sábado, 23 outubro 2021
Realizou-se hoje, dia 9 de Janeiro, a 5ª etapa do Rally Dakar 2020, que ligou Al-`Ula a Ha'il, numa tirada com 564 km, e que contou com um sector selectivo de 353 quilómetros.
 
Depois do dia complicado de ontem, em que sofreu uma queda e perdeu muito tempo a reparar a sua mota, o que o faz sair do top 20 na classificação geral das motos, o alentejano António Maio teve hoje um dia mais positivo, conseguindo recuperar alguns lugares na geral.
 
Partindo muito de trás, António Maio e a sua Yamaha #53 apanharam muito pó nos primeiros quilómetros da etapa. A partir dos 150 quilómetros, o piloto natural de Rio de Moinhos, começou a apanhar algumas zonas de areia, conseguindo manter um bom ritmo.
 
Capitão Maio terminou a tirada no 32º lugar, com o tempo de 4h39’42’’, gastando mais 42 minutos do que o vencedor da tirada, o australiano Toby Price, que percorreu os 353 quilómetros da especial em 3h57’33’’.
 
Na classificação geral das motas, liderada pelo norte-americano Ricky Brabec, aos comandos de uma Honda, António Maio subiu três lugares, ocupando agora a 33ª posição, a 3h45’34’’ do líder.
 
Na classificação G2, reservada aos pilotos que não fazem parte da elite da prova “rainha” do todo-o-terreno mundial, António Maio ocupa agora o 16º lugar, a quase três horas do 1º classificado.
 
Amanhã, dia 10 de Janeiro, realiza-se a 6ª etapa do Rally Dakar 2020, que liga Ha'il a Riyadh, numa tirada com 830 km, e que conta com um sector selectivo de 477 quilómetros.
Modificado em sábado, 11 janeiro 2020 10:22
Apesar das dificuldades, o alentejano António Maio, até ontem o melhor português na classificação geral das motos, terminou a quarta etapa da edição de 2020 do Rally Dakar, que ligou Neom a Al-`Ula.
 
Depois de uma queda, o piloto da Yamaha teve de parar, ao quilómetro 30, para reparar a sua moto, o que acabou por lhe custar bastante tempo.
 
Numa altura em que tentava regressar à competição, o piloto natural de Rio de Moinhos, no concelho de Borba relatou ter tido “uma pequena queda, mas a mota é que está mal tratada. Estou a tentar chegar ao fim, mas não está fácil”. António Maio explicou ter partido “a escora da roda. Já meti uma cinta e o volante também não está nas melhores condições. Eu estou bem, a mota é que andou aos trambolhões nas pedras. Eu estou impecável, mas faltam ainda 150 km e vamos tentar chegar ao fim”.
 
É sabido que numa prova como esta, tudo pode mudar de um dia para o outro e foi precisamente isso que aconteceu com o português. Ainda assim, o Capitão Maio conseguiu retomar a prova, recuperar alguns lugares depois do incidente e terminar no 86º lugar, com o tempo de 6h31’26’’, gastando mais de duas horas do que o vencedor da tirada, o chileno Jose Ignacio Florimo, que gastou 4h24’51’’.
 
Na classificação geral das motas, liderada pelo norte-americano Ricky Brabec, aos comandos de uma Honda, António Maio ocupa agora a 36ª posição, a 3h06’28’’ do líder.
 
Na classificação G2, reservada aos pilotos que não fazem parte da elite da prova “rainha” do todo-o-terreno mundial, António Maio ocupa agora o 18º lugar, a mais de duas horas e meia do 1º classificado.
 
Amanhã, dia 9 de Janeiro, realiza-se a 5ª etapa do Rally Dakar 2020, que liga Al-`Ula a Ha'il, numa tirada com 564 km, e que conta com um sector selectivo de 353 quilómetros.
Modificado em quinta, 09 janeiro 2020 17:03
E na terceira etapa do Dakar 2020, brilhou um alentejano. Numa tirada com 503 quilómetros, que teve partida e chegada em Neom, e uma especial de 404 km, o piloto natural de Borba foi o melhor português na competição das motos, ao concluir a etapa no 24º posto da classificação das duas rodas.
 
Desta forma, António Maio pôde manter o 19º lugar da classificação geral das motos e o terceiro da classificação G2, reservada aos pilotos que não fazem parte da elite da prova “rainha” do todo-o-terreno mundial.
 
O piloto borbense fez um bom uso da Yamaha #53, num percurso que em grande parte foi cumprido na zona da Arábia Saudita, junto à fronteira com a Jordânia, e onde o rali subiu à sua altitude mais alta, 1400 metros, mas sem problemas de maior para aquele que é agora também o melhor motard português em prova.
 
Foi uma etapa difícil, com muitos quilómetros. Houve um problema num way point que não estava bem marcado e que acabou por me fazer perder algum ritmo. De resto, correu bem. A mota está impecável e, acima de tudo, estou satisfeito por fazer mais uma etapa sem percalços”, considerou António Maio.
 
O piloto, que também é capitão da GNR, referiu ainda que “o meu objectivo é fazer uma boa gestão da mecânica, apesar de por vezes me apetecer acelerar um pouco mais. No entanto, numa corrida como estas é preciso pensar em cada etapa de forma isolada, e por isso o meu foco é chegar ao fim, com a mota em bom estado, para minimizar os problemas que sabemos que vão surgir mais cedo ou mais tarde”.
 
A quarta etapa, cuja rota inclui passagens por pistas arenosas e gravilha, disputa-se no dia de hoje, 8 de Janeiro, e vai ligar Neom a Al-`Ula, contando com um sector selectivo de 459 quilómetros.
 
c/ Nuno Barreto Costa - PTjornal
Modificado em quarta, 08 janeiro 2020 19:23
Tendo como objectivo a realização de treinos de observação, três atletas do Clube de Futebol de Estremoz foram chamados por dois grandes do futebol português: o Sport Lisboa e Benfica e o Futebol Clube do Porto.
 
No próximo domingo, 15 de Dezembro, e após chamada do Departamento de Prospecção do SL Benfica, o jovem futebolista estremocense Tiago Pires, do escalão de Petizes, irá apresentar-se no Centro de Estágios do clube encarnado, Benfica Campus, no Seixal.
 
No mesmo dia, e após convocação do Departamento de Scouting do FC Porto, os atletas Tomás Tainhas e Levi Batista, pertencentes aos escalões de Traquinas e Benjamins do clube encarnado, irão marcar presença no Estádio Municipal de Bombarral.
 
Em nota publicada na rede social Facebook, a direcção do Clube de Futebol de Estremoz espera que os jovens futebolistas estremocenses “se divirtam a fazer o que mais gostam: Jogar Futebol”, salientando ainda que “apesar de todas as dificuldades, continuamos a apostar na formação dos nossos jovens, como atletas, e formando homens, com valores, que serão o futuro do amanhã”.
Modificado em sexta, 10 janeiro 2020 16:36
O árbitro internacional português Luís Godinho vai ser o VAR da final da Gulf Cup, a disputar este domingo, dia 8 de Dezembro, às 17 horas de Portugal Continental, entre as selecções do Bahrein e da Arábia Saudita.
 
Este jogo vai ser a sexta partida como vídeo-árbitro do juíz borbense na competição, que terá desta vez como árbitro principal o suíço Lionel Tschudi.
 
Recorde-se que a 24.ª edição da Gulf Cup está a ser disputada em Doha, no Qatar, desde o passado dia 24 de Novembro, sendo a principal competição de futebol do Médio Oriente.
Modificado em segunda, 12 outubro 2020 23:03
No passado dia 17 de Novembro, o karateca natural de Estremoz, António Nunes da Silva, atingiu o pódio no Open Internacional de Lisboa, alcançando o 3º lugar, numa competição que contou com a participação de mais de 40 atletas na categoria Kata Infantis Masculinos (até aos 9 anos).
 
Para os seus treinadores “este foi um resultado totalmente merecido para um pequeno karateca que vive esta modalidade com grande paixão”. António treina em Estremoz, com a Sensei Ana Fura, e desloca-se a Portalegre, duas vezes por semana, para treinar no Grupo de Competição da Escola Silvina Candeias, orientado pelo Sensei Pedro Candeias.
 
Para Pedro Candeias, “este é sem dúvida um exemplo de que com dedicação, se podem alcançar excelentes resultados a nível nacional, mesmo estando longe dos grandes centros urbanos e das zonas onde a vertente desportiva do Karate está mais desenvolvida”.
 
Integrados igualmente no Grupo de Competição da Escola Silvina Candeias, houve outros atletas que estiveram em destaque no Open Internacional de Lisboa: Miguel Tavares (3º lugar em Kata Iniciados Masculinos – 10 - 11 anos) e Beatriz Genízio (5º lugar em Kata Juniores Femininos – 16 - 17 anos). 
 
A esmagadora maioria dos melhores atletas nacionais participaram no Open Internacional de Lisboa, tendo a competição recebido ainda várias delegações estrangeiras, nomeadamente as Selecções de Espanha e da Bélgica.
 
O António, em conjunto com os seus colegas mais novos, e sob a orientação dos seus treinadores, está já a preparar a 2ª Fase do calendário definido pela Escola Silvina Candeias para a época 2019/2020, que se reinicia no último dia de Fevereiro.
Modificado em quarta, 04 dezembro 2019 18:03
Foi apresentada no dia de ontem, quinta-feira, 24 de Outubro, na Delegação de Évora da Turismo do Alentejo, E.R.T., a III Regata Odiana, evento que se realiza entre os dias 15 e 17 de Novembro, na Barragem do Pedrógão, no concelho de Moura.
 
A conferência de imprensa de apresentação da III Regata Odiana contou com a presença de Miguel Rasquinho, Director Regional do Alentejo do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), Pedro Silva, em representação da Câmara Municipal da Vidigueira, João Martins, Director do Gabinete de Desenvolvimento e Responsabilidade Social da EDIA - Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, João Vidigal, Vice-Presidente do Grupo União Safarense (GUS), e António Vidigal, Director Geral da VNautica.
 
Após os sucessos dos anos anteriores e a expansão em 2018, a Regata Odiana continua a crescer e inovar. Nesta 3ª edição, a organização aposta no Desporto Escolar e Inclusivo, com a realização, para os mais novos, da Regata “Odiana Kids”, e de “Baptismos de Remo no Rio Guadiana”, destinados aos jovens de Serpa, Moura e Vidigueira e para pessoas com deficiência ou limitações. Ainda na vertente de Desporto Escolar, realiza-se uma Prova de Remo Indoor entre as escolas da região. Para além da Conferência H2O, subordinada ao tema “Sustentabilidade e Diferenciação no Turismo”, e da Gala Odiana, o programa conta ainda com Degustação de Produtos Regionais, Visita ao Centro Histórico de Moura, entre outras actividades.
 
A III Regata Odiana é organizado pelo GUS, com produção pela VNautica, em parceria com as Câmaras Municipais de Moura, Serpa e Vidigueira e com a NELO Rowing, contando ainda com o apoio da Turismo do Alentejo, E.R.T., Federação Portuguesa de Remo, da Associação de Remo do Sul e Ilhas, da União de Freguesias de Safara e Santo Aleixo da Restauração e da EDIA.
 
Para Miguel Rasquinho, Director Regional do Alentejo do IPDJ, “este é um evento que merece o maior respeito, sendo uma regata feita no Alentejo.  Um dos nossos objectivos é a massificação do desporto por todas as pessoas, e esta prova está inserida nesse contexto. Fico satisfeito ao ver o Desporto Escolar e Inclusivo no programa deste evento. É uma área onde o IPDJ tem investido, com muitos programas e apoios”. 
 
Pedro Silva, representante da Câmara Municipal da Vidigueira, referiu que este “é o terceiro ano em que apoiamos este evento, que tem crescido ao longo do tempo. O nosso município tem muito interesse neste tipo de actividade. A Barragem do Pedrógão tem excelentes condições para a prática de canoagem. Este é um evento que valoriza a nossa região e o turismo”.
 
João Martins, Director do Gabinete de Desenvolvimento e Responsabilidade Social da EDIA, referiu que a empresa “olha para este evento com muito interesse, uma vez que criou um contexto favorável para o desenvolvimento sustentável naquela região. A própria EDIA tem vários programas desportivos, inclusive de desporto escolar, sempre a tentar dinamizar a região e os jovens. Posto isto, tínhamos de nos associar a esta iniciativa, à qual damos os parabéns”.
 
Para João Vidigal, Vice-Presidente do GUS, “este projecto começou há três anos e tem vindo a crescer desde então. Nas últimas edições percebemos que tínhamos de ter um programa mais alargado, com actividades diferentes da regata e que envolvessem as escolas e toda a comunidade. Estas sinergias são essenciais para o desenvolvimento do evento e da própria modalidade”.
 
António Vidigal, Director Geral da VNautica, esclareceu que a Regata Odiana “é uma prova de longa distância, com 16 quilómetros, única na Europa Ocidental. Neste momento temos 21 atletas inscritos, alguns olímpicos e estrangeiros. As inscrições continuam abertas e estamos a prever a participação de 40 a 50 atletas.  Quero aproveitar para agradecer a todos os parceiros que nos acompanham desde o início e a todos os que se juntaram ao projecto este ano, contribuindo para a sua realização e crescimento”.
 
De salientar que a principal atracção deste evento é a Prova de Skiff (1 Remador) - Longa Distância (16 km), onde participam alguns atletas de referência do Remo, não só nacional mas também internacional, como Pedro Fraga, Nuno Mendes, Joana Branco, Diana Dymchenko, Bartłomiej Gasparski, Dariusz Sojka, William Woods, entre outros.
Modificado em sexta, 25 outubro 2019 02:26
O árbitro internacional alentejano Luís Godinho foi nomeado pelo Comité de Arbitragem da FIFA para desempenhar as funções de VAR, no Mundial de Futebol de Sub-17, que decorrerá de 26 de Outubro a 17 de Novembro, no Brasil.
 
Luís Godinho, de 33 anos, natural de Borba, será o único português numa vasta lista de árbitros de todo o mundo.
 
A competição, que contará assim com a participação do Presidente do Núcleo de Árbitros de Futebol da Zona dos Mármores "Professor Jorge Pombo" (NAFZM), terá lugar nas cidades de Cariacica, Gama e Goiânia.
 
Modificado em segunda, 12 outubro 2020 23:04
O Estádio Municipal José Gomes Palmeiro da Costa, em Estremoz, recebeu na tarde deste domingo, 22 de Setembro, a partida entre o CF Estremoz e o Calipolense, jogo a contar para a 1ª eliminatória da Taça Distrito de Évora Dinis Vital.
 
Os forasteiros de Vila Viçosa, comandados pelo estremocense Nuno Frade, foram melhores ao longo de grande parte do encontro, e venceram a equipa da casa, em jogo de estreia para o novo técnico encarnado e negro, Fernando Madeira, por 2-0, com os golos a serem apontados por Flecha e Kalita.
 
Ardina do Alentejo marcou presença no municipal estremocense e falou no final do encontro com os dois técnicos.
 
Fernando Madeira, técnico do CF Estremoz
Tentámos aguentar o Calipolense até onde conseguíssemos. Montámos a estratégia de jogo para tentar trocar a bola e fazê-los correr atrás da bola, mas o Calipolense é uma equipa muito experiente e soube aproveitar os nossos pontos fracos. E quando não marcamos acabamos por sofrer.
Estou perfeitamente satisfeito com a prestação dos meus jogadores, eles são uns verdeiros heróis e têm ajudado a dignificar a camisola. Vamos agora para o nosso campeonato, receber o Perolivas, e ganhar os três pontos que isso é que interessa.
No campeonato não nos queremos meter em grandes batalhas. O CF Estremoz é um outsider. Esta equipa é praticamente nova, com uma média de idades de 22 anos. Vamos aproveitar a irreverência deles, tentar fazer ponto a ponto, jogo a jogo, e depois logo se vê onde ficamos”.
 
Nuno Frade, técnico do Calipolense
Em inícios de campeonatos e em inícios de época, são sempre jogos complicados de analisar, porque há a vontade de querer mostrar tudo e a vontade de querer fazer tudo, numa altura em que ainda estamos a tentar ganhar a nossa forma, porque foi uma pré-época complicada, curta e ainda fomos bafejados com algumas lesões, que também não vieram ajudar. Esta malta que jogou hoje demonstrou que a qualidade está lá e não se pode olhar para o bilhete de identidade. São miúdos de formação, novos… A diferença de idades entre o mais velho e o mais novo são 10 anos. No 11 titular, dois têm 30 anos, e o resto fala por si. Bateram-se bem, perante um Estremoz que é uma equipa com mais maturidade, mas os meus jogadores desempenharam as missões que tinham preparadas muito bem mesmo.

Estou satisfeito com o desempenho dos meus jogadores, mas quero mais, porque eu sei que eles conseguem mais. Tentar controlar o ímpeto que eles têm, porque por vontade deles o jogo só tinha um sentido, que era atacar, mas esquecem-se que também temos de trabalhar o outro lado. Bateram-se bem e para primeiro desafio oficial estão de parabéns, todos, tanto os que estão aqui convocados como os que passaram a semana no treino. De realçar, que a equipa não são só 11, a equipa são os 25 ou 26 que estão no plantel, e esses é que têm de trabalhar, semana a semana, para agora irmos para essa difícil competição que é a Divisão de Elite, que não vai ser nada fácil, mas é um desafio bom para eles.
As aspirações são as de garantir a tranquilidade o mais rapidamente possível. Tendo a imagem do ano passado, já conhecemos um pouco o que é a Divisão de Elite, um campeonato extremamente competitivo, onde não há lugar para ninguém vacilar, porque se vacila é a morte do artista, porque não dá hipótese, é uma competição com uma intensidade muito grande. Com a irreverência desta juventude que tenho na equipa, e a 
aposta nestes jovens, visto que não olho para os cartões de cidadão, com a qualidade que têm, que essa é que têm de mostrar lá dentro, acredito que se continuarem com o foco, com a ambição, com a vontade de querer trabalhar semana após semana, com o objectivo de chegar ao fim de semana e entrar sempre para pontuar e para conquistar, porque há jogos que é para ganhar e há jogos que é para tentar ganhar, vamos tentar chegar o mais rapidamente possível à manutenção porque eles merecem”.         
 
 
Principais incidências da partida
14 minutos – Gonçalo Araújo desperdiça uma grande penalidade rematando por cima da baliza
40 minutos – Luís Moura falha um penalty, permitindo a defesa de Nuno Prates
43 minutos – Grande defesa de Nuno Prates, a defender um remate à entrada da área de Luís Rosado
58 minutos – Substituição no Calipolense – Saiu o camisola 23 – Luís Rosado e entrou o número 15 – Kalita
59 minutos – GOLO DO CALIPOLENSE, apontado pelo camisola 7, Flecha, num bom remate cruzado, descaído para o lado direito da forma como atacava a equipa de Vila Viçosa
62 minutos – Cartão amarelo para Gonçalo Gonçalves por protestos
63 minutos – Substituição no CF Estremoz – Saiu o camisola 8 – Batista e entrou para o seu lugar o número 16 – Marianito
69 minutos – GOLO DO CALIPOLENSE, apontado por Kalita, camisola 15 da formação de Vila Viçosa, rematando praticamente da marca de penalty, após um cruzamento vindo da direita.
73 minutos – Substituição no Calipolense – O camisola 16, Manuel Aurélio entrou pra o lugar do número 17, Deo
73 minutos – Substituição no CF Estremoz – Gonçalo Araújo, camisola 9, saiu para dar o seu lugar ao camisola 17, Cabaço
73 minutos – Substituição no CF Estremoz – José Coelho, número 15 da equipa encarnada e negra entrou para o lugar do camisola 10, Tiago Mourão
78 minutos – Substituição no Calipolense – O camisola 14, Lourenço Marques saiu para a entrada do número 8, Pedro Largueiras
 
 
 
Modificado em domingo, 22 setembro 2019 20:53

PUB