quarta, 22 novembro 2017

Friends é também nome de vodka. Empresa estremocense lança novo produto no mercado

Escrito por  Publicado em Entrevistas sábado, 02 setembro 2017 09:58
Tiago Cabaço e Luís Ferreira são aquilo a que se pode chamar uma verdadeira dupla de sucesso Tiago Cabaço e Luís Ferreira são aquilo a que se pode chamar uma verdadeira dupla de sucesso Pedro Soeiro
Surgiu no panorama das bebidas espirituosas no decorrer do ano de 2015, com o lançamento do gin “Friends - Touriga Nacional”. Desde esse dia até hoje, muita coisa mudou na Portuguese Distillery & Friends: o negócio expandiu-se, as exportações correm a bom ritmo e o “Friends - Dry”, segundo gin da empresa, surgiu no mercado e com boa aceitação por parte do consumidor final. Mas as experiências são uma constante desta jovem empresa estremocense e no dia em que comemoram dois anos de existência, vai aparecer no mercado uma vodka, a “Friends Vodka Selection”.
 
Tiago Cabaço e Luís Ferreira* são aquilo a que se pode chamar uma verdadeira dupla de sucesso. O balanço destes dois anos de actividade e o lançamento do novo produto, a vodka, foram o mote para uma conversa com Tiago Cabaço, um dos rostos da Portuguese Distillery & Friends.
 
Ardina do Alentejo – Que balanço fazes destes dois anos do gin “Friends” e da Portuguese Distillery & Friends?
Tiago Cabaço – Foram dois anos de continuação de novos produtos, de novas experiências, de consolidação da marca “Friends” nas gamas Gin Premium no Dry Edition e no Touriga Nacional, o nosso primeiro.
Ao longo destes dois anos um dos produtos que temos andado muito à volta, em termos experimentais, tem sido uma vodka, cujo lançamento será feito este fim-de-semana, da Vodka Friends Selection Edition. É uma vodka mais de Inverno do que de Verão, uma vodka que se pode beber apenas com uma pedra de gelo, mas também com tónica ou com sumo de laranja. É uma vodka para apreciadores de vodka e penso que tal como aconteceu com as duas referencias de gin, iremos conseguir consolidar também este produto no mercado, junto dos nossos distribuidores e junto dos nossos clientes e consumidor final, e com isto dar continuidade e crescimento à Portuguese Distillery & Friends, a nossa empresa que deu origem a todos estes produtos.
 
Ardina do Alentejo – Porquê uma vodka? O mercado vai-se mudar para a vodka? 
TC – No fundo, achamos que primeiro temos de ter versatilidade, temos de ter oferta. Achamos que temos uma linha de gin’s, embora sendo só dois, mas com dois perfis completamente distintos, em que conseguimos ir buscar diversos tipos de consumidor, ou agradamos com um ou agradamos com outro.
A vodka era realmente um produto que nos estava aqui a faltar, daí também quisemos fazer uma vodka mais séria, chamada de vodka de Inverno, que pode ser bebida pura ou só com uma pedra de gelo, como digestivo, mas que também pode ser obviamente bebida com tónica ou com sumo de laranja, e já também para colmatar o abrandamento de consumo que existe no Inverno com os gin’s. O gin é um produto que cada vez vende mais o ano todo, mas ainda assim nos meses de Inverno o consumo acaba por abrandar bastante, em todos os mercados onde estamos, seja no mercado nacional, seja no mercado externo.
 
Ardina do Alentejo – O lançamento da vodka acontece este fim-de-semana, o segundo aniversário do Friend’s acontece este fim-de-semana… Como é que tudo se vai processar?
TC – Vai ser um fim-de-semana em grande. O lançamento da vodka vai ser este fim-de-semana, não tendo uma data específica. Vai ser apresentada em três frentes. Na sexta-feira, durante o aniversário do bar “As Duas Marias”, irá ser lançada a nossa vodka. No sábado, iremos ter mais de 100 parceiros, a nível nacional e a nível externo, com alguns importadores de mercados externos que nos vão conseguir visitar este fim-de-semana. Tratam-se de importadores, distribuidores regionais, o distribuidor nacional e respectivas equipas de venda. Vamos ter mais de 100 pessoas durante um jantar, onde irá ocorrer uma apresentação da vodka, e onde iremos também dar algum gin a provar a alguns que conheçam menos bem. Depois do jantar rumaremos ao Trolaró, evento ao qual este ano mais uma vez nos associámos, mas de uma forma ainda maior e mais notória. Decidimos associar o Trolaró ao segundo aniversário do Friends Gin Premium, exactamente porque foi há dois anos, durante o Trolaró, que ele foi apresentado. Será igualmente apresentada a vodka no Trolaró, para todas as pessoas da terra e todos aqueles que estejam em Estremoz no sábado.
 
Ardina do Alentejo – Satisfeito com o resultado final 
TC - Sim, temos uma boa vodka já há um ano e meio, mas a diferença de fazer uma boa vodka para uma vodka excepcional, na minha opinião, são esses 18 meses. Já a poderíamos ter lançado mas normalmente o óptimo é inimigo do tempo, e foi por isso, tal e qual como o gin, em que andámos três anos a fazer experiências, com a vodka andámos dois, e realmente achamos que só devemos colocar um produto no mercado quando nos identificamos a 100% com ele, quando achamos que não vamos ser mais um, que vamos conseguir marcar a diferença junto do consumidor final.
 
* Luís Ferreira, a outra metade desta jovem empresa estremocense, não aparece nesta entrevista devido ao simples facto de que o lançamento da “Friends Vodka Selection” está por horas e o trabalho do Engenheiro Agrónomo era estritamente necessário para ultimar todos os detalhes para o grande lançamento.
 
ANO DE 2017 INESQUECÍVEL PARA TIAGO CABAÇO
O ano de 2017 será, sem dúvida, um ano inesquecível para Tiago Cabaço. Em Maio deste ano, o seu vinho “BLOG Bivarietal ‘13”, conquistou o prémio de melhor vinho tinto de lote do mundo, no concurso "Decanter World Wine Awards", realizado em Londres, Inglaterra.

Foi sobre esta distinção, atribuída pela primeira vez a um vinho de mesa português, que estivemos à conversa com o produtor estremocense, considerado por muitos como o Ronaldo do vinho que se faz em Portugal.
 
Ardina do Alentejo - Este prémio é o reconhecimento do trabalho que tens vindo a fazer na área dos vinhos?
Tiago Cabaço – É daqueles prémios que se ganham uma vez na vida, diria eu, e quanto mais cedo melhor. Obviamente que é o reconhecimento do trabalho de toda a equipa Tiago Cabaço Winery, mas acima de tudo penso que, para além de ser um momento marcante para a nossa empresa, é realmente um momento marcante para a região Alentejo e para Portugal, visto que até à data nenhum vinho tinha obtido esta mesma distinção nesta categoria, nenhum vinho português tinha sido considerado o melhor vinho tinto de lote blend do mundo, e no mínimo diz-nos que estamos no caminho certo.
 
Ardina do Alentejo – O que era mais difícil para se ganhar este prémio?
TC – Costumo dizer que “uma pontinha de sorte dá sempre jeito, mas a sorte dá um bocado de trabalho”. Penso que aqui conseguimos conciliar as duas coisas. Em 17200 vinhos, onde há enormes vinhos, porque o mundo hoje em dia está cheio de grandes vinhos, sejam tintos sejam brancos, mas realmente este nosso “Blog” superou tudo e todos, até as nossas próprias expectativas, não o podemos esconder, temos de ter essa humildade.
Este concurso acontece numa forma em que primeiro são encontradas as medalhas de bronze, prata e ouro, e depois o núcleo duro da Decanter, vários críticos de vinhos, todos eles com enorme reconhecimento a nível mundial, vão fazer a prova de todas as medalhas de ouro. Dessas medalhas de ouro foram apenas distinguidas cinco medalhas de platina. E dessas cinco medalhas de platina foi efectuada uma nova prova e foi encontrado o vinho “Best in Show”, o melhor vinho daquela mesma categoria. E o “Blog” para além de ter passado todas estas etapas, todas estas barreiras, chegar ao final como o vencedor, o grande vinho desta categoria, é um enorme reconhecimento daquilo que tem sido o nosso trabalho ao longo destes anos.
 
Ardina do Alentejo – Estás nas nuvens ou já assentaste os pés na terra?
TC – Já estive mais nas nuvens, mas ainda não assentámos por completo os pés na terra. Este para mim é o concurso dos concursos, não desprestigiando os outros, mas este é realmente o maior e mais conceituado concurso a nível mundial, também pelos críticos que provam os vinhos, pelo seu reconhecimento a nível mundial, e pela notoriedade que têm.
 
Ardina do Alentejo – Foste sabendo da passagem do “Blog” por todas as etapas do concurso ou recebeste apenas a notícia de que o “Blog” era o melhor vinho do mundo?
TC – Primeiro recebemos um e-mail a dizer que tínhamos sido o melhor vinho de Portugal, depois recebemos um e-mail a dizer que tínhamos sido platina, e mais tarde recebemos um terceiro e-mail já com o diploma de melhor vinho tinto de lote do mundo. De alguma forma, foi muito bom receber esta notícia em três fases porque seria ainda mais difícil de digerir se tivéssemos recebido apenas o último e-mail.
 
Ardina do Alentejo – E que tal está a procura pelo vinho medalhado?
TC – A procura tem sido enorme e neste momento estou a tentar ser justo para quem tem sido justo para connosco no decorrer da nossa comercialização desde o início do projecto, tentando “dividir o mal pelas aldeias”, porque o telefone da adega não pára e o do distribuidor também não.
Tentamos da forma mais possível que o vinho chegue ao maior número de pessoas possíveis para que em Portugal e nos mercados externos, pois trata-se de um prémio mundial, e nós estamos em 14 mercados externos, e a procura não tem acontecido só em Portugal mas também nos nossos importadores, e temos tentado em conjunto com os nossos parceiros fazer com que seja possível que o máximo número de consumidores possa provar o nosso vinho.
 

Deixe um comentário

Mais Populares