta de Freguesia de Santa Maria, igualmente durante um ano de mandato. Recentemente foi o mandatário concelhio da candidatura do Professor Marcelo Rebelo de Sousa à Presidência da República.
 
Ana Rita Simeão será a candidata à Mesa da Assembleia, enquanto o médico estremocense António Peças, o Presidente da Câmara Municipal de Sousel, Armando Varela, a professora de música Cândida Loios, o doutor José Maia, e o deputado na Assembleia da República eleito pelo círculo eleitoral de Évora, António Costa da Silva, fazem parte da Comissão de Honra da candidatura de Luís Eustáquio.
 
Em entrevista ao “Ardina do Alentejo”, Luís Eustáquio garante que com esta candidatura pretende “dinamizar a ‘minha’ concelhia de forma a que o partido possa passar a sua mensagem junto dos estremocenses”. Salientou ainda querer “reactivar a JSD-Juventude Social Democrata, aumentar o número de militantes e aumentar o número de autarcas”.
 
Apesar de ter apresentado a única lista a sufrágio, Eustáquio afirma que “o PSD é um partido plural” e que “até seria salutar o aparecimento de mais do que uma lista”.
 
Sobre se está nos seus horizontes uma possível candidatura à Câmara Municipal de Estremoz, Luís Eustáquio é peremptório: “Esta minha candidatura é à concelhia e não à Câmara”. O candidato laranja acrescenta ainda que “no que se refere a esse assunto, compete à nova comissão política conduzir o processo autárquico de forma a que o PSD possa regressar ao executivo da câmara e aumentar o número de autarcas na Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia”. O mais que provável futuro Presidente da Comissão Politica Concelhia de Estremoz do PSD finalizou esta breve entrevista afiançando que “para encabeçar o processo autárquico temos militantes e independentes capazes de prestar um bom serviço”.
No âmbito do Processo Comum n.º 54/11.4TAETZ da Comarca de Évora – Instância Local de Estremoz, o Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Luís Mourinha, foi hoje, segunda-feira, dia 20 de Junho, condenado a dois anos e oito meses de prisão, com pena suspensa, e na pena acessória de perda de mandato, pelo crime de prevaricação contra Eduardo Basso, à altura dos factos Presidente da Direcção da LACE - Liga dos Amigos do Castelo de Evoramonte.
 
Luís Mourinha foi ainda condenado, pela juíza do Tribunal de Estremoz, ao pagamento de uma indemnização de 1.882,50 euros acrescidos de juros de mora por danos patrimoniais e 4.500,00 euros por danos não patrimoniais.
 
Esta queixa-crime contra o Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, foi apresentada por Eduardo Basso, na sequência da suspensão de parte do subsídio que havia sido atribuído à LACE – Liga dos Amigos do Castelo de Évoramonte, em 2009, por se ter suspeitado que não tinham sido realizadas pela associação as actividades propostas e às quais o subsídio se destinava.
 
Neste mesmo processo, o presidente da edilidade estremocense já havia sido absolvido, pelo Tribunal de Estremoz, tendo o processo sido mandado arquivar pelo Tribunal de Instrução Criminal de Évora. No entanto, em sede de recurso interposto para o Tribunal da Relação de Évora, foi ordenado o reenvio do processo, por meras questões formais, ao Tribunal de Estremoz. No seguimento desta nova apreciação judicial, surgiu a condenação de dois anos e oito meses de prisão, com pena suspensa, e na pena acessória de perda de mandato.
 
A Câmara Municipal de Estremoz já reagiu, em nota de imprensa, esclarecendo que “está em causa, apenas e só, o não pagamento, à Liga dos Amigos do Castelo de Evoramonte (LACE), de uma tranche de cerca de 1.800 euros, relativa a um subsídio de apoio a actividades em 2010”.
 
No entendimento de Luís Mourinha “o não pagamento dessa tranche do subsídio prendeu-se com o facto de as verbas atribuídas e pagas em 2009 a tal entidade não terem sido aplicadas aos fins candidatados pela mesma, conforme dispõe o Regulamento Municipal do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Cultural, tal como impõem as boas regras de controlo da aplicação de dinheiros públicos.”
 
O Município informa ainda “que a sentença proferida no dia de hoje pela Meritíssima Juiz da Instância Local de Estremoz irá ser objecto de recurso no prazo legal por parte do Presidente desta autarquia, suspendendo-se assim os efeitos daí decorrentes”.
 
c/ Rádio Campanário
Apesar de a vindima de 2015 ter sido “atípica”, em que “a produção sofreu uma quebra significativa”, a Herdade das Servas garante que os vinhos da empresa estremocense apresentam ”uma qualidade bastante superior”.
 
E asseguram mesmo que o “Herdade das Servas Alvarinho 2015”, a nova criação da casa alentejana, é prova disso mesmo. Trata-se de um branco 100% feito a partir da casta Alvarinho e que chega ao mercado a tempo de refrescar o Verão.
 
A casta Alvarinho é, para muitos, a mais nobre das castas brancas portuguesas, possuindo características ímpares que, bem aproveitadas e trabalhadas, podem dar origem a vinhos de máxima qualidade, como é o caso deste novíssimo “Herdade das Servas Alvarinho branco 2015”. Excelente para o tempo quente que se avizinha, é ideal a acompanhar saladas, marisco, pratos de peixe grelhado, carnes brancas e sushi.
 
O “Herdade das Servas Alvarinho branco 2015” é um vinho límpido de cor citrina, com aromas de pêssego, limão e manga, apresentando notas minerais. Em síntese, é um branco mineral elegante, com final persistente. As vinhas de onde é originário estão instaladas em solos vermelhos, na região de Estremoz, derivados de calcários pardos ou cristalinos, que beneficiam do clima mediterrânico, com elevadas amplitudes térmicas e verões quentes e secos. As uvas foram vindimadas manualmente. Concluída a fermentação, estagiou sur lies durante três meses, período a que se somaram mais três meses de repouso após engarrafamento.
 
De sublinhar que este é um ano de grandes apostas no seio do produtor alentejano Herdade das Servas, resultantes dos investimentos feitos em 2015. Investimentos, esses, que passam, em grande medida, pela aposta na equipa de enologia, responsável pela criação dos novos néctares da casa, entre os quais este revigorante “Herdade das Servas Alvarinho branco 2015”, e que é constituída por Luís Serrano Mira e Tiago Garcia, aos quais se juntou recentemente o jovem Ricardo Constantino.
 
Modificado em quarta, 15 junho 2016 12:31
E está de regresso o Mercado do Lago. Esta iniciativa, organizada pelo Município de Estremoz, vai decorrer no próximo dia 9 de Julho, junto ao Lago do Gadanha.
 
A zona envolvente ao Lago do Gadanha, um dos ex-libris da cidade branca do Alentejo, será palco de um Mercado de Artesanato Urbano, onde se apela à originalidade e à criatividade dos artesãos, no sentido de criarem peças alternativas ao artesanato tradicional.
 
Devido à data e ao seu período de realização, o Mercado do Lago funcionará como complemento ao secular mercado tradicional e à feira de antiguidades, que decorrem ao Sábado de manhã, no Rossio Marquês de Pombal.
 
A participação dos artesãos é gratuita e as inscrições poderão ser efectuadas, até ao dia 24 de Junho, no Posto de Turismo de Estremoz ou através do email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
 
Para tal, os interessados deverão fazer o download da ficha de inscrição, disponível no site www.cm-estremoz.pt, e entregá-la devidamente preenchida até à data referida.
 
Em nota enviada às redacções, a Câmara Municipal de Estremoz informa ainda que brevemente serão disponibilizadas mais informações sobre o programa completo da edição de 2016 do Mercado do Lago.
 
c/ Município de Estremoz
Modificado em quarta, 15 junho 2016 12:31
A Escola Básica da Glória e a Escola Básica da Mata foram as escolas vencedoras da primeira edição do concurso “Os nossos avós eram cientistas", uma iniciativa nacional promovida a partir de Castelo Branco pelo Centro Ciência, Cultura e Tradição, que conta com várias parcerias como o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) ou o Centro Ciência Viva de Castelo Branco. A Escola Básica do Caldeiro também saiu da capital de distrito da Beira Baixa com motivos para sorrir, com a obtenção de um segundo lugar e de um terceiro lugar.
 
A cerimónia de entrega de prémios do “Os nossos avós eram cientistas”, concurso que contou com a participação de escolas do 1º ciclo da Beira Baixa e do Alentejo, decorreu na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, entidade que acolhe este projecto que pretende despertar a curiosidade dos mais novos para a ciência através da análise do que faziam os seus antepassados quando não tinham tecnologia. As crianças investigaram porque é que se metia a roupa a corar, como era trabalhado o ferro ou como é que a cortiça conservava os alimentos quando não havia termos de plástico.
 
Margarida Afonso, uma das dinamizadoras do projecto, contou que a ideia de organizar o concurso surgiu de um trabalho de investigação das tradições que tem vários anos. Para não se perder essa recolha  "temos estado a divulgar junto das crianças" e o concurso "é uma forma de divulgar e envolver as crianças para elas próprias começarem a investigar a valorizar a nossa cultura".
 
Depois desta primeira edição está prometido o regresso para o próximo ano lectivo, mais cedo e com maior divulgação e envolvimento das escolas. A organização promete ainda que as escolas "terão a possibilidade de escolherem o tema".
 
Carlos Maia, presidente do IPCB, considera "muito interessante ver estes jovens de quatro, cinco ou seis anos terem o contacto com este projecto" e promete que a instituição vai continuar a apoiá-lo. "Quanto mais cedo conseguirmos despertar o interesse e a curiosidade científica penso que a probabilidade de sucesso no futuro será maior".
 
O Centro Ciência, Cultura e Tradição tem várias valências, desde a investigação, recuperação e interpretação das tradições, tentando compreendê-las de forma científica e até artística. Mas forma também professores e educadores de infância, bem como pessoal não docente; tem parcerias com diversas entidades; e desenvolve actividades para crianças, jovens e adultos, incluindo os que têm Necessidades Educativas Especiais.
 
OS PRÉMIOS 
Os vencedores foram divididos nas categorias de Escola e Turma. 
 
A escola vencedora foi a Escola Básica da Glória, do Agrupamento de Escolas de Estremoz, onde as turmas A e B foram investigar como é que as avós lavavam a roupa. Também em primeiro ficou a Escola do Castelo, na Sertã, com o projecto sobre resina e resinagem. O segundo lugar foi para o projecto roupa a corar, do Jardim Escola João de Deus, de Castelo Branco, e o terceiro lugar foi para a Escola de Santa Maria, de Beja, com as ervas aromáticas do Alentejo.
 
Na categoria turma o primeiro prémio foi para a Escola Básica da Mata, de Estremoz, com o vulcanismo. O segundo lugar ficou em Idanha-a-Nova, com o projecto sobre as ferraduras de cavalos que foi desenvolvido no Agrupamento José Silvestre Ribeiro. Também em segundo ficou o projecto ferro em brasas, da Escola Básica do Caldeiro, em Estremoz. A mesma escola ficou em terceiro, com a panela de ferro. Houve ainda um terceiro prémio para a cortiça na vida de uma marmita, da Escola João Pedro Andrade, de Ponte de Sôr.
 
c/ Jornal Reconquista
Modificado em sexta, 10 junho 2016 01:20