quarta, 23 agosto 2017

Aí está o sexto festival taurino da Rádio Campanário

Escrito por segunda, 09 fevereiro 2015 23:26
É já no próximo dia 14 de Março, na Praça de Touros de Vila Viçosa, que a Rádio Campanário irá promover a sexta edição do seu Festival Taurino.
A partir das 15 horas, num dos festivais que já faz parte do calendário taurino português, estarão em praça os cavaleiros portugueses Luís Rouxinol, João Moura Jr., João Telles Jr., o espanhol Manuel Manzanares, o colombiano Jacobo Botero e o praticante João Salgueiro da Costa.
 
As pegas estarão a cargo de dois dos mais prestigiados grupos de forcados, os Amadores de Montemor e os Amadores de Évora, capitaneados respectivamente por António Vacas de Carvalho e António Alfacinha.
 
Os novilhos/touros a lidar neste festival, pertencerão às prestigiadas ganadarias de António Charrua, Passanha, Francisco Romão Tenório e Quinta de Mata-o-Demo.
 
À semelhança do que aconteceu em 2014, no início do festival decorrerá uma cerimónia de bênção da comunidade taurina com a presença da imagem peregrina da Padroeira de Portugal.
 
As reservas já podem ser feitas através dos números 268980222/961349379 ou em www.radiocampanario.com.
 
Englobado no “Às Vezes o Amor”, Festival de Música do Dia dos Namorados, António Zambujo sobe ao palco da Arena d’Évora, no próximo Sábado, pelas 22 horas.
 
“Rua da Emenda”, o sexto álbum de originais de António Zambujo, é, afinal, uma avenida do mundo onde coabitam as sonoridades do Brasil, França, Uruguai e do continente africano trazidas, claro está, para a dimensão portuguesa.
 
Ao vivo, António Zambujo enche o espaço e pára o tempo com a sua voz e guitarra, cheias de recantos e subtilezas, na companhia de músicos de excepção, dirigidos pelo seu contrabaixista e director musical, Ricardo Cruz. O público é convidado a participar para que, a uma só voz, ecoem as emoções dos protagonistas e sentimentos universais, a que Zambujo sabe dar vida de forma ímpar, nas suas canções.
 
“Às Vezes o Amor” é uma festa de música e emoções repartidas por oito cidades portuguesas. No mesmo dia, à mesma hora, o amor espalha-se de Norte a Sul. Portugal fica mais amoroso. Com música para todos os gostos. Música que não troca o bom e complicado “amo-te” pelo musicalmente mais fácil “I love you”. No dia 14 de Fevereiro de 2015, oito amados nomes e projectos da música portuguesa fazem da paixão canções derramadas em oito palcos diferentes. Haverá acima de tudo música para preencher os corações que se apaixonam.
 
Para além da actuação de António Zambujo na Arena d’Évora, há mais sete concertos. Os Xutos e Pontapés actuam no Coliseu do Porto, Sara Tavares na Aula Magna em Lisboa, Jorge Palma no Teatro José Lúcio da Silva em Leiria, João Pedro Pais no Centro Cultural e Congressos das Caldas da Rainha, Luísa Sobral no Cine-Teatro Avenida em Castelo Branco, Miguel Araújo no Teatro Municipal em Vila do Conde e Rita Guerra no Centro Cultural de Ílhavo.
 

Olavo Bilac ao vivo no Garcia de Resende

Escrito por sábado, 31 janeiro 2015 19:59
Na próxima sexta-feira, dia 6 de Fevereiro, a partir das 21.30 horas, no Teatro Garcia de Resende, em Évora, Olavo Bilac vai apresentar pela primeira vez ao público alentejano, um novo capítulo na sua carreira. 
 
Dono de uma das vozes mais queridas pelo grande público, Olavo possui um currículo rico. Para além dos Santos & Pecadores, Olavo encontra-se intimamente ligado ao projecto Resistência.
 
Este novo rumo na sua carreira, foi apresentado em Lisboa, num concerto que serviu de rampa de lançamento para o novo álbum, intitulado “Músicas do Meu Mundo”.
 
É o próprio Olavo que aponta as coordenadas desta viagem: “Cabo Verde, Angola, Brasil, Portugal - o Atlântico e a Lusofonia são ideias, sons, rotas que eu quis explorar”. Este caminho passa por um standard como “Trem das Onze”, que toda a gente já cantou, de Gal Costa aos Duo Ouro Negro, e que Olavo agora quer reclamar, bem como criações de gente tão estimadas quanto Dorival Caymmi, Rui Veloso ou Paulo Gonzo.  “Copacabana”, é o single de apresentação deste álbum que já roda em várias rádios nacionais. “O plano”, diz ainda Olavo Bilac, “foi poder misturar tudo, trazer alguma mestiçagem para a música, pegar num tema como "O meu primeiro beijo" de Rui Veloso e dar-lhe um tom de morna. A verdade é que me deu um enorme gozo explorar esta nova linguagem musical. Sinto isto como um passo natural”, sublinha o cantor. 
 
Em palco, o samba e a bossa, a morna e o samba, o fado e a balada serão cruzados e reinventados por músicos experientes, com balanço e rigor. E por cima, uma voz rouca e singular, que o público aprendeu a aplaudir há muito, reconhecendo-lhe uma alma única e plena de força. Este também é o mundo de Olavo Bilac: é por aí que ele nos guia, com canções, cores, aromas, muito Atlântico e paixão.
 
Para mais informações ou reserva de bilhetes, devem os interessados contactar a bilheteira do Teatro Garcia de Resende, através do 266 703 112 ou pelo email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. . Esta é uma organização da Câmara Municipal de Évora, com produção da Uguru Produções, e que conta com os apoios da Rádio Renascença e do Cendrev.
 
A Contemporaneus vai apresentar a ópera em um acto “Rita, ou le mari battu”, de Gaetano Donizetti, no próximo dia 13 de Fevereiro, pelas 21:30 horas, no CAEP – Centro de Artes do Espectáculo de Portalegre.
 
No ano de 1841, Donizetti encontrava-se em Paris, a aguardar a chegada do libretto para a nova ópera que o Scala de Milão lhe havia comissionado e, sendo um compositor bastante activo, estes períodos de pausa no trabalho tornavam-se penosos, pelo que, num encontro com o escritor Gustave Vaez, que já havia escrito dois librettos para óperas suas, pediu-lhe para escrever um libretto pequeno para uma ópera de curta duração, somente para que ele pudesse estar ocupado enquanto aguardava a chegada do material do Scala.
 
Vaez aceitou o desafio e, em poucos dias, escreveu o enredo de "Rita, ou le mari battu", uma ópera cómica em um acto.
 
Donizetti completou a ópera em oito dias, contudo quer por rejeição de teatros, quer por uma série de infortúnios, nunca conseguiu ver este trabalho estreado em vida.
 
A partitura foi encontrada entre o seu espólio após a sua morte em 1848.
 
Rita é uma comédia amorosa que, retratando um assunto actual da sociedade, a violência doméstica, mostra-nos no final como o amor e o respeito mútuo por cada membro do casal são a solução para colocar fim a este flagelo.
 
A acção desenrola-se na estalagem de Rita, a repressiva mulher do tímido e desajeitado Beppe. O casal vê as suas vidas viradas do avesso com a chegada à sua estalagem de um viajante, Gaspar. O viajante conta a Beppe que era casado com uma mulher da cidade, mas que numa das suas viagens o seu navio naufragou. Beppe, ao ouvir esta história, reconhece Gaspar como o primeiro marido de Rita e, astuto, vê neste regresso do falecido esposo a oportunidade de se livrar da odiada Rita.
 
A encenação pertence a Figueira Cid e a direcção musical a Vera Batista. Inês Simões (soprano), Carlos Monteiro (tenor) e Jorge Martins (barítono) interpretam a ópera. 
 
Os bilhetes custam 15 euros (preço normal) e 12 euros para menores de 18 anos ou maiores de 65 anos, havendo, no entanto, um desconto de três e dois euros, respectivamente, para quem adquirir os bilhetes até ao dia antes do espectáculo.
 
Para informações e reservas, os interessados devem utilizar o contacto telefónico 245307498 ou o mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. .
 
É já amanhã, Domingo, dia 25 de Janeiro, pelas 16 horas, que a Biblioteca Municipal de Estremoz vai receber o espectáculo "Música em Tempo de Guerra", pelo Ensemble Contemporaneus, com a soprano Margarida Marreiros.
 
"Música em Tempo de Guerra" é uma organização da Contemporaneus com o apoio da Câmara Municipal de Estremoz e de alguns parceiros e trata-se de um ciclo de canções para ensemble e soprano de Nuno Sequeiro Rodrigues.
 
c/ Câmara Municipal de Estremoz
Organizado pela União das Freguesias de Estremoz (Santa Maria e Santo André), está a decorrer o concurso de fotografia “Bairro de Santiago” em Estremoz.
 
O concurso, que está aberto à participação de toda a população, tem como objetivos a promoção e divulgação de novos valores na arte da fotografia, no sentido de despertar e acompanhar o interesse das pessoas para esta arte e mais propriamente para o Bairro de Santiago.
 
Os trabalhos a concurso devem ser entregues até ao dia 27 de fevereiro, na União das Freguesia de Estremoz (Santa Maria e Santo André), podendo cada participante entregar um máximo de três fotografias.
 
O júri do concurso decidirá os vencedores segundo a originalidade e qualidade das fotografias apresentadas, sendo os resultados divulgados no dia 4 de abril de 2015, data de inauguração da exposição de todos os trabalhos a concurso, pelas 16:00 horas, no Salão da União das Freguesias de Estremoz (Santa Maria e Santo André).
 
Para além da entrega de Certificados de Participação e lembranças a todos os participantes, os três primeiros classificados receberão os seguintes valores pecuniários:
1º classificado – 300 €
2º Classificado – 200 €
3º Classificado – 100 €
 
Para mais informações e consulta do regulamento do concurso de fotografia “Bairro de Santiago” em Estremoz, deve aceder à página da internet da União das Freguesias de Estremoz (Santa Maria e Santo André, em www.jf-etzsantamaria.pt.
 
c/ Câmara Municipal de Estremoz
 
E o trabalho do estremocense Miguel Tira-Picos continua a dar que falar!
 
No próximo dia 31 de Janeiro, a partir das 22 horas, o Armazém 13, em Lisboa, apresenta “7 Pecados do Espectáculo”, a nova performance do Circo Contemporâneo.
 
O conceptual, o excesso, a cunha, a putaria, o plágio, a cobiça, e a sabotagem, são os pecados que fazem parte do dia-a-dia de cada artista. No Armazém 13, em Benfica, todos esses erros vão ser expostos e o Circo Contemporâneo vai mostrar ao público o que ele realmente quer ver. Mas quem são estas personagens irreais que vamos ver em palco? E o que está debaixo da pele de cada um? A não perder “7 Pecados do Espectáculo”.
 
Com encenação do estremocense Miguel Tira-Picos, este espectáculo conta com as interpretações de Angelica Evrard, Mariana Portugal, Mila Xavier, Mónica Alves, Raquel Nicoletti, Bruno Rosa, Matias Hugo, Gerald Oliveira, e do próprio Miguel Tira-Picos.
 
Para mais informações sobre este “7 Pecados do Espectáculo”, pode aceder ao site www.armazem13.pt ou então contactar através dos números de telefone 966762047 ou 917070021.
 

Luzitana apresenta Concerto de Ano Novo

Escrito por sexta, 09 janeiro 2015 00:17
Terá lugar no Salão dos Bombeiros Voluntários de Estremoz no próximo Domingo, dia 11 de Janeiro, pelas 16 horas, mais um tradicional Concerto de Ano Novo pela Sociedade Filarmónica Luzitana.
 
Este será o primeiro concerto do ano da banda mais antiga do país em actividade ininterrupta.
 
Esta iniciativa é uma organização da Sociedade Filarmónica Luzitana, com o apoio da Câmara Municipal de Estremoz.
 
c/ Câmara Municipal de Estremoz

José Chambel expõe em Estremoz

Escrito por quinta, 08 janeiro 2015 00:29
Irá decorrer no próximo dia 11 de Janeiro, pelas 16 horas, na Sala de Exposições do Museu Municipal de Estremoz, a inauguração da exposição de pintura “Horizontes”, de José Chambel.
 
José Chambel é um autodidacta. Nasceu em Angola, em 1955, e frequentou o Curso de Artes Gráficas e Fotografia da Escola de Artes Decorativas António Arroio, onde foi aluno de Doritta Castelo Branco. Participou no livro “Aspectos das Artes Plásticas em Portugal” e foi aderecista no Teatro Maria Vitória, na revista “Rei, Capitão, Soldado Ladrão” em 1979. Desde 1989 que faz exposições individuais e colectivas, em Portugal e no estrangeiro.
 
A mostra vai estar patente até 8 de Março de 2015.
 
c/ Câmara Municipal de Estremoz

Mais Populares