quarta, 20 junho 2018
Teve lugar na cidade de Estremoz, no dia de ontem, em pleno Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, 23 de Abril, a final distrital do Concurso Nacional de Leitura.
 
Este concurso, que é uma iniciativa do Plano Nacional de Leitura, tem como objectivos principais, estimular o treino da leitura e desenvolver competências de expressão escrita e oral, junto dos alunos do 3º Ciclo do Ensino Básico e do Ensino Secundário.
 
Marcaram presença na cidade branca do Alentejo, 59 alunos em representação de 14 escolas do distrito de Évora, acompanhados pelos respectivos professores.
 
Durante a manhã, na Escola Básica Sebastião da Gama, realizou-se a prova escrita.
 
À tarde, todas as atenções ficaram concentradas no Auditório Moisés Pereira, na Escola Secundária Rainha Santa Isabel, onde se realizou a prova oral, realizada em palco e aberta ao público, e dividida em Prova de Leitura Expressiva e Prova de Exposição Oral / Argumentação, com os cinco elementos apurados em cada escalão de ensino.
 
Os cinco finalistas do Ensino Secundário apurados na final distrital do Concurso Nacional de Leitura foram Beatriz Charrua, da Escola Secundária André de Gouveia (Évora), Duarte Siquenique, João Alves e Joana Borralho, da Escola Secundária Rainha Santa Isabel (Estremoz), e Joana Sofia Farrica, da Escola Secundária de Vendas Novas.
 
Na Prova de Leitura Expressiva, os cinco finalistas do Ensino Secundário tiveram de ler um dos seguintes poemas: “Isto”, de Fernando Pessoa, “A Arma Secreta”, de António Gedeão, “Pescador da Barca Bela”, de Almeida Garrett, “De Tarde”, de Cesário Verde, e “Sete Anos de Pastor”, de Luís de Camões.
 
Os cinco finalistas do Ensino Básico apurados na final distrital do Concurso Nacional de Leitura foram David Moreira, da Escola Básica Sebastião da Gama (Estremoz), Inês Aniceto, da Escola Básica D. João (Portel), Margarida Boieiro, da Escola Básica Diogo Lopes Sequeira (Alandroal), Maria José Menezes, da Escola Básica e Secundária de Mora, e Rui Vieira, da Escola Básica André de Resende (Évora).
 
Na Prova de Leitura Expressiva, os cinco finalistas do Ensino Básico tiveram de ler uma das seguintes fábulas: “A Cigarra e a Formiga”, de Bocage, “O Leão e o Rato”, de Curvo Semedo, “O Corvo e a Raposa”, de Bocage, “O Pote de Ferro e o Pote de Barro”, de 

António Antunes, e “O Velho e os seus Filhos”, de José Inácio Araújo.
 
Depois de apreciadas as prestações de todos os finalistas, o júri da final distrital do Concurso Nacional de Leitura, que foi composto pelo escritor Alexandre Honrado, por José Russo, Director Artístico do Centro Dramático de Évora - CENDREV, e por Márcia Oliveira, Vereadora do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Estremoz, deliberou que os representantes do distrito de Évora, na final nacional do Concurso Nacional de Leitura, que se realiza em Lisboa, no próximo mês de Maio, fossem Beatriz Charrua, da Escola Secundária André de Gouveia (Évora), em representação do Ensino Secundário, e David Moreira, da Escola Básica Sebastião da Gama (Estremoz), em representação do Ensino Básico.
 
Os alunos Joana Borralho e João Alves, ambos da Escola Secundária Rainha Santa Isabel (Estremoz), ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente, no Ensino Secundário.
 
Os alunos Margarida Boieiro, da Escola Básica Diogo Lopes Sequeira (Alandroal), e Rui Vieira, da Escola Básica André de Resende (Évora), ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente, no Ensino Básico.
 
Os prémios da final distrital do Concurso Nacional de Leitura foram entregues por Francisco Ramos, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, por Carla Correia, Coordenadora Interconcelhia da Rede de Bibliotecas Escolares, e por Maria Carlos Loureiro, representante da Direcção-Geral do Livro, Bibliotecas e Arquivos.
 
A prova oral da tarde, transformada em concurso-espectáculo, foi apresentado por Pedro Ramalho e Isabel Moreira, e contou com as actuações da Orquestra de Flautas da Escola Básica Sebastião da Gama - Agrupamento de Escolas de Estremoz, dirigida pela Professora Candida Lóios, das Dance Mix, duo de dança composto por Beatriz Rita e Sónia Guerreiro, de Francisca Violette, na declamação do poema “Cântico Negro”, de José Régio, e de Beatriz Rosa, Miguel Candeias e Raquel Monteiro, na interpretação de temas de One Direction, Elton John e Mariza.
 
A organização da final distrital do Concurso Nacional de Leitura coube à Biblioteca Municipal de Estremoz, que contou com a colaboração da Biblioteca do Agrupamento de Escolas de Estremoz e da Biblioteca da Escola Secundária Rainha Santa Isabel.
 
Inserido no evento “Alter, Abril, Cavalos e Toiros II”, realizou-se no emblemático Castelo de Alter do Chão, um Encontro de Tertúlias Tauromáquicas, subordinado ao tema “O papel das Tertúlias na preservação da Tauromaquia”.
 
Para além da Tertúlia Tauromáquica de Estremoz, que esteve representada por Manuel Rolo, compareceram à chamada as tertúlias do Aposento do Barrete Verde de Alcochete, a Tertúlia Festa Brava, a Tertúlia S. João de Alcochete, a Tertúlia AbreMax de Vila Franca de Xira, o Grupo de Aficionados da Penha em Portalegre, a Tertúlia Tauromáquica de Alagoa, o Clube Taurino do Agrupamento de Escolas de Alter do Chão, a Tertúlia Tauromáquica A Fenomenal do Entroncamento e a Tertúlia Circulo T.
 
O antigo cronista tauromáquico e agora Director de Corrida Marco Gomes e Cláudia Távora, em representação do Município de Alter do Chão, fizeram as honras da casa e abriram a sessão.
 
Depois dos representantes das tertúlias terem feito a apresentação das mesmas, Luís Capucha fez uma abordagem histórica da tauromaquia, dos seus valores, das problemáticas do passado, e do papel das tertúlias no fomento da afición e a sua importância na tauromaquia.
 
A manhã terminou com a visita à exposição do cavaleiro Joaquim Bastinhas e ao castelo de Alter.
 
c/ Porta dos Sustos
 
A revista à portuguesa está de regresso ao Teatro Bernardim Ribeiro, em Estremoz. Natalina José, Anita Guerreiro, Paulo Oliveira, Ana Paula Mota, Luís Viegas e Filipa Giovanni são o elenco de luxo, bem querido do público português, da revista “Pró Diabo kus Carregue”, que sobe ao palco da mais emblemática sala de espectáculos estremocense no próximo dia 9 de Maio, Sábado, pelas 21.30 horas.
 
A produtora C2E, Concepção e Comercialização de Espectáculos, Lda, responsável por esta revista à portuguesa, garante que este vai ser “um verdadeiro festival de gargalhada para nos fazer esquecer a crise!”
 
A nova aposta em produção da C2E, integra um conjunto criteriosamente selecionado de textos base para rábulas quer de carácter crítico sociocultural, quer apenas humorístico, escritos por conceituados autores e compositores nacionais, tendo sido criados quadros que são intercalados por temas bem conhecidos da música portuguesa, que têm interpretação confiada à mais popular fadista lisboeta, Anita Guerreiro.
 
Os bilhetes para a revista “Pró Diabo kus Carregue”, que tem a duração aproximada de duas horas, já se encontram à venda no Teatro Bernardim Ribeiro, no Posto de Turismo ou na internet, seguindo o respectivo link.
 
Para mais informações ou reserva de bilhetes, devem os interessados contactar o 268 339 216 (Serviços Culturais), o 268 339 222 (Teatro Bernardim Ribeiro), o 268 339 227 (Posto de Turismo) ou o email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. .
 
Esta iniciativa é uma organização da C2E, Concepção e Comercialização de Espectáculos, Lda com o apoio da Câmara Municipal de Estremoz.
No próximo dia 12 de Abril, Domingo, quando forem 16.30 horas, a Sociedade Filarmónica Luzitana realiza no Palácio dos Marqueses de Praia e Monforte, o já tradicional Concerto de Primavera.
 
No ano em que celebra 175 anos de vida, a banda mais antiga do país em actividade ininterrupta regressa ao palácio recentemente recuperado, e cuja Sociedade “inaugurou” musicalmente em Janeiro de 2014, para um concerto com peças animadas e diversificadas. A Luzitana promete ainda algumas surpresas pelo meio deste Concerto de Primavera.
 
Esta é uma actividade organizada pela Sociedade Filarmónica Luzitana, e que conta com o apoio da Câmara Municipal de Estremoz.
 
O estremocense Miguel Tira-Picos faz parte do elenco de luxo do mais recente espectáculo de Filipe La Féria, “A Noite das Mil Estrelas”, que estreia hoje, quinta-feira, dia 9 de Abril, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril.
 
Escrito e encenado por Filipe La Féria, "A Noite das Mil Estrelas" é o maior musical alguma vez apresentado no nosso país. O espectáculo propõe uma viagem no tempo, pelos momentos mais emblemáticos da história do Casino Estoril, desde os anos trinta à actualidade, fazendo, ainda, o enquadramento com a História de Portugal do séc. XX aos nossos dias.
 
Numa revisitação de grandes noites que marcaram diferentes épocas, este espectáculo homenageia as divinas estrelas que subiram ao palco do Casino Estoril com as suas músicas, lendas e glamour. Durante as noites em que este espectáculo estará em cena, serão recordados nomes como os de Amália, Elis Regina, Shirley Bassey, Charles Aznavour, Júlio Iglésias, Liza Minnelli, entre mais de uma centena de personalidades que marcaram para sempre a nossa memória.
 
Desde as míticas princesas Grace Kelly, Margaret de Inglaterra, Soraya do Irão, ao Conde de Barcelona, ao Duque de Windsor ou ao Rei Humberto de Itália, até às mais altas personalidades da cultura universal como o escritor Jorge Amado ou o pintor Salvador Dali, todas elas fazem parte da história do maior Casino da Europa e todas estarão em cena nesta aguardada "Noite das Mil Estrelas". E também não faltou à chamada o “pai” de 007, Ian Fleming, que em pleno Casino Estoril se inspirou para criar o mais conhecido agente secreto do mundo.
 
O novo musical de Filipe la Féria distingue-se, desde logo, pelos seus protagonistas, entre os quais sobressaem nomes como os de Alexandra, Gonçalo Salgueiro, Pedro Bargado, Vanessa, Rui Andrade, David Ripado, Dora, Cláudia Soares, João Frizza e Catarina Mouro. Em palco, estarão, ainda, em evidência um corpo de bailarinos, vários acrobatas e uma orquestra que actuará ao vivo. São mais de 60 artistas em cima do palco.
 
Em declarações ao CM, o encenador Filipe La Féria, referiu que "as pessoas andam muito tristes e querem duas horas de evasão, querem sonhar, porque a vida também é sonho, e querem acreditar na sua história. E vão sair deste espetáculo a conhecer as gerações que passaram por este sítio, que nasceu de um sonho". La Feria afirmou ainda que não costuma gostar das coisas que faz, “mas este espetáculo está fantástico, tem artistas magníficos e os figurinos valem só por si”.
 
“Ardina do Alentejo” esteve à conversa com Miguel Tira-Picos, minutos antes de entrar no palco do Casino Estoril, na estreia de “A Noite das Mil Estrelas”.
 
Miguel confidenciou-nos que este “convite surgiu através da minha parceira Mónica Alves, que já tinha trabalhado com o Filipe La Féria. Ela marcou uma reunião com o próprio La Féria, para podermos, em conjunto com o nosso colega Bruno Rosa, apresentarmos o nosso trabalho como acrobatas".
 
O jovem estremocense referiu que “este grande encenador interessou-se de imediato pelo nosso trabalho e aqui estamos nós, os acrobatas da ‘Noite das Mil Estrelas’”.
 
Sobre o seu desempenho neste espectáculo, Miguel levantou uma ponta do véu, e adiantou-nos que “tenho a oportunidade de homenagear o grande Mimo, Marcel Marceu”. 
 
Antes de ser chamado ao palco, Miguel Tira-Picos ainda teve tempo para nos dizer que este é “sem dúvida, um grande passo na minha caminhada profissional”. Concluiu referindo ser “uma honra poder trabalhar com o grande Filipe La Féria”.
 
O espectáculo está em cena, a partir de hoje, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril, de quinta-feira a sexta-feira às 21:30, sábado às 17:00 e 21:30, no domingo às 17:00.
 
c/ Correio da Manhã
“Ardina do Alentejo” apresenta-lhe a mais completa reportagem da Corrida de Touros que se realizou no passado dia 28 de Março, em Monforte.
 
Depois de termos colocado online uma colecção com 48 fotografias captadas pela objectiva de Ivo Moreira, ouça agora as declarações de todos os intervenientes: Joaquim Bastinhas, Ana Batista, João Moura Caetano, João Moura Jr., Marcos Tenório Bastinhas, Miguel Moura, Elias Santos, cabo do Grupo de Forcados Amadores de Alter do Chão, Ricardo Carrilho, cabo do Grupo de Forcados Amadores de Monforte, e Rui Martins, cabo do Grupo de Forcados Amadores de Coimbra.
 

Sónia Matias, João Moura Caetano e Tiago Carreiras, na Praça de Touros de Estremoz, a 2 de Maio. Este foi o cartel anunciado a semana passada e que foi na altura amplamente divulgado pela comunicação social. Mas eis que hoje é anunciada uma verdadeira reviravolta no cartel para o tauródromo estremocense.
 
Sendo assim, no próximo dia 2 de Maio, numa corrida de touros realizada por ocasião da FIAPE – Feira Internacional Agropecuária de Estremoz, a Praça de Touros da cidade branca do Alentejo, irá receber um mano-a-mano entre João Moura Caetano e João Maria Branco. O restante cartel anteriormente anunciado mantém-se: as pegas ficarão a cargo dos Grupos de Forcados Amadores de Moita, Arronches e Redondo, e serão lidados seis touros da Ganadaria de Herdeiros de Manuel Rafael Cary.
 
Depois das muitas críticas feitas ao cartel anteriormente anunciado pela empresa "Aplaudir", João Pedro Bolota resolveu fazer uma verdadeira revolução e apresenta assim um dos grandes cartéis deste início de temporada, e que promete fazer com que a Praça de Touros de Estremoz registe uma boa afluência de público.
 

A alentejana Beatriz Rocha, de apenas 15 anos, foi a grande vencedora da categoria “Cultura”, na secção juvenil dos Prémios Mundiais de Fotografia Sony.

A jovem alentejana venceu aquela que é considerada como a maior competição do género a nível internacional, com uma “chapa” batida no ano passado, no Teatro Garcia Resende, em Évora, aquando da candidatura do Cante a Património Mundial. Beatriz acompanhava o seu pai, Telmo Rocha, numa sessão de fotografia com o grupo "Cantares de Évora".
 
A ideia era juntar duas dimensões da memória histórica de Évora: o centro histórico, que já é património da Humanidade, e a o cante que na altura estava ainda na corrida para ser classificado como Património Imaterial.
 
E assim nasceu a fotografia que vai agora ficar para a história.
 
Ao site da SIC Notícias, Beatriz confessou: "Chorei, depois ri-me, tive um conjunto de emoções boas".
 
Há muito tempo que Beatriz é uma apaixonada pela fotografia, está-lhe nos genes, uma espécie de hereditariedade. O seu avô, Luís Rocha, era fotógrafo profissional, que chegou a trabalhar no Diário do Alentejo. O seu pai, Telmo Rocha, é economista, mas partilha a mesma paixão.
 
Recorda as velhinhas “máquinas de rolo”, dos amigos e dos pais. A fotografia a sério surge na vida de Beatriz, em 2013, altura em que, segundo ela, começou a “pensar a fotografia”.
 
Gosta de fotografar de tudo. Pessoas, paisagens. Gosta de compôr, de provocar. De mudar a maneira de ver as coisas.
 
Por enquanto é só um hobby, e assim se deverá manter, até porque “gostava de ter um trabalho no ramo da física", uma área que também a fascina.
As máquinas, herdou-as do pai. Já vai na segunda. Foi com a Nikon D7000 que captou aquele momento que deixou o júri rendido ao talento desta jovem alentejana.
 
Nesta competição da Sony, a luso-descendente Stephanie Anjo e a chinesa Yong Lin Tan foram também premiadas.
 
c/ SIC Notícias e Tribuna do Alentejo
 
A Praça de Touros João Moura, em Monforte, recebeu na tarde do passado Sábado, dia 28 de Março, uma corrida de beneficência a favor dos Bombeiros Voluntários da localidade do distrito de Portalegre.
 
Numa tarde em que o sol espreitou já com alguma intensidade, a praça de touros que perpetua o nome do pai do Maestro João Moura e avô de João e Miguel, esteve bem composta, com três quartos de casa fortes, numa corrida com um super-cartel, organizada pelo Grupo de Forcados Amadores de Monforte, que em 2015 cumprem 15 anos de actividade.
 
Em praça estiveram seis cavaleiros, com estilos distintos, que transmitem emoção e que facilmente chegam ao público: Joaquim Bastinhas, Ana Batista, João Moura Caetano, João Moura Jr., Marcos Tenório Bastinhas e Miguel Moura, que substituiu no cartel o seu pai, João Moura, que viu a corrida na trincheira, e que se encontra a recuperar de uma cirurgia à vesicula, realizada na passada semana.
 
Joaquim Bastinhas, que abriu praça, vinha com ‘ganas’ de triunfar e com vontade de mostrar que está “aí para as curvas”. Mas só a vontade não chegou. O Maestro de Elvas teve pela frente um complicado Passanha, que pouco “deu” ao veterano cavaleiro. Bastinhas saiu de Monforte sem glória e sem as suas imagens de marca, o par de bandarilhas e a saída do cavalo.
 
A Ana Batista também não sorriu o sorteio. O único touro da ganadaria de José Luis Vasconcellos e Sousa d’Andrade do lote vinha mal apresentado e mostrou-se muito complicado de lidar. A cavaleira de Salvaterra, embora tenha tentado dar a volta ao seu oponente, esteve alguns furos abaixo daquilo que é capaz e do toureio que a caracteriza.
 
A primeira grande lide da tarde foi da responsabilidade de João Moura Caetano. Diante de um belíssimo e colaborante touro da ganadaria da sua avó, Maria Guiomar Cortes de Moura, o cavaleiro de Monforte mostrou que a temporada de 2015 vai ser muito diferente da de 2014. Ferros compridos com emoção, de praça a praça, e a aguentar até ao limite, abriram uma lide que subiu de qualidade nos curtos. Moura Caetano brilhou intensamente numa tarde em que montou os cavalos “Aramis”, “Temperamento” e “Xispa”.
 
João Moura Jr. não quis que fosse apenas o primo a triunfar na tarde de Sábado e rubricou também ele, diante de um touro de Francisco Romão Tenório que ajudou ao êxito, uma lide de “encher o olho” ao aficionado. Igualmente a jogar a casa, Moura Jr. mostrou uma quadra de excelência, fez tudo bem feito, impôs emoção, bregou e ladeou como as primeiríssimas figuras do toureio, chegou às bancadas, triunfou. As feiras taurinas de Sevilha e de Madrid, bem como a inauguração do Campo Pequeno são os palcos que se seguem. Um arranque de temporada em grande, de um cavaleiro que se encontra num momento de absoluta afirmação.
 
O quinto touro da tarde, um Passanha que foi perdendo gás ao longo da lide, estava destinado a Marcos Tenório Bastinhas. O cavaleiro elvense mostrou-se empenhado, sacando ao seu oponente tudo o que tinha para ser sacado. Os Passanhas não quiseram nada com os Bastinhas na tarde de Sábado. Ferros de verdade, numa actuação valorosa, apesar do fraco desempenho do seu oponente, no arranque da temporada de Marcos Tenório Bastinhas, após longos meses de paragem.
 
Miguel Moura encerrou a corrida de Monforte. O mais novo dos cavaleiros da dinastia Moura mediu forças, à semelhança do que aconteceu com o seu irmão, com um touro de Romão Tenório, que se apresentou colaborante e que lhe proporcionou momentos de bom toureio, adornados em demasia, e que não agradaram muito ao seu pai, que na trincheira ia dando indicações ao jovem Miguel.
 
As pegas, que aconteceram sem grandes problemas, estiveram a cargo dos Amadores de Alter do Chão, que pegaram os seus dois touros à primeira, tendo sido caras João Galhofas e o romeno Jorge Neggi, dos Amadores de Monforte, que comemoram esta temporada o seu 15º aniversário, e cujas pegas aconteceram por intermédio de André Charepe e Vitor Carreiras, ao primeiro e segundo intento, respectivamente, e dos Amadores de Coimbra, que realizaram as suas duas pegas, à segunda e à terceira tentativa, respectivamente por José Freire e pelo cabo Rui Martins.
 
A corrida foi dirigida de forma condescendente e com afición por Marco Gomes. Nota de destaque para o cornetim Nuno Narciso, que com os seus sublimes toques, arrancou efusivos e calorosos aplausos do público presente.
 
Abrilhantou musicalmente, e de forma magistral, a Banda da Sociedade Filarmónica Artística Estremocense “União”.
 
c/ Farpas Blogue
 

Mais Populares