quarta, 20 novembro 2019
Carlos Martins, Secretário de Estado do Ambiente, inaugurou na passada quarta-feira, dia 13 de Abril, a nova Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Estremoz.
 
Esta nova e moderna infraestrutura resultou da obra de remodelação da anterior ETAR, que existia no mesmo local, e que há vários anos se encontrava obsoleta.
 
Durante o seu discurso, Luís Mourinha realçou a importância desta remodelação, conseguida em tempo recorde, permitindo que o Município de Estremoz consiga dar resposta às directivas nacionais e comunitárias, em termos ambientais. O Presidente da Câmara Municipal de Estremoz destacou ainda que com a saída das Águas do Centro Alentejo, Estremoz conseguiu manter os preços da água e tem mantido a qualidade dos serviços e, com esta nova ETAR, vai dar uma resposta ambiental mais eficaz. 
 
Na sua alocução, o Secretário de Estado mencionou o Município de Estremoz como um exemplo a seguir.
 
O governante referiu-se ainda à abertura de concursos na área do Ciclo Urbano da Água, aos quais o Município se pode candidatar para resolver os problemas relacionados com a falta de ETAR nalgumas freguesias e aglomerados rurais do concelho.
 
A nova ETAR de Estremoz representa um investimento que ascendeu aos 2,3 milhões de euros, tendo sido financiada pelo POVT/QREN a 85%.
 
Modificado em sexta, 15 abril 2016 01:00

FIAPE 2016 recebe Festa 100% DJ

quinta, 14 abril 2016 22:40
O Parque de Feiras e Exposições Eng. André de Brito Tavares, em Estremoz, recebe entre os dias 27 de Abril e 1 de Maio, a 30ª edição da FIAPE - Feira Internacional Agropecuária de Estremoz.
 
Aquele que é considerado um dos maiores eventos realizados a Sul do Tejo, e que no ano de 2016 comemora 30 anos de existência, disponibiliza, para além de diversas actividades, um aliciante cartaz musical que contará com nomes como Diogo Piçarra, Mickael Carreira, The Gift, Agir e Kura.
 
Na sexta-feira, dia 29 de Abril, e logo após o concerto dos The Gift, o recinto será ocupado por uma edição especial da “100% DJ Let’s Party”, conceito realizado pela primeira vez em Estremoz, onde em destaque estará a música electrónica e a constante animação.
 
Nesta edição, a cabine ficará por conta dos DJ’s Foksen e Christian F, que levarão na sua bagagem musical apenas as melhores sonoridades, prometendo uma festa ao mais alto nível, conduzindo o party people a uma noite de extrema qualidade que certamente ficará na memória de todos.
 
O DJ e produtor Christian F é reconhecido a nível nacional pelas suas actuações repletas de energia e temas originais como “Tundavala”, “Trampoline” e “Sunset lovers”. No ano passado, o artista português foi distinguido como um dos “20 Mais de 2015", iniciativa realizada pelo quarto ano consecutivo pelo Portal 100% DJ, que tem como objectivo distinguir os artistas de música electrónica nacionais que mais se destacaram no decorrer daquele ano.
 
Os bilhetes estão já à venda no Posto de Turismo de Estremoz, na plataforma Bilheteira Online, FNAC, Worten e nas lojas CTT, e para este dia (29 de abril) o valor de entrada é de 4 euros.
 
Para quem quer usufruir ao máximo da FIAPE, a melhor opção e a mais económica será a compra de um Passe/Pulseira para três dias, apenas por 10 euros, com reentradas ilimitadas. Note-se que os bilhetes diários não possibilitarão a reentrada na feira, pelo que uma nova entrada, no mesmo dia, implica a aquisição de um novo bilhete.
Modificado em quinta, 14 abril 2016 23:44
Durante uma operação nas imediações de um festival de música trance, ocorrido em Fronteira, a Guarda Nacional Republicana (GNR) deteve 10 pessoas por suspeita de tráfico de droga, tendo apreendido vários tipos de estupefacientes.
 
Segundo foi revelado à Lusa por fonte do Comando Territorial de Portalegre da GNR, os detidos, oito homens e duas mulheres, entre os quais dois estrangeiros, têm idades entre os 23 e os 31 anos.
 
As detenções foram feitas no âmbito de uma operação da GNR nos principais acessos ao “Freekuency Festival”, que se realizou, entre sexta-feira e domingo, a poucos quilómetros da vila alentejana de Fronteira.
 
Além dos 10 detidos por suspeita de tráfico de droga, a GNR apreendeu 186 gramas em comprimidos "MDMA", cerca de 180 doses de haxixe, três doses de liamba em folhas e 5,5 gramas de anfetaminas.
 
Dois dos suspeitos foram notificados para comparecerem no Tribunal de Fronteira, enquanto os restantes foram postos em liberdade, ficando sujeitos a termo de identidade e residência a aguardar o desenrolar do processo.
 
c/ LUSA
Modificado em quarta, 13 abril 2016 16:46
O Palácio dos Henriques, vulgarmente conhecido na cidade de Estremoz como Palácio Tocha, e situado junto ao Jardim Municipal, vai ser transformado pela Fundação Berardo, proprietária do imóvel, em Museu do Azulejo.

 
Em declarações a uma rádio local, o Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Luís Mourinha, revelou que o parecer final positivo para a concretização deste projecto foi dado hoje, dia 7 de Abril, pela Direcção Geral da Cultura.
 
A recuperação do imóvel, onde outrora funcionou o Hotel Palace de Estremoz, e onde agora vai ser instalado o Museu do Azulejo, será efectuada pela própria Fundação Berardo.
 
Em declarações a essa mesma estação emissora, Luís Mourinha enalteceu “o interesse e a expetativa” com que os privados estão a investir no concelho, “em particular na área da cultura”. 
 
Bem ao seu estilo, o edil acrescentou que “Estremoz agradece a quem quer investir no concelho e não está nada preocupado com aquelas vozes que têm muitas ideias mas é para quando não estão no poder, porque quando estão no poder só têm ideias para andar a passear no estrangeiro e por aí a pagar viagens”.
 
Segundo o Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, a recuperação do espaço, classificado como Monumento de Interesse Público, poderá estar em condições de avançar a partir de “Julho ou Agosto”, depois de aprovada a candidatura.
 
Nota Histórico-Artistica
O Palácio dos Henriques, vulgarmente conhecido em Estremoz por Palácio Tocha, é um imponente imóvel setecentista erguido num amplo rossio da vila, hoje Largo D. José I, rodeada por outras habitações da mesma época. Trata-se do solar erguido pelo capitão Barnabé Henriques, cuja mulher, D. Josefa Maria da Silveira, mandou erguer em meados do século XVIII a Capela do Menino Jesus, na vizinha Igreja de São Francisco (Túlio Espanca, 1975). Os três pisos da fachada, rematados nos cunhais por grandes urnas e fogaréus, destacar-se-iam seguramente na praça. São rasgados por vãos emoldurados com mármore da região, alternando as janelas dos pisos térreo e superior com as sacadas do piso nobre, em cada caso rematadas de forma distinta, recorrendo-se a volutas, enrolamentos e formas ainda barrocas, que convivem com frontões triangulares, tríglifos e pilastras já neoclássicos. De facto, o programa decorativo do edifício denota claramente a transição entre as modulações e jogos de luz do Rococó e a busca do novo classicismo emergente. Sobre a portada principal destaca-se o escudo de armas da família fundadora. 
No interior, ao qual se acede através de vestíbulo calcetado, destacam-se as salas e corredores cobertos por painéis azulejares setecentistas. Antes destes, merece menção particular a escadaria de dois patamares, em mármore, coberta com tecto de estuques. Logo aí se encontram as primeiras paredes forradas a azulejo azul e branco, representando cenas galantes ou de caça. Seguem-se os salões nobres, onde estão sempre presentes os estuques, os frisos decorados, as moldurações em mármore e as cerâmicas. O salão central, ou Sala das Batalhas, tem a particularidade de apresentar silhares alusivos a campanhas militares regionais e batalhas da Guerra da Restauração, concordantes não apenas com a história local, como com a condição de militar do fundador da casa. Em outras dependências encontram-se cenas mitológicas e alegóricas, mais cenas campestres, e painéis decorativos avulsos, de qualidades díspares. 
A casa dispõem-se em planta rectangular, prolongada nas traseiras em duas alas laterais sobre um pátio interior, ao qual se seguia o extenso jardim. No início do século XX, sendo a casa propriedade do Eng. José Rodrigues Tocha, ainda herdeiro da família Henriques, foi por este levantado um jardim no largo fronteiro. 
No solar chegou a pernoitar, em 1860, o rei D. Pedro V e a sua comitiva, atestando este facto do destaque que a propriedade tinha entre as suas congéneres da vila. Mais tarde, já no século XX, serviu como hotel.
 
 
Modificado em quinta, 07 abril 2016 20:24

Há circo este fim-de-semana em Estremoz

quinta, 07 abril 2016 00:24
O maior espectáculo do mundo está de regresso a Estremoz.
 
O Super Circo das 3 Pistas, que resulta da junção de duas companhias, a do Circo Mundial, da já lendária família circense Mariani, e a do Circo Israel Modesto, apresenta na cidade branca do Alentejo, no terreno junto às Portas de Santa Catarina, quatro espectáculos durante o próximo fim-de-semana, sexta-feira, dia 8 de Abril, às 21.30 horas, Sábado, dia 9, às 16 e às 21.30 horas, e Domingo, dia 10, às 16 horas.
 
Em plena azáfama de montagem da estrutura do Super Circo das 3 Pistas, onde o palhaço faz de electricista e o domador de tigres de canalizador, numa clara demonstração de que a palavra de ordem dentro de um circo é polivalência, “Ardina do Alentejo” esteve à conversa com Israel Modesto, um dos responsáveis pelo Super Circo das 3 Pistas, e apresentador do espectáculo.
 
Ardina do Alentejo - Quem vier assistir ao Super Circo das 3 Pistas, o que é que pode encontrar?
Israel Modesto - Pode encontrar 50 artistas em pista, três pistas a trabalhar em simultâneo, com três números de circo ao mesmo tempo, num espectáculo de duas horas, único nos últimos 20 anos em Portugal e garanto que é uma experiência única para toda a família.
Um espectáculo muito digno de ser visto e que tem tido bastante afluência de público nas cidades que temos percorrido. Esperamos que o público de Estremoz nos venha visitar, que goste, que nos aplauda, nesta curta estadia na cidade de Estremoz.
 
Ardina do Alentejo - Se tivesse que destacar algum número destacaria ou o Super Circo das 3 Pistas vale pelo seu todo?
Israel Modesto - É um circo que vale pelo seu todo. Os números foram preparados e ensaiados ao pormenor para que todos os números que funcionam em simultâneo cheguem ao sorriso das crianças e à satisfação dos adultos. 
Depois há os números que trabalham sozinhos, como o número dos tigres, dos palhaços, e no final temos as exibições dos tubarões, das piranhas e dos crocodilos. 
Um espectáculo bastante agradável e que está à espera do público de Estremoz. Aliás, este espectáculo, esta parceria que fizemos, pretende que o público regresse ao circo. Montámos um grande espectáculo para que as pessoas regressem ao convívio com o circo.
 
Ardina do Alentejo - O circo ainda é o maior espectáculo do mundo?
Israel Modesto - Sem dúvida alguma e é indiscutível. O circo é o maior espectáculo do mundo!
 

Modificado em quinta, 07 abril 2016 00:51
Os excelentes níveis de audiência que o regresso à antena de “Jardins Proibidos” teve, 15 anos depois da primeira série, alicerçados pelos também excelentes resultados das já três fases da novela “Única Mulher” e das duas temporadas de “Santa Bárbara”, fazem a estação de televisão TVI olhar para os sucessos mais recentes e voltar a apostar em “Belmonte”, novela que teve 259 episódios e que foi praticamente gravada na sua totalidade em Estremoz.
 
Ao que o “Ardina do Alentejo” conseguiu apurar, este regresso da saga dos irmãos Belmonte, que esteve no ar aproximadamente um ano, é uma aposta muito pessoal de Luís Cunha Velho, director-geral da TVI, que já esteve inclusivamente reunido com Luís Filipe Mourinha, Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, para ultimar pormenores sobre o regresso da novela “Belmonte” à cidade de Estremoz.
 
A projecção mediática que a primeira fase da novela trouxe a Estremoz, para além do acréscimo no número de visitantes à cidade branca do Alentejo, tendo como objectivo principal o de conhecerem a cidade da “Belmonte”, acrescentando toda a envolvente económica que uma produção desta envergadura acarreta, fez com que Luís Mourinha aceitasse de pronto o repto lançado por Luís Cunha Velho, de reavivar uma história que foi um verdadeiro sucesso de audiências, seguida com grande entusiasmo por milhões de espectadores diariamente.  
 
Sobre a parceria que vai ser firmada brevemente entre a autarquia estremocense e a estação líder de audiências em horário nobre, ao que tudo indica durante a 30ª edição da FIAPE - Feira Internacional Agro-Pecuária de Estremoz, os moldes são em tudo idênticos àquele que foi rubricado em 2013: Estremoz como localidade central da trama, fazendo parte do guião as suas actividades económicas emblemáticas, e apoio logístico variado por parte da edilidade estremocense.
 
O também director-geral da Plural Entertainment, Cunha Velho, já falou inclusivamente com o guionista Artur Ribeiro, para que este prossiga a história dos irmãos Belmonte. Uma tarefa nada fácil, tendo em conta o último episódio da primeira fase. Para já estão encomendados 150 episódios. As audiências vão ditar se haverá ou não nova encomenda.
 
Em relação ao elenco da novela que vai regressar à antena da estação de Queluz de Baixo a partir do mês de Setembro, ainda nada está definido, mas olhando para o que tem sucedido com as outras novelas que têm visto prolongado o seu tempo na companhia dos portugueses, não deverá sofrer grandes alterações. Os actores principais Filipe Duarte, João Catarré, Diogo Amaral, Marco D'Almeida, Lourenço Ortigão e a actriz brasileira Graziella Schmitt deverão ter assim confirmado o seu “bilhete” de regresso à cidade de Estremoz.
 
Na primeira fase da “Belmonte” foram muitos os habitantes do concelho de Estremoz que não perderam a oportunidade de “aparecer” na televisão, tendo participado como figurantes na trama da TVI. Segundo informações recolhidas pelo “Ardina do Alentejo”, os castings para figurantes na segunda fase da “Belmonte” vão arrancar, muito provavelmente, logo nos primeiros dias do mês de Maio. As filmagens vão ter o seu início em Julho.
Modificado em segunda, 04 abril 2016 02:16
Há sensivelmente um ano, mais concretamente em Maio de 2015, demos aqui notícia do facto do agente da PSP Hermano Beliz, estar em destaque na página oficial da rede social Facebook da Polícia de Segurança Pública.
 
Eis que a história se repete, mudando a força de segurança e o protagonista, mas mantendo um denominador comum: ser estremocense.
 
André Pequito Silva, militar no Posto Territorial de Coruche da Guarda Nacional Republicana (GNR) esteve em destaque, em conjunto com um outro seu colega, na passada terça-feira, dia 29 de Março, na página oficial da força de segurança na rede social Facebook.
 
André Silva foi a personagem principal de um acto heróico ocorrido em Coruche, a 24 de Março.
 
Nesse mesmo dia, uma mulher, de 50 anos, estava caída nas águas do Rio Sorraia. Depois de alertados, por um popular, os dois militares que se encontravam de patrulha, foram de imediato para o local. Sem olhar para trás e não pensando em mais nada, André Pequito Silva lançou-se à água, fardado, conseguindo retirar a vítima da água, com a ajuda do outro militar. A vítima, em estado de pânico, foi salva com sucesso, recebeu os primeiros socorros no local e depois foi transportada para o Hospital Distrital de Santarém.
 
André Pequito Silva tem 30 anos. Fez a sua formação académica em Estremoz, até ao 9º ano, tendo depois ingressado na Escola Profissional de Alter do Chão, onde tirou o 12º ano.
 
Depois de concluído o Curso de Formação de Guardas da Guarda Nacional Republicana, na cidade de Portalegre, o estremocense foi colocado no Posto da GNR de Vilamoura, tendo posteriormente sido transferido para o Posto Territorial de Coruche, onde ainda se encontra.
O Município de Estremoz anunciou ter entregue à Comissão Nacional da UNESCO, a candidatura à inscrição da produção de figurado em barro na lista representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade.
 
A autarquia refere em comunicado que o processo de promoção, investigação e produção de conhecimento, iniciado em Outubro de 2012, pretende chegar ao registo dos chamados “Bonecos de Estremoz”, em barro, arte emblemática da cidade, na lista da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).
 
"Após a conclusão da componente burocrática e apresentação de estudos", o dossier de candidatura foi entregue, num processo em que a câmara municipal teve como parceiros a Direcção Regional de Cultura do Alentejo e o Centro UNESCO para a Valorização e Salvaguarda do Boneco de Estremoz.
 
A autarquia explicou ainda que "todo este processo de candidatura foi desenvolvido recorrendo apenas a recursos técnicos e humanos do município, em estreita colaboração com o grupo de trabalho da Comissão Nacional da UNESCO, através do seu Comité para o Património Cultural Imaterial".
 
Como primeiro passo deste processo, em Março de 2014, a Assembleia Municipal estremocense já tinha declarado a "Produção de Figurado em Barro de Estremoz" como Património de Interesse Municipal.
 
Ainda de acordo com a Câmara Municipal, os estudos continuaram, e o Plano de Valorização e Salvaguarda do Boneco de Estremoz começou a ser colocado em prática, nomeadamente no âmbito da investigação da produção bonequeira actual e das matérias-primas dos séculos XVIII e XIX da colecção Reis Pereira.
 
No âmbito do projecto, foram realizadas várias conferências e renovada a exposição permanente do Museu Municipal Professor Joaquim Vermelho, além de terem sido promovidas exposições temporárias e actividades educativas.
 
A Direcção-Geral do Património Cultural, em Abril de 2015, inscreveu a produção do figurado em barro no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial e, dois meses depois, foi criado, no Museu Municipal, o Centro UNESCO para a Valorização e Salvaguarda do Boneco de Estremoz.
 
O boneco modelado ao modo de Estremoz é uma produção artística de carácter popular, com mais de 300 anos de história, que era maioritariamente executada por mulheres nos primeiros séculos de existência da arte e que tem sido um elemento de divulgação da cidade no país e no estrangeiro.
 
A arte consiste na modelação de uma figura em barro cozido, policromado e efectuada manualmente, segundo uma técnica com origem, pelo menos, no século XVII.
 
Em Estremoz, trabalham actualmente nesta arte Afonso Ginja, Célia Freitas, Duarte Catela, Fátima Estróia, as Irmãs Flores, Isabel Pires, Jorge da Conceição, Maria Luísa da Conceição, Miguel Gomes e Ricardo Fonseca.
 
c/ LUSA
 
Modificado em quinta, 31 março 2016 01:29

Antiga Casa da Câmara em hasta pública

quarta, 30 março 2016 19:59
Em reunião do executivo da Câmara Municipal de Estremoz, realizada no Salão Nobre do edifício dos Paços do Concelho, no passado dia 23 de Março, foi deliberado por maioria, com os votos favoráveis do Presidente da autarquia, Luís Filipe Mourinha, e dos vereadores Francisco Ramos e José Trindade, e com os votos contra dos vereadores socialistas José Alberto Fateixa e José Daniel Sádio, proceder à venda, por hasta pública, do prédio da Antiga Casa da Câmara, sito na Rua do Arco de Santarém, em Estremoz.
 
A praça para venda do imóvel, ao qual apenas será permitida a utilização para fins turísticos, realizar-se-á no Salão Nobre da Câmara Municipal de Estremoz, no dia 14 de Abril, iniciando-se pelas 10 horas e 30 minutos, podendo intervir os interessados ou os seus representantes, devidamente identificados e, no caso de pessoas colectivas, habilitados com poderes bastantes para arrematar.
 
O valor base de licitação do imóvel, composto por rés-do-chão, 1.º e 2.º andares, com 423,00 m2 de superfície coberta e logradouro com a área de 556,00 m2, é de 50 mil euros.
 
O edifício, também conhecido como Casa do Alcaide-Mor, foi classificado como Monumento Nacional a 20 de Junho de 1924.
 
A autarquia estremocense informa que “o imóvel pode ser observado pelos interessados, no respectivo local, sendo necessário o pré-agendamento da visita, presencialmente no Sector de Fiscalização ou através do número de telefone 268339200”.
 
Modificado em quinta, 21 abril 2016 12:54