quinta, 02 julho 2020
sábado, 04 janeiro 2020 00:50

Maestro Artur Rouquina em entrevista ao Ardina do Alentejo - «Apenas deixei Estremoz fisicamente»

Escrito por
Em meados de Novembro, o Maestro estremocense dirigiu pela primeira vez a Banda de Música da Força Aérea Portuguesa Em meados de Novembro, o Maestro estremocense dirigiu pela primeira vez a Banda de Música da Força Aérea Portuguesa DR
No dia de hoje, 4 de janeiro, o Teatro Bernardim Ribeiro recebe um Concerto de Ano Novo, com que se inicia a programação cultural do ano de 2020 na mais emblemática sala de espetáculos da cidade de Estremoz.
 
Na noite deste sábado, a partir das 21:30 horas, sobe ao palco do Bernardim Ribeiro a Light Music Orchestra, dirigida por um filho da terra, Artur Rouquina.
 
Em declarações ao Ardina do Alentejo, o Maestro estremocense revela que “apesar de já o ter feito enquanto Maestro da União”, e que “na altura já foi um momento marcante”, o dirigir uma orquestra no teatro da sua terra é sempre “um sonho tornado realidade”.
 
A poucas horas de um concerto que se espera memorável, Artur Rouquina confessa sentir já “um nervoso miudinho” mas que até se sente bem com esse sentimento porque o obriga a “estar focado”.
 
Questionado sobre com o que poderá contar quem se deslocar ao Teatro Bernardim Ribeiro para assistir ao concerto da Light Music Orchestra, o Maestro “abre a pauta”, e revela que “podem contar com um espectáculo cheio de emoções fortes, muitas surpresas, boa disposição e, sobretudo, excelente música…”.
 
A Light Music Orchestra surge com o objetivo de aproximar as populações da orquestra enquanto agrupamento musical, desmitificando o facto de esta formação ser única e exclusivamente associada à música erudita (dita “clássica”) e a toda à sua formalidade envolvente.
 
Nesse sentido, a Light Music Orchestra tenta diminuir o preconceito existente em torno de um género musical, mas também apresentar a orquestra noutros contextos.
 
Constituída por cerca de 30 músicos (cordas, sopros, percussão e cantores), a orquestra interpreta, para além das obras de referência da música “clássica” de compositores como Bizet, Puccini, Strauss ou Verdi, também outros estilos musicais de diversos compositores.
 
Este concerto é uma organização da Câmara Municipal de Estremoz, com entrada livre (sujeita à lotação do teatro), sendo no entanto necessária a apresentação de bilhete.
 
Mas nesta breve conversa com Artur Rouquina, não se falou só da Light Music Orchestra e do concerto de hoje à noite. Falou-se também da Banda de Música da Força Aérea Portuguesa e do futuro.
 
Em meados de Novembro, o Maestro estremocense dirigiu pela primeira vez a Banda de Música da Força Aérea Portuguesa. E seria esse um dos objectivos traçados pelo músico quando deixou Estremoz? Rouquina refere que apenas “deixou Estremoz fisicamente. A cidade está sempre no meu coração e pensamento, e dou por mim muitas vezes a pensar na melhor forma de contribuir culturalmente para o seu enriquecimento”. Acrescenta ainda que “não posso dizer que não estivesse no cantinho dos meus planos, mas não era uma obsessão ser Maestro da Banda da Força Aérea. Estudei para tal, abriu concurso e as coisas acabaram por se proporcionar”. Revelando uma humildade acima da média, Artur assevera ao Ardina do Alentejo que vê o cargo apenas “como mais um passo na minha carreira de músico e militar”.
 
E o futuro? “É difícil prever o futuro, mas sem trabalho e persistência, nada se consegue. O importante para mim é fazer bem e com seriedade, e sobretudo, sem passar por cima de ninguém”.
Modificado em sábado, 04 janeiro 2020 01:14

Deixe um comentário