sexta, 26 maio 2017

E em Monforte, brilharam os primos Moura Caetano e Moura Jr.

Escrito por  Publicado em Cultura segunda, 30 março 2015 18:59
Beneficiando de touros colaborantes, os primos não deram hipóteses à concorrência Beneficiando de touros colaborantes, os primos não deram hipóteses à concorrência Ivo Moreira
A Praça de Touros João Moura, em Monforte, recebeu na tarde do passado Sábado, dia 28 de Março, uma corrida de beneficência a favor dos Bombeiros Voluntários da localidade do distrito de Portalegre.
 
Numa tarde em que o sol espreitou já com alguma intensidade, a praça de touros que perpetua o nome do pai do Maestro João Moura e avô de João e Miguel, esteve bem composta, com três quartos de casa fortes, numa corrida com um super-cartel, organizada pelo Grupo de Forcados Amadores de Monforte, que em 2015 cumprem 15 anos de actividade.
 
Em praça estiveram seis cavaleiros, com estilos distintos, que transmitem emoção e que facilmente chegam ao público: Joaquim Bastinhas, Ana Batista, João Moura Caetano, João Moura Jr., Marcos Tenório Bastinhas e Miguel Moura, que substituiu no cartel o seu pai, João Moura, que viu a corrida na trincheira, e que se encontra a recuperar de uma cirurgia à vesicula, realizada na passada semana.
 
Joaquim Bastinhas, que abriu praça, vinha com ‘ganas’ de triunfar e com vontade de mostrar que está “aí para as curvas”. Mas só a vontade não chegou. O Maestro de Elvas teve pela frente um complicado Passanha, que pouco “deu” ao veterano cavaleiro. Bastinhas saiu de Monforte sem glória e sem as suas imagens de marca, o par de bandarilhas e a saída do cavalo.
 
A Ana Batista também não sorriu o sorteio. O único touro da ganadaria de José Luis Vasconcellos e Sousa d’Andrade do lote vinha mal apresentado e mostrou-se muito complicado de lidar. A cavaleira de Salvaterra, embora tenha tentado dar a volta ao seu oponente, esteve alguns furos abaixo daquilo que é capaz e do toureio que a caracteriza.
 
A primeira grande lide da tarde foi da responsabilidade de João Moura Caetano. Diante de um belíssimo e colaborante touro da ganadaria da sua avó, Maria Guiomar Cortes de Moura, o cavaleiro de Monforte mostrou que a temporada de 2015 vai ser muito diferente da de 2014. Ferros compridos com emoção, de praça a praça, e a aguentar até ao limite, abriram uma lide que subiu de qualidade nos curtos. Moura Caetano brilhou intensamente numa tarde em que montou os cavalos “Aramis”, “Temperamento” e “Xispa”.
 
João Moura Jr. não quis que fosse apenas o primo a triunfar na tarde de Sábado e rubricou também ele, diante de um touro de Francisco Romão Tenório que ajudou ao êxito, uma lide de “encher o olho” ao aficionado. Igualmente a jogar a casa, Moura Jr. mostrou uma quadra de excelência, fez tudo bem feito, impôs emoção, bregou e ladeou como as primeiríssimas figuras do toureio, chegou às bancadas, triunfou. As feiras taurinas de Sevilha e de Madrid, bem como a inauguração do Campo Pequeno são os palcos que se seguem. Um arranque de temporada em grande, de um cavaleiro que se encontra num momento de absoluta afirmação.
 
O quinto touro da tarde, um Passanha que foi perdendo gás ao longo da lide, estava destinado a Marcos Tenório Bastinhas. O cavaleiro elvense mostrou-se empenhado, sacando ao seu oponente tudo o que tinha para ser sacado. Os Passanhas não quiseram nada com os Bastinhas na tarde de Sábado. Ferros de verdade, numa actuação valorosa, apesar do fraco desempenho do seu oponente, no arranque da temporada de Marcos Tenório Bastinhas, após longos meses de paragem.
 
Miguel Moura encerrou a corrida de Monforte. O mais novo dos cavaleiros da dinastia Moura mediu forças, à semelhança do que aconteceu com o seu irmão, com um touro de Romão Tenório, que se apresentou colaborante e que lhe proporcionou momentos de bom toureio, adornados em demasia, e que não agradaram muito ao seu pai, que na trincheira ia dando indicações ao jovem Miguel.
 
As pegas, que aconteceram sem grandes problemas, estiveram a cargo dos Amadores de Alter do Chão, que pegaram os seus dois touros à primeira, tendo sido caras João Galhofas e o romeno Jorge Neggi, dos Amadores de Monforte, que comemoram esta temporada o seu 15º aniversário, e cujas pegas aconteceram por intermédio de André Charepe e Vitor Carreiras, ao primeiro e segundo intento, respectivamente, e dos Amadores de Coimbra, que realizaram as suas duas pegas, à segunda e à terceira tentativa, respectivamente por José Freire e pelo cabo Rui Martins.
 
A corrida foi dirigida de forma condescendente e com afición por Marco Gomes. Nota de destaque para o cornetim Nuno Narciso, que com os seus sublimes toques, arrancou efusivos e calorosos aplausos do público presente.
 
Abrilhantou musicalmente, e de forma magistral, a Banda da Sociedade Filarmónica Artística Estremocense “União”.
 
c/ Farpas Blogue
 

Deixe um comentário

Mais Populares